sábado, 4 de fevereiro de 2012

UEMERJ, A “UNIDADE” QUE NÃO PODE SER DESPREZADA


Dia 3 de fevereiro no Largo do Machado, dia da manifestação marcada com antecedência pela União das Esposas de Militares do Estado do Rio de Janeiro com convite a todos pelas redes sociais. O comparecimento ficou aquém da expectativa de uma classe que se diz na iminência de greve.
                                                             Deputado Paulo Ramos ao fundo
A garra dessas mulheres foi o ponto marcante da manifestação, onde não foram vistos os “lideres” do movimento reivindicatório, que só aparecem quando a possibilidade de presentes supere a marca de milhares. Mesmo sem a presença dos “lideres” elas são importantes no atual estágio, pois, representantes do Legislativo Estadual foram dar seu apoio.

                                                                    Deputada Janira Rocha sempre presente

                                                                                Deputado Paulo Ramos
Voltando ao “foco”, a UEMERJ mais uma vez mostrou estar organizada e pronta para conquistar as melhorias tão almejadas. No inicio foram poucos e aos poucos foram chegando mais e mais participantes, que se não foram milhares, chamaram a atenção e cumpriram o objetivo do Ato realizado.

Num momento de breve reflexão, veio lembrança do dia 30 de outubro, do Ato FORA CABRAL, previamente marcado na reunião realizada no Clube dos Portuários. Os mais de 3.000 presentes que decidiram perante vários parlamentares, não compareceram. Mas a UEMERJ estava lá, como também a Polícia Militar com grande efetivo, inclusive viaturas com compartimento de presos para repressão caso necessário.

                                                      30 de outubro, o FORA CABRAL

                                         Clube dos Portuários, a decisão pelo FORA CABRAL

                                                                   Viaturas com compartimento de preso
No dia 29 de janeiro, na “MARCHA PELA DIGNIDADE” em Copacabana, não se vislumbrava um aparato policial para o evento. O que se via era o policiamento normal. Mas no Largo do Machado, com a UEMERJ havia um efetivo disponibilizado especialmente para o evento, com cinco viaturas e mais de vinte policiais, sendo três oficiais, que ajudaram em muito a enaltecer o Ato, já que acompanharam junto aos manifestantes pelo BEM comum.


A UEMERJ luta pelo BEM das Corporações, diferente de “outros” que visivelmente se mostram com fins eleitoreiros, só se fazendo presentes para grande público. O tempo dirá.

Deixando as criticas, nos outros estados as mulheres tiveram participação marcante e, no Rio de Janeiro não será diferente. Vejam que a preocupação do governo é bem maior quando elas se manifestam. Na chegada ao Palácio Guanabara, haviam um cerco no perímetro e mais um efetivo policial militar as aguardava.

Como previsto, o Ato transcorreu pacifico e ordeiro, sendo as panelas acionadas num abraço simbólico ao Palácio. O SBT registrou o evento no Largo do Machado, estando presente também o UOL noticias e com o Ato já terminado chegou a Rede Record, que nem por isso deixou de fazer a matéria, agradecimentos merecem os representantes da imprensa presentes no local.



                                                                                           Rede Record

                                                                                         UOL Noticias

Fica o aviso, diferente dos “lideres” a UEMERJ desponta em organização, capacidade de adaptação perante as dificuldades e principalmente o AMOR CORPORATIVO. São elas que vivenciam as maiores penúrias em casa, quando a despensa está vazia e as contas atrasam.

                                      Militar, esposa e filhos, sempre unidos pelo bem comum

2 comentários:

  1. Não foram vistos lideres,e a maioria que lá estavam eram esposas de bombeiros,e onde estavam as esposas de policiais?Haviam 3 esposas de policiais somente,acho que isso e falta de respeito com nossa amiga ADRIANA,mulher forte de fibra,incansavel,gente a luta não é somente dos militares,sim é de todos nós,esposas,simpatizantes,este omisso,sem responsabilidade com nosso rio,esta simplesmente pagando para ver,e vera,a sociedade juntamente com todos voces,eu disse todos,luta se faz na rua dando a cara para bater,não é dentro de casa,vendo televisão,assim é bom demais,o momento é de verdadeira união,de todas e tudo.

    ResponderExcluir
  2. O maior entrave para elas por incrível que pareça é a resistências dos maridos PM e BM. Guerreiras!!!

    ResponderExcluir