terça-feira, 31 de julho de 2012

(NR-7 PCMSO) TRABALHAR A NOITE: REVISÃO COM 2 MILHÕES DE PESSOAS


Trabalhar à noite, ter horários de trabalho irregulares ou fazer plantões de madrugada — ou seja, trabalhar em turnos, geralmente em serviços que funcionam 24 horas por dia — pode levar a problemas cardiovasculares graves, como infarto ou acidente vascular cerebral (AVC), indicou um novo estudo publicado neste final de julho (2012) no site da revista British Medical Journal (BMJ). A pesquisa, realizada por uma equipe de especialistas canadenses, noruegueses e suecos, é a maior já feita sobre o assunto e, ao todo, envolveu mais de dois milhões de pessoas.

Segundo estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente cerca de 20% das populações dos países desenvolvidos trabalham no período da noite. Nos Estados Unidos, cerca de 25% dos trabalhadores trabalham em turnos alternantes. Esses profissionais perdem cinco anos de vida para cada quinze anos trabalhados. ISMA (International Management Stress Association), realizou um estudo no Brasil no qual constatou que 40% dos trabalhadores que exercem sua atividade no turno da noite desenvolvem algum distúrbio na visão.


Segundo os resultados, as pessoas que trabalhavam em turnos apresentaram 24% mais riscos de terem uma doença coronariana; 23% mais chances de sofrerem um ataque cardíaco; e 5% mais chances de terem um AVC do que as outras. Especificamente, a jornada de trabalho noturna foi associada a um risco 40% mais elevado de doença coronariana. As mulheres são mais vulneráveis e o risco aumenta entre 40 a 70%. Pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, afirmam, ainda, que o trabalho noturno pode ser um fator de risco para desenvolver diabetes.

Além disso, quem trabalha à noite fica predisposto a engordar. Isso porque, de acordo com um estudo da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o turno noturno provoca alterações hormonais que fazem com que o organismo não reconheça mais sinais de saciedade. (imagem: setrab.com.br)

No Brasil, 15 milhões de pessoas trabalham no período noturno, segundo estimativa do Instituto do Sono da Universidade Federal de São Paulo, baseada em dados do Ministério do Trabalho. Médicos e cientistas já haviam alertado em estudos anteriores sobre o maior risco para doenças cardíacas, depressão e obesidade em pessoas que trabalham à noite ou em turnos irregulares.

A Constituição Federal estabelece que os direitos de remuneração do trabalho noturno devem ser superiores ao do diurno. Na maior parte das vezes o retorno financeiro é que leva alguém a trocar o dia pela noite. É a mesma coisa dos “adicionais” de insalubridade, a legislação é permissiva e conivente com os interesses econômicos, e legitima a chamada “monetização do risco”. Entretanto, a conta vai ser paga mais tarde, com o ônus dos serviços de saúde pública para atender as doenças do stress ou da previdência para pagar as incapacidades temporárias ou definitivas.

TRIAGEM E AVALIAÇÕES
Para os pesquisadores, essas descobertas devem incentivar a criação de programas de triagem que identifiquem fatores de risco para doenças do coração entre pessoas com maiores riscos — como, por exemplo, indivíduos que já apresentam pressão ou colesterol altos. Estas serão novas tarefas para o Médico do Trabalho na elaboração do PCMSO, como veremos abaixo.

Outros dados sobre o assunto aparecem em Estudo publicado pelo Instituto de Medicina Ocupacional da Universidade de Verona, em trabalho de Giovanni Costa (publicado em 1999), e que aponta os principais riscos:

Distúrbios no ciclo biológico de 24 horas (circadiano), provocando sonolência no trabalho e aumentando o risco de acidentes;
Interferências na performance e eficiência no trabalho, resultando em mais erros e acidentes
Dificuldade em manter relacionamento estável com a família e o ambiente social
Distúrbios no sono e nos hábitos alimentares, principalmente ganho de peso; tardiamente pode determinar problemas mais severos na área gastrintestinal (colite, úlcera), neuropsiquiátrica (fadiga crônica, crises mais frequentes de ansiedade e depressão) e cardiovascular (hipertensão, doenças do coração);
Os riscos são maiores nas mulheres, em 70% a mais para um infarto

Considerando que o maior risco é para as mulheres, é interessante lembrar a Convenção da OIT, de 1919 que foi ratificada no Brasil em 1935, a qual proibia aos paises signatários o trabalho da mulher em diversas atividades industriais (veja a Convenção).

