domingo, 30 de dezembro de 2012

Manifestações em redes sociais dão resultado, imaginem se formos para as ruas.


Brasileiro compra Uno no País por preço de Civic na Europa

"Enquanto um Honda Fit financiado em uma concessionária brasileira custa US$ 37 mil, o mesmo veículo custa cerca de US$ 20 mil nos Estados Unidos. Na vizinha Argentina, o Fit financiado custa US$ 23 mil, conforme apurado pela CSM South America."

Fonte: Uno no Brasil

Senadora pede explicações sobre preço e segurança dos carros nacionais (vídeo)21/11/2012

A senadora Ana Amélia (PP-RS) está pedindo explicações sobre o alto preço dos carros nacionais em relação ao mercado internacional.

Além disso, ela quer também explicações sobre a questão de segurança dos carros feitos na região, cujo nível é bem inferior ao dos mercados maduros. Ana Amélia conseguiu aprovação para uma audiência pública para esclarecimento desses pontos ao contribuinte nacional.

A audiência deverá contar com a presença de ministros da Fazenda, Desenvolvimento e Comércio, Ministério Público Federal, Anfavea e especialistas do setor.

O tema principal será a composição dos preços dos carros nacionais. Além disso, será debatida a falta de incentivos para carros híbridos com etanol e elétricos.

Ela também cita, no vídeo abaixo, artigo sobre a falta de uma montadora brasileira e a falta de inovação e pesquisa centralizadas no Brasil, já que as montadoras são filias e seus P&D globais ficam nas matrizes.

A data do encontro ainda será definida pela comissão responsável no Senado. Vai ser realmente explicado o motivo do alto preço do carro brasileiro? Vamos esperar para ver.

Fonte: Noticias Automotivas

Dr. Automóvel: O preço dos carros nacionais
Na íntegra: JCNET

Na semana passada, uma reportagem feita pela revista Forbes (especializada em economia internacional e que publica uma lista das maiores fortunas do planeta) por um jornalista sediado no Brasil, causou uma grande repercussão em todo o mundo. Ele fundamentou sua reportagem criticando o alto preço dos carros no Brasil, que são usados aqui como símbolos de status enquanto que lá fora os mesmos modelos são quase que de entrada.

Nossos carros são simples, se comparados com seus equivalentes no mundo. Mesmo assim, seus preços são altos devido à estúpida carga tributária que incide sobre toda a cadeia produtiva da indústria automobilística, aí incluídos as montadoras e seus fornecedores diretos e indiretos. Os impostos brasileiros chegam a mais de 46% do valor final de cada veículo, em média, enquanto que nos Estados Unidos beiram os 6%. Isto só já gera uma grande diferença no preço final do veículo, agravada pela diferença de poder aquisitivo entre o trabalhador brasileiro e o americano. Lá, o juro básico é muito próximo de zero, enquanto que aqui...

Com essa mentalidade, nunca mudaremos nada para melhor neste País. A massa acha tudo bonito, não reclama de nada e continua votando em tranqueiras em troca de promessas vazias e cerveja gelada. A elite acha tudo normal, faz questão de manter seus privilégios e copia tudo, independentemente de fazer sentido ou não. Um ou outro um pouco mais crítico mete a boca no status quo, mas sua voz se perde na multidão. Os impostos continuarão a comer grande parte de nossos salários, forçando-nos a trabalhar mais para conquistar menos. Como ninguém reclama, (digo reclamar no sentido de não comprar, boicotar um fabricante ou adiar uma compra até o preço baixar), as montadoras continuam a cobrar o que querem e ter lucros excessivos, tanto é que suas matrizes no exterior estão deficitárias e as filiais locais mandam recursos como “remessa de lucros” continuamente. Se o brasileiro pensar mais e adiar a troca de seu veículo por um mais novo até que o preço do carro novo caia e o custo do financiamento baixe de forma significativa, os bancos e as montadoras terão que se adequar ou o estoque ficará no pátio. Pena que o brasileiro só é patriota em copa do mundo, e isso se a seleção ganhar, né?

Pois bem, no ano de 2012 atentamos para o fato de sermos enganados ("roubados") pelo governo e montadoras no que tange aos preços dos veiculos nacionais. Os carros, além de menor qualidade, custam até o dobro de seu "similar" Top de linha vendido na Argentina e no México.

Uma corrente, mesmo que temporária, chamou a atenção da Senadora Ana Amélia (PP-RS) que iniciou debates sobre a questão.

"Para a senadora Ana Amélia (PP-RS), é possível reduzir os preços dos veículos para os consumidores reduzindo a margem de lucro das montadoras e alterando a chamada Lei Ferrari. A conclusão foi apresentada no plenário do Senado, nesta quarta-feira (5), quando a progressista gaúcha comentou a audiência pública realizada pela manhã para esclarecer as razões para os altos preços dos automóveis no Brasil."

Representantes da Anfavea não compareceram ao debate proposto pela senadora Ana Amélia.

Fonte: Audiência Pública

Os resultados aparecem e as ações e protestos tiram os Parlamentares da inércia em que estão. A ausência da Anfavea nos debates aponta para a falta de explicação sobre seus lucros e mostra que não é só a carga tributária que encarece o valor dos automóveis no Brasil.






Nenhum comentário:

Postar um comentário