sexta-feira, 27 de maio de 2011

Talvez seja isso

Ontem tive um problema que me fez refletir sobre a ausência dos Policiais Militares nas Manifestações. Precisei ir ao centro do Rio de Janeiro para resolver assuntos pessoais e, percebi que não estava dotado de quantia suficiente para arcar com o custo desse deslocamento.

Ao receber meus Proventos, repasso quase a sua totalidade para minha esposa para que administre as despesas da casa, ficando com alguns trocados para minhas despesas pessoais. Devido a esse entrave, adiei esse compromisso para após o próximo pagamento.

Talvez com os PMs da ativa ocorra o mesmo, os mais antigos, vivem ainda sob o regime do medo das punições arbitrárias, que realmente ocorrem e, depois que se virem para anulá-las. Os jovens policiais mais sujeitos à insatisfação, com seus parcos vencimentos, não suprem suas necessidades básicas, como transporte, alimentação, moradia, vestimenta e instrução, não só para si, mas para sua família (esposa e filhos).

Assistimos passivos as reclamações dos PMs do interior lotados em UPPs da Capital que sem condições de arcar com despesas de transporte, pedem carona, se submetem a micro ônibus da Corporação, ou recebem alguma verba do governo para conseguir com sacrifício chegar nos locais de trabalho.

É lógica que esses PMs, embora motivados, não dispõem de condições financeira para participar das manifestações, com prejuízo de folga e principalmente de sua vida financeira.

Às chamadas “banda podre” não interessa reclamar, pois estão bem servidos das ilicitudes e, só sentirão a falta dessa “grana” após passagem para a Reserva, quando verão o quanto faz falta a propina.

Então, talvez seja isso um dos principais motivos para a ausência de grande efetivo de PMs nas mobilizações. Falta de “grana”. Ou será a ignorância e subserviência?

Nenhum comentário:

Postar um comentário