ALTERNATIVAS
Mas, uma vez que a oferta desse tipo de trabalho é inevitável, quais os aspectos principais a considerar para decidir sobre aceitar um trabalho noturno? especialistas afirmam que o profissional deve avaliar, sobretudo, se a oportunidade está em sintonia com seu projeto pessoal, se oferece oportunidade de desenvolvimento de carreira.

Embora seja no período noturno, existem posições de supervisão, coordenação e gerência, ou seja, cargos de níveis estratégicos. Na prática, segundo o especialista, se você puder escolher entre uma posição de gerência no período noturno e uma como coordenação no período convencional, vale à pena considerar a primeira opção.

Para evitar os problemas, médicos e pesquisadores aconselham o trabalhador que se queixa de irregularidade no sono a manter horários de dormir mais regulares. Também é importante que a empresa permita pequenos cochilos durante o horário de trabalho, quando possível. Quanto à dieta, deve-se planejar melhor o horário das refeições e a qualidade dos alimentos; problemas cardíacos podem ser evitados com a melhor qualidade de vida, relaxamento, prática de atividade física e maior exposição à luz natural.


IMPORTÂNCIA DO PCMSO (NR-7)imagem: yeling.com
Para os trabalhadores em atividades de turnos alternantes ou noturnos, o Médico do Trabalho poderá utilizar de forma mais frequente testes psicométricos e exames de laboratório mais específicos, como, por exemplo, o PCR, colesterol e triglicerídeos, utilizados na predição de risco cardiovascular e a glicemia (para diabetes). Antecedentes de distúrbios neurológicos e/ou psiquiátricos devem ser considerados na conclusão sobre a aptidão do trabalhador candidato a trabalho em turnos noturnos ou em turnos alternantes. A NR confere liberdade ao Médico para incluir em sua avaliação outros exames não necessariamente de rotina. Veja abaixo infográfico da NR-7 (PCMSO) sobre o assunto. Ao abrir a pasta da NR-7 no site NRFACIL, clique no Remissivo e procure o item Desenvolvimento do PCMSO. Entre outros regulamentos, estabelece a possibilidade de que o Médico do Trabalho possa solicitar outros exames não necessariamente de rotina:



ASPECTOS NEUROFISIOLÓGICOS
O EEG, por exemplo, poderia ser utilizado pelo Médico do Trabalho para avaliar a integridade neurofisiológica de trabalhadores após um período de trabalho em turnos alternantes ou trabalho noturno. Assim, o indivíduo, mesmo sem ter problemas neurológicos, pode apresentar alterações no EEG por privação de sono indicando assim mecanismos insatisfatórios de repouso e recuperação da fadiga, existindo ainda casos de crises convulsivas por privação de sono. A predisposição para crises convulsivas aumenta ainda mais com o uso de alguns antiinflamatórios e antidepressivos, medicamentos utilizados com frequência por pessoas que estão sofrendo stress do trabalho noturno, tensão neuromuscular e dores articulares. Uso de bebida alcoólica potencializa esses efeitos. Outras consequências importantes da privação de sono são a redução da atenção e a sonolência. O Engenheiro e o Técnico de segurança podem desenvolver monitoramento e registro de incidentes de trabalho em setores relacionados a turnos alternantes encaminhando trabalhadores para a realização de avaliações de saúde mais frequentes e não apenas para as situações de riscos insalubres (avaliação semestral) como determina a NR-7.


ENFERMAGEM E ASSISTENTE SOCIAL DO TRABALHO(imagem cftelshadai.com.br)
A Assistente Social e a Enfermagem do Trabalho podem avaliar situações sócio-familiares de risco e orientar no sentido de serem adotadas medidas para que o trabalhador possa dormir de maneira confortável durante o dia. Verificar, tambem, a situação familiar, solteiro ou não, presença de um ou vários filhos, visto que constituem fatores normalmente agravantes dos problemas do trabalhador noturno. As mulheres casadas e tendo normalmente um filho, dormem ao dia em torno de uma hora e meia a menos que as solteiras. O débito de sono é ainda mais marcante quando se trata de mães com crianças em fase de amamentação. Por outro lado, a desproporção das divisões das tarefas do lar entre casais contribui igualmente para aumentar os problemas dos horários do trabalho noturno feminino e a carga global de trabalho suportada. Esses diversos elementos da situação fora do trabalho devem ser levados em consideração no momento da organização do horário e da prescrição das tarefas no trabalho noturno. Finalmente, pode ser adotada a prescrição de períodos mais longos entre os turnos, tornando a alternância mais espaçada.

Devem, também, ser considerados fatores em relação à idade do trabalhador noturno. O envelhecimento modifica a sensibilidade às rotações de turno de maneira geral e em particular ao trabalho noturno não rodiziante. Os turnos alternantes tornam tambem maiores os riscos de pacientes suscetíveis desenvolverem surtos psicóticos gerando incapacidade laboral mais longa após o surto.
Na área dos serviços de saúde (NR-32) a situação é mais crítica, devido à prática inevitável dos turnos alternantes. Os Enfs Marziale e Rozestraten (Rev Latin-Am Enfermagem - Rib Preto, v.3 p. 59-78, jan 95) realizaram interessante estudo sobre sintomas subjetivos de fadiga projetando em uma tabela sintomas como dificuldade de pensar, irritabilidade, sensação de cometer erros, olhos ardendo, vontade de dormir, sem vontade de falar, impaciência, voz rouca, sintomas esses relacionados aos turnos alternantes de trabalho.


Venezuela compra aviões da Embraer

A compra de 20 aviões da brasileira irá compor empresa de aviação venezuelana, em um negócio que pode chegar a R$ 1 bi


30 de julho de 2012
Lisandra Paraguassu, de O Estado de S. Paulo
O governo da Venezuela vai assinar na terça-feria, 31, a compra de 20 aviões Embraer 190 AR para recompor a Conviasa, empresa de aviação regional do país, em um negócio que pode chega a R$ 1 bilhão. O valor final, no entanto, só deverá ser anunciado amanhã, depois da reunião bilateral entre a presidente Dilma Rousseff e o venezuelano Hugo Chavez.


O anúncio do negócio foi feito em dezembro de 2011, durante a visita da presidente Dilma Rousseff a Caracas para a Cúpula dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), mas foi concretizado apenas agora. Na época, a expectativa era de que o negócio saísse em dois meses.

No início deste ano, Chavez anunciou que negociava um crédito de R$ 800 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para comprar os aviões. No entanto, o governo brasileiro não confirmou se o crédito foi concedido.

Comprar fiado e com financiamento do BNDES é um perigo em se tratando do atual governo, mestre em perder investimentos para satisfazer seus interesses.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Greve estimulou candidatura de policiais

Número de concorrentes aumentou mais de 50% em Estados onde forças de segurança paralisaram atividades por reivindicações trabalhistas

30 de julho de 2012
Alfredo Junqueira, de O Estado de S.Paulo

A participação de policiais civis e militares como candidatos disparou em Estados onde essas categorias promoveram greves e paralisações nos últimos dois anos. O número de agentes das forças públicas de segurança que tentarão se eleger prefeitos ou vereadores aumentou em mais de 50% na Bahia, no Amapá, na Paraíba e no Maranhão, em relação ao pleito de 2008. Esses Estados registraram sérios distúrbios por causa de reivindicações salariais de policiais.

O efetivo total dos candidatos de farda ou distintivo no País soma 4.634 homens e mulheres, crescimento de 16% em relação aos 3.995 policiais candidatos em 2008. Sua bandeira principal é a pressão pela aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 300, que estabelece piso salarial nacional para a categoria. Mas, como prefeitos ou vereadores, os militares só poderão fazer pressão política, pois cabe ao Congresso Nacional a deliberação sobre o assunto.

Palco da mais violenta greve policial registrada recentemente, a Bahia teve crescimento de 55% na participação de candidatos que se apresentam como integrantes das forças de segurança. Em 2008, 245 policiais disputaram a eleição. Neste ano, são 379. O crescimento universal de postulantes no Estado foi de 24%. No Maranhão, a participação de candidatos policiais aumentou 58% - de 89 em 2008 para 141 este ano. Ali também houve uma greve policial entre o fim de novembro e início de dezembro. O número geral de candidatos nas cidades do Maranhão aumentou 21%.

O aumento mais expressivo do número de policiais nas eleições foi no Amapá. Eram 20 candidatos há quatro anos. Agora, são 37, ou 85% a mais. A quantidade total de candidaturas no Estado aumentou 30%. A PM local ameaçou greve em fevereiro, mas foi contida com reajustes de até 100% em alguns benefícios, como o auxílio-fardamento.

Nos maiores colégios eleitorais do País, a participação de policiais na eleição não teve crescimento expressivo. Em São Paulo, com o maior número absoluto de candidatos, serão 636 tentando se eleger, 10% a mais comparado a 2008. Minas Gerais, que enfrentou violentas manifestações policiais nos anos 1990, saiu de 515 para 528 policiais candidatos - quase 3% a mais.

Embora tenha havido um crescimento expressivo no número absoluto de policiais nesta eleição, a participação relativa desses candidatos diminuiu em relação a 2008. Há quatro anos, o efetivo policial representava 1,094% das candidaturas. Este ano, a proporção caiu para 0,997%, pois o número total de postulantes também disparou no País, de 365.292 em 2008 para 464.973 este ano - ou 27% a mais.

Milícia. Embora não tenha apresentado aumento significativo no número de policiais no pleito deste ano - cerca de 8% -, o Rio é o Estado que tem a maior proporção de candidatos de farda. Os 456 postulantes são 2% das 21.143 candidaturas. O temor de que parte esteja envolvida com grupos de milícia que atuam em comunidades carentes do Estado fez com que a força-tarefa capitaneada pelo Tribunal Regional Eleitoral resolvesse, semana passada, monitorar essas candidaturas. O grupo tem também representantes da Secretaria de Segurança, do Ministério Público, da Polícia Federal e das Forças Armadas.

Absolutamente tendenciosa as declarações de candidatos militares envolvidos com milicias no Rio de Janeiro. Há videos na internet mostrando os verdadeiros beneficiarios de atividades das milicias e, os principais candidatos militares do Rio de Janeiro, o são por suas lutas contra o descaso com que as Corporações Militares são tratadas.
É certo que devem ser monitoradas, mas, generalizar nunca.

A Polícia não pode ser surpreendida por marginais, marginais sim que devem ser surpreendidos pela Polícia.


Vimos e ouvimos diversos relatos sobre a morte da Soldado Fabiana e, ficamos com uma série de duvidas sobre o que realmente aconteceu.

Num breve relato, há a duvida sobre o planejamento e o comando das ações, pois, houve um tiroteio no local denominado “Pedra do Sapo”, sendo deslocados policiais. A sede da UPP, perece ter ficado desprotegida ante este deslocamento, possibilitando um ataque às suas instalações, ocasionando a morte da Soldado Fabiana.

Ela estava só naquela sede? Não houve revide por parte de outros policiais?
Se assim foi, como desprezar a proteção da sede?

Parece que em planejamento os marginais superam a PMERJ, sabendo quais serão suas iniciativas, ou seja, o deslocamento de policiais para outra área em conflito em prejuízo de pontos críticos, no caso a sede da UPP.
Reportagem do SBT dá conta que os meliantes adentraram na comunidade, em direção à sede da UPP atingida, pelo mesmo caminho que percorreram na fuga durante a ocupação em novembro de 2011. O caminho foi amplamente divulgado pela midia, mostrando a desabalada correria, sendo de conhecimento de todos.

Não foi levado em consideração este caminho? Estava a sede da UPP desprotegida de um possivel ataque? Havemos de levar em consideração, uma vida foi perdida talvez por incompetência dos que, teoricamente, detêm o conhecimento estratégico nestas ações.

Neste video, o SBT relata que o policiamento foi deslocado, possibilitando um fácil ataque à sede, sem resistência.

http://youtu.be/gNjBov-_Kic



sábado, 28 de julho de 2012

Brasil, País de insatisfeitos. Só temos um problema, a CORRUPÇÃO sem fiscalização e sem punição.



Todos os dias me deparo com grupos, classes e demais segmentos da sociedade se manifestando por melhores condições de trabalho e serviços públicos. Ora, que povo insano! Povinho medíocre! O Brasil não tem esses problemas.
Médicos sem recursos e salário? Militares esmolando e sem equipamentos eficientes? Sociedade sem atendimento de saúde? Sem segurança? Justiça injusta? Ministério Público leniente? O que é isso? Não acontece no Brasil.

O que de fato acontece e é a principal geradora de todos os problemas é a CORRUPÇÃO desenfreada que tomou conta da política e absolveu todos os Poderes Constituídos. Então, de nada vale manifestar-se isoladamente, é necessário um ataque em massa contra a corrupção, ou seja, uma retaliação a esta pratica usual que denigre e desconstitui o que era para estar constituído.
As cifras são astronômicas e amplamente divulgadas sem merecer atenção dos interessados, a sociedade.

“As denúncias de corrupção vêm de todos os cantos do país e de todos os setores – públicos e privados. Denunciadas em parte pela imprensa, em parte por setores privados fiscalizadores, não se havia medido ainda o tamanho do rombo e o mais alarmante: o prejuízo que este montante de dinheiro causa em setores fundamentais, como educação, saúde, infraestrutura, habitação e saneamento. O relatório da Fiesp informa que o custo disso chega até R$ 69 bilhões de reais ao ano. Segundo o levantamento, a renda per capita do País poderia ser de US$ 9 mil, 15,5% mais elevada que o nível atual.”
*Revista Ideias

Sim, é isso R$ 69.000.000,00! Muitos zeros à direita, não?
Valor que não pode ser desprezado e é dinheiro do contribuinte que vai para fins particulares, ou seja, para os bolsos, cuecas e mensalões improvisados pelos que detêm o Poder, poder delegado por nós, eleitores.


