terça-feira, 13 de novembro de 2012

Que mais próximos de Deus estejam sempre os que amam


Somos AMADOS, disso eu tenho certeza, ainda mais quando este amor é expontâneo e parte de pessoas ILUMINADAS. Pessoas que mostram em suas escritas a presença de Deus no passear de suas mãos. Não sou poeta, sou um "OGRO", talhado pela vida que o destino me levou a trilhar, despojado de sentimentos perante palavras e gestos de carinho. Aos poucos estou voltando a ser o humano há tanto tempo esquecido. Obrigado amiga Janice Costa de Barão dos Cocais, Minas Gerais, seus textos em muito ajudou neste retorno, sinto que já sou capaz até de chorar, como é bom SER HUMANO outra vez.



 
Que mais próximos de Deus estejam sempre os que amam

À polícia militar de São Paulo, que na pessoa de cada policial, busca amenizar a violência, e com prudência põe em prática o seu trabalho...
À polícia militar de São Paulo, que sente na pele, a dor de perder mais uma vida, por buscar defender tantas vidas...
À polícia militar de São Paulo, que a exemplo de tantos Estados, em estado desumano se encontra, nas mãos de criminosos e bandidos...
À polícia militar de São Paulo, onde fardados estão morrendo e sem fardas perdendo suas vidas...
À essa polícia militar que eu amo tanto, eu peço a Deus o abrigo, o esconderijo mais seguro, a proteção mais divina, a força mais eminente, a luz que mais irradia!

Que durante o dia, sejam seus dias de paz, para que à noite possam dormir sossegados!
Que a farda que os veste e os reveste de superioridade, não seja a isca para os "animais selvagens" que estão dominando e se predominando na Terra!
Que esta esfera iluminada chamada Terra, gire, e que a esses animais retornem, as sementes podres que semeiam!
Que em suas armas de fogo, tenham o fogo que acende em nossos corações, a aproximação com Deus, através de uma chama, que se chama amor!
Que o clamor da multidão lhes tire o sossego, quando em seus travesseiros, buscarem o descanso e a paz, que nos tiram noite e dia!

Mas se por ventura, se for disparado mais um tiro sequer, que não seja o alvo um soldado, nem um soldado homem nem um soldado mulher, mas sim o bandido, que nem deveria estar neste mundo, onde pregamos o amor em favor do nosso próximo!
 
Aos soldados do Estado de São Paulo, eu peço a Deus proteção, aos seus familiares, que se despediram deles num caixão, eu peço a compaixão de Cristo, e ao governo, que ao certo deve estar atento a essa situação, nós, homens de bem, esperamos a solução, para tão grave situação que se encontra hoje, a Polícia Militar de São Paulo!
Que mais próximos de Deus estejam sempre os que amam!
Autora: Janice Magda de Andrade Costa 13/11/2012


 
Motivação
 
 
Hoje, venho prestar a minha simples homenagem a esse profissional, que mediante sua atuação constante em nossa sociedade, tem nos proporcionado a tranquilidade (resultado de uma segurança eficiente, que proveniente de cursos e treinamentos, ele adquire e põe em prática).

A todo ano e em diversas ocasiões, venho prestando minhas homenagens aos soldados, e isto já se estende por 21 anos, desde a data em que comecei a redigir meus textos literários.

O meu respeito, minha admiração e o meu carinho por esse profissional, por essa entidade Polícia Militar, num todo se dá, pela lembrança constante de uma pessoa que me cativou de maneira tão forte, que se reflete até hoje em minha vida, mesmo não estando mais presente nela: meu pai!

Sou filha de policial militar, sobrinha de quatro PMs, ex esposa de policial militar e amiga de muitos!  Na família do meu pai (Raimundo Norberto de Andrade), cinco filhos eram policiais, quatro deles chegaram à reserva, mas somente meu pai, permaneceu na entidade por apenas um ano e seis meses “e deu baixa”, atendendo a um pedido da minha mãe! Foi ele tão somente um soldado, não subiu degraus, não teve oportunidade para isso... e nem tempo! E de tempo em tempo, eu lamento  tê-lo perdido!

No entanto, o pouco tempo que ele permaneceu na corporação me foi o suficiente para aprender com ele, que se pode amar imensamente uma entidade, ainda que sem fazer parte dela, a pessoa que mais amamos!

Ao dar baixa na corporação, o meu pai carregou “para sempre” o arrependimento do que fez. Por ele, ele teria morrido um Soldado, porque na verdade, ele nasceu para ser um Soldado!

E é em memória dele, que sempre que oportuno presto aos soldados, as minhas homenagens.

Autora: Janice Magda de Andrade Costa           23/08/2010
 
 


 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário