sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

AMIANTO: A FIBRA ASSASSINA

                                                           Jean Carlos Nascimento, TST, Consultor NRFACIL

AMIANTO: A fibra assassina pode matar mais de 1 milhão até 2030


No Estado de São Paulo, o uso e transporte do amianto estava proíbido desde de 2008, pela lei 12.684. Recentemente os Estado sofreu uma perda - foi julgado favoravelmente, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o pedido de liminar em que a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística questiona, através da ADPF 234/11, a Lei Estadual nº 12.684/2007, que proíbe o transporte do amianto crisotila e de produtos que contenham o mineral no Estado de São Paulo.

Com isso, as empresas de cargas e logística podem voltar a trafegar pelas rodovias do Estado de São Paulo, transportando o amianto crisotila e produtos que o contenham quando destinados a outro Estado da Federação, bem como para a exportação.

Um duro golpe contra os trabalhadores a qual ficam agora expostos a riscos adicionais do uso do amianto no transporte interestadual.

É preciso um esforço e vigilância para acabar com uso do amianto, já que o Brasil, como signatário da conveção 162 da OIT, deve determinar a substituição do amianto, desde que disponiveis alternativas tecnológica e economicamente viaveis.

O AMIANTO

O Amianto pertence a uma família de minerais fibrosos que são encontrados em depósitos subterrâneos, essa fibra mineral é usada no isolamento das casas, na proteção ao fogo (em roupas de segurança), caixas d’água, pisos, telhas, componentes de freios de automóveis, revestimentos de máquinas e alguns tipos de material plástico.

A inalação do amianto é considerada extremamente nociva à saúde, causando diversos tipos de doenças pulmonares. Acredita-se que as fibras de amianto são responsáveis pelo aumento do risco de câncer de pulmão em trabalhadores que são expostos diariamente a essa substância, como: mineiros, trabalhadores da construção civil, profissionais que precisam manipular o amianto e mecânicos que trabalham com freios. O pior é que o câncer só ocorre após longos períodos de exposição, ou seja, os sintomas podem levar até 50 anos para aparecer.

O Brasil é o terceiro maior produtor e exportador de amianto e o quarto maior consumidor. Aproximadamente cerca de 25.000 trabalhadores são expostos ao asbesto nos vários segmentos da indústria e na mineração. O setor cimento amianto ou fibrocimento responde por 85% do amianto utilizado em 30 fábricas, contabilizando aproximadamente 8 mil trabalhadores expostos. Metade dos telhados, no Brasil, são de fibrocimento, por serem uma alternativa barata e prática; A luta pelo banimento da fibra no país divide opiniões, devido ao lucro que a material-prima oferece, principalmente em Goiás, que tem a maior mina de amianto.

ESTATÍSTICA

Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) informa que 125 milhões de pessoas continuam a encontrar amianto em seus locais de trabalho, e a OIT (Organização Internacional do Trabalho) estima que 100 mil trabalhadores morram a cada ano de doenças relacionadas ao amianto.

Jean Carlos é TST, graduado pela UNAMA-PA é Gestor Operacional do NRFACIL

Nenhum comentário:

Postar um comentário