Não se importam em serem expostos, se acham impunes e inimputaveis, sim inimputáveis, pois, quem age assim descaradamente se enquadra como tal. Não é normal, detêm anomalia que deve ser curada pelo voto ou por uma reação que os afaste legalmente da vida pública.
"Aquele que por anomalia psiquica, retardo mental não pode responder por si judicialmente. sao tambem considerados inimputaveis nos termos da lei os menores do 18."
Então? Existem problemas isolados neste País? Não, não existem! Todos foram gerados por uma única fonte, a corrupção sem controle, fiscalização e punição.
O valor perdido na CORRUPÇÃO resolveria os problemas isolados. Servidores com salários justos, aposentados com dignidade, saúde a contendo, equipagem de nossas FFAA e segurança benéfica a todos.

  • Educação – O número de matriculados na rede pública do ensino fundamental saltaria de 34,5 milhões para 51 milhões de alunos. Um aumento de 47,%, que incluiria mais de 16 milhões de jovens e crianças.
  • Saúde – Nos hospitais públicos do SUS, a quantidade de leitos para internação, que hoje é de 367.397, poderia crescer 89%, que significariam 327.012 leitos a mais para os pacientes.
  • Habitação – O número de moradias populares cresceria consideravelmente. A perspectiva do PAC é atender 3.960.000 de famílias; sem a corrupção, outras 2.940.371 poderiam entrar nessa meta, ou seja, aumentaria 74,3%.
  • Saneamento – A quantidade de domicílios atendidos, segundo a estimativa atual do PAC, é de 22.500.00. O serviço poderia crescer em 103,8%, somando mais 23.347.547 casas com esgotos. Isso diminuiria os riscos de saúde na população e a mortalidade infantil.
  • Infraestrutura – Os 2.518 km de ferrovias, conforme as metas do PAC, seriam acrescidos de 13.230 km, aumento de 525% para escoamento de produção. Os portos também sentiriam a diferença, os 12 que o País possui poderiam saltar para 184, um incremento de 1537%. Além disso, o montante absorvido pela corrupção poderia ser utilizado para a construção de 277 novos aeroportos, um crescimento de 1383%.

  • SOU AQUELA QUE PROMOVE A PAZ


    Sem razão, represento aquela profissão que as pessoas têm mais receio de se deparar, mas que nem por isso agem para evitar esse encontro.
    Sem razão, na maior parte das vezes sou vista como uma “máquina”, e não como um ser humano que tem os mesmos sentimentos das pessoas e que também chora.
    Sem razão, grande parte das minhas decisões é criticada por uma ou outra parte que não entende que não sou eu quem cria as leis, mas sim, aquela que as aplica ao caso concreto.

    Sem razão, imaginam que posso resolver todos os problemas do mundo, mas se esquecem que também tenho os meus problemas para resolver e que não raro, sempre ficam por último.

    O que as pessoas nem imaginam, é que dentre todas as profissões o meu ofício é o que mais sofre controle de órgãos superiores, e em tudo o que faço, tenho por dever fundamentar. Que bom seria se todas as profissões tivessem tal controle e obrigatoriedade...
    Enquanto grande parte das famílias sai para se divertir ou mesmo exercitar-se ao ar livre, para mim, um simples caminhar à beira de um laguinho ou sentar-se em uma praça pública com meu filho pode representar um perigo de vida iminente.

    Na verdade, a minha profissão em última instância representa abrir mão daquilo que a maioria das pessoas pode desfrutar: a liberdade. Mas quem se importa com isso?
    Sim, por amor e em nome do Direito e da Justiça tornei-me refém da sociedade. Muito prazer sou Juíza de Direito.

    Obs. Texto em homenagem a uma jovem Juíza de Direito da Vara Criminal Da Comarca de Bom Jesus do Itabapoana - RJ que tenho tido a honra de acompanhar por ocasião do estágio como Conciliador no Juizado Especial Adjunto Civil naquela comarca, mas que certamente se aplica a todas às Juízas e Juízes de Direito do nosso País.

    A luta continua

    Bom Jesus do Norte, 25 de julho de 2012

    Marcelo Adriano Nunes de Jesus

    sexta-feira, 27 de julho de 2012

    “Alma de Motociclista”


    “O coração pulsa mais forte, bombeando para o resto do corpo uma mistura de óleo, gasolina e asfalto. O dia amanhece e as estradas da vida aguardam ansiosas por seus maiores amantes. Por dez, cem ou até mesmo mil quilômetros, a adrenalina e a brisa no rosto tomam conta daqueles que fazem do viver sobre duas rodas o seu estilo de vida. Um botão da inicio a aventura para aqueles que a buscam, seja debaixo de chuva ou com Sol a pino, o que faz de você um motociclista não são as cilindradas que você pilota, mas as suas atitudes quando está em cima delas.

    A mão vira o acelerador e o motor ronca alto, jogando ainda mais alto todo o estresse e as preocupações do dia a dia. É no espaço de tempo entre a partida e a chegada que o motociclista faz o que mais ama, ou seja, percorrer o desconhecido atrás de novos lugares, novas amizades e novos rumos, sempre atento a sua segurança e a daqueles que, assim como ele, prezam muito pelo chegar bem e não pelo chegar mais rápido.

    De brasão nas costas, alforjes carregados, capacete e tanque cheio, o que vale é a liberdade, o prazer de pilotar e a quantidade de mosquitos grudados na jaqueta ou no colete, misturados aos mais variados de inúmeros encontros e lugares visitados.

    Não somos bandidos, não nos julguem injustamente, somos apenas aventureiros, muitos até pais de família, que fizeram de uma paixão o seu estilo de vida. Somos médicos, advogados, vendedores, programadores, publicitários e empresários de todos os ramos que você possa imaginar. Somos rock and roll e cerveja gelada, chuva fria, sol e praia, pilotos de motos, churrasqueiras e carrinhos de bebês.

    Somos motociclistas, não tentem nos entender, nos ame ou nos odeie, não importa, seremos sempre assim, uns loucos outros corretos, caseiros e sem tetos, famílias e puteiros, som alto e som ainda mais alto. Não nos imponham regras, não delimitem nossos espaços, não somos pássaros, mas queremos, e vamos voar sempre.

    Motor em ponto morto, a chave gira e as luzes se apagam, o pezinho sustenta agora aquilo que nos levou por tantos quilômetros. Por um breve momento o capacete é deixado de lado, apenas por um breve momento…”


    Tiago Pereira

    quinta-feira, 26 de julho de 2012

    Realidade ou ficção ? Beneficiarios do Bolsa familia não querem trabalho.

    05/09/2011
    Aconteceu no Ceará!
    Curso para 500 mulheres.

    Como o setor têxtil é de vital importância para a economia do Ceará, a demanda por mão de obra na indústria têxtil é imensa e precisa ser constantemente formada e preparada.
    Diante disso, o Sinditêxtil fechou um acordo com o Governo para coordenar um curso de formação de costureiras.

    O governo exigiu que o curso deveria atender a um grupo de 500 mulheres que recebem o Bolsa Família. De novo: só para aquelas que recebem o Bolsa Família.

    O importante acordo foi fechado dentro das seguintes atribuições: o Governo entrou com o recurso; o SENAI com a formação das costureiras, através de um curso de 120 horas/aula; e o Sinditêxtil, com o compromisso de enviar o cadastro das formadas às inúmeras indústrias do setor, que dariam emprego às novas costureiras.

    Pela carência de mão obra, a idéia não poderia ser melhor.

    Pois bem. O curso foi concluído recentemente e, com isso, os cadastros das costureiras formadas foram enviados para as empresas, que se prontificaram em fazer as contratações.
    E foi nessa hora que a porca torceu o rabo, gente. Anotem aí: o número de contratações foi ZERO. Entenderam bem? ZERO!

    Enquanto ouvia o relato, até imaginei que o número poderia ser baixo, mas o fato é que não houve uma contratação sequer. ZERO.

    Sem nenhum exagero. O motivo?

    Simples, embora triste e muito lamentável, como afirma com dó, o diretor do Sinditêxtil: todas as costureiras, por estarem incluídas no Bolsa Família, se negaram a trabalhar com carteira assinada. Para todas as 500 costureiras que fizeram o curso, o Bolsa Família é um benefício que não pode ser perdido.

    É para sempre. Nenhuma admite perder o subsídio

    SEM NEGÓCIO.
    Repito: de forma uníssona, a condição imposta pelas 500 formadas é de que não se negocia a perda do Bolsa Família. Para trabalhar como costureira, só recebendo por fora, na informalidade. Como as empresas se negaram, nenhuma costureira foi aproveitada.

    Casos idênticos do mesmo horror estão se multiplicando em vários setores.

    QUEM ESTÁ CRIANDO ELEITORES DE CABRESTO, COMPRADOS ATÉ EM SUA DIGNIDADE, RECUSANDO-SE A TRABALHAR PELO SEU SUSTENTO?

    Fonte: Jornal A Semana

    quarta-feira, 25 de julho de 2012

    A antidiplomacia de Dilma


    24 de julho de 2012

    O Estado de S.Paulo

    A diplomacia brasileira deve ser conduzida pelo presidente da República, conforme manda a Constituição. No entanto, isso não significa que essa liderança possa ser exercida de modo arbitrário, como deu a entender o comportamento de Dilma Rousseff no recente caso do Paraguai e em outros episódios de seu ano e meio de mandato.

    É fato que, desde que chegou ao poder, o PT fez da partidarização sistemática da política externa sua marca. Os oito anos do governo de Lula foram ricos em exemplos da transformação da diplomacia em exercício ideológico. Houve casos dignos de figurar em manuais de relações internacionais, mas pelo seu aspecto negativo. Para lembrar apenas um deles, o Brasil apequenou-se ante a ocupação, por tropas bolivianas, de duas refinarias da Petrobrás naquele país, em maio de 2006. Como resposta ao óbvio vilipêndio do patrimônio brasileiro, Lula, em vez de defender a Petrobrás, disse que o ato boliviano era "soberano" e que a Bolívia precisava de "carinho".

    Com a chegada de Dilma ao Planalto, houve a expectativa de que esse perfil danoso ao País fosse alterado. O otimismo foi alimentado, para começar, pelo discurso público da presidente na direção da defesa dos direitos humanos no Irã - cujo presidente, além de negar a ocorrência do Holocausto e dirigir um regime que persegue minorias e opositores, era aclamado por Lula como seu "companheiro". Parecia que Dilma abandonaria enfim o antiamericanismo pueril do lulopetismo ao alinhar-se aos países civilizados na condenação da violência iraniana. Agora, no entanto, acumulam-se demonstrações de que aquele gesto era na verdade o primeiro de uma série de movimentos voluntaristas de Dilma, interessada sobretudo em imprimir sua marca pessoal na diplomacia.

    Quando teve a chance de mostrar sua força como estadista, na conferência do clima Rio+20, em junho, Dilma impacientou-se com seus diplomatas e preferiu festejar um documento final articulado, às pressas, para não ter peso decisório nenhum, de modo que pudesse ser aceito por todos e dar a impressão de uma grande competência diplomática.

    Depois, quando chamada a apagar o incêndio causado pela destituição do então presidente Fernando Lugo no Paraguai, também em junho, jogou mais gasolina no fogo, ao aceitar a tese de que houve um golpe e que, portanto, o Paraguai tinha de ser duramente punido.

    Mais tarde, patrocinou pessoalmente a lamentável manobra para incluir a Venezuela no Mercosul, aproveitando a oportunidade do "gancho" a que foi submetido o Paraguai, que resistia ao ingresso do país de Hugo Chávez no já desacreditado bloco sul-americano.

    Na essência, o excessivo personalismo de Dilma na política externa não difere da contaminação político-ideológica observada nos oito anos de Lula. Em ambos os casos, as decisões foram tomadas não exatamente segundo o interesse nacional, conforme manda a Constituição, mas de acordo com projetos de afirmação e manutenção de poder. No governo de Lula, esse desvio se deu na aproximação imprudente com autocratas como Chávez, comprometendo a independência do Brasil na definição de seus interesses externos. Em nome da exigência de buscar a "formação de uma comunidade latino-americana de nações", conforme determinação constitucional, Lula colocou o País a serviço do delirante projeto bolivariano.

    Com Dilma, a ideologia lulopetista segue em primeiro plano nas relações internacionais, mas a "gerentona", como ela gosta de ser vista, acrescentou um componente ainda mais explosivo, que são suas idiossincrasias. A presidente não se entende com seu chanceler, Antonio Patriota. Ela quer uma "diplomacia de resultados" e nutre franca hostilidade a fazer concessões e aos rapapés das mesas de negociação, o que contraria um dos princípios basilares da diplomacia. Nessa toada, com mais dois anos e meio na cadeira de presidente, ainda há tempo de sobra para que Dilma dê novos trancos pessoais na diplomacia nacional, que sempre se pautou pelo comedimento, comprometendo ainda mais a influência do Brasil no concerto internacional.

    Pesquisa diz que Bolsa Família aumentou trabalhadores que não querem carteira assinada, gravidez na adolescência e mães solteiras


    Pesquisa feita a partir de dados fornecidos pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), com base na Lei de Àcesso à Informação, que o Programa Bolsa Família tem pontos positivos como o aumento das coberturas de vacinação para crianças, aumento do poder feminino, mas tem aspecto negativo como o fato de : muitos beneficiários evitarem procurar empregos formais com medo de perder o benefício, e, com isso, continuam na informalidade.

    Não é que deixam de trabalhar por causa do programa, eles deixam de procurar um emprego melhor, o emprego formal.

    Do lado postivo são váris coisas: aumento da frequencia escolar, consultas pre-natais, vacinação e diminuiu o trabalho infantil.

    Os dados permitem mostrar que o Bolsa Família está ajudando a criar um matriarcado no Piauí e no Brasil.

    Houve aumento do empoderamento feminino, com as mulheres, que recebem preferencialmente os benefícios, tendo mais autonomia e poder nas decisões sobre compras da casa. Houve também o aumento de crianças e adolescentes grávidas estimuladas em muitas das vezes pelas próprias mães para receberem o auxílio do governo e pensão alimentícia adquirida através de ação Judicial, isso inclui também a vulgarização do sexo feminino na última década. A quantidade de mães solteiras é outro agravante, muitas delas são confessas: "engravidei para receber o Bola Família e para ganhar pensão alimentícia pago pelo pai do meu filho".

    A faxineira abre mão de trabalho de babá com carteira assinada para receber R$ 320,00 por mês do Bolsa Família

    A faxineira Maria do Socorro Pereira Coutinho, de 33 anos, é mãe de cinco gatoras em idade escolar, Maria Luiza, de 14 anos, estudante do 7° ano do ensino fundamental; Maria do Rosário, de 12 anos, estudante do 6° ano; Maria Erisnalva, de 11 anos, estudante do 5° ano; Frrancisca Coutinho, de 10 anos, estudante do 4° ano; e Ama Sara, de oito anos, estudante do 2° ano do ensino fundamental, e por garantir a presença delas nas salas de aulas recebe R$230,00 por mês do Bolsa Família, do qual é beneficiária desde 2007.

    Residente no povoado Palmeiras, da zona rural e a 30 quilômetros da zona urbana de Teresina, Maria do Socorro Pereira disse que rejeitou o emprego de babá em casa na zona leste da capital piauiense ganhando o salário mínimo, com carteira de trabalho acionada, para não perder os R$ 230,00 que recebe por mês do Programa Bolsa Família.

    “Para se trabalhar como babá é preciso trabalhar o dia todo. Se é para cuidar dos filhos dos outros, eu cuido das minhas filhas com o dinheiro do Bolsa família e do que ganho como diarista. Não tenho marido e é muito ariscado deixar meninas nesta idade sozinhas”, afirmou Maria do Socorro Coutinho, que vive em um casebre de palha nas margens da estrata e na vizinhança dos integrantes de sua família.

    “O dinheiro do Bolsa família é o máximo que uma família pode receber. É um dinheiro que ajuda muito porque compra o calçado, o material escola, ajuda nas despesas da casa porque só sou eu para criar as cinco meninas porque sou separada há oito anos e não tenho marido e ajuda muito. Se não fosse esse dinheiro, não saberia o que fazer”, fala Maria do Socorro Coutinho.

    Ela trabalha como faxinheira ganhando R$ 45,00 a diária e vai para a residência duas vezes por semana. “Eu vou oito vezes para fazer faxina na casa, mas nem sempre é um dinheiro certo porque às vezes a familia não precisa de meu trabalho duas vezes por semana”, disse Maria do Socorro.

    Ela acha o Bolsa Família melhor do que o emprego formal porque precisa ficar com suas filhas. “São todas mulheres. Se sabe que acontecem muitas coisas com as mulheres, principalmente na idade delas. Tenho uma mocinha que vai completar 15 anos. Eu me viro fazendo um carvão, quebrando um coco (babaçu), tiro azeite e vendo”, declara Maria do Socorro, que estudou até a 3ª série do ensino fundamental porque começou a trabalhar na lavoura com seus pais.

    “Isso atrapalhou meus estudos, era para eu ter um emprego bom, mas não tive oportunidade de estudar. Por isso, eu incentivo às minhas filhas para que estudem. Eu digo se elas não estudarem vão viver como eu, no toco”, declarou Maria do Socorro Coutinho.

    A lavradora Áurea Maria de Araújo Silva, de 22 anos, casou aos 14 anos, engravidou e abandonou o estudo ao 6° do ensino fundamental.

    Hoje, ela recebe R$ 134,00 por mês do Bolsa Família por manter sua filha Vanessa, de 13 anos, estudando no 1° ano do ensino m´médio; e garantindo que sua filha Maria Helena, de um ano, vacinada em todas as campanhas contra gripe, polio, sarampo e todas às quartas-feiras leva o bebê para o Centro de Saúde do povoado Santa Luz de Baixo, na zona rural de Teresina, quando médicos e enfermeiros dedicam o dia para pesar e examinar a saúde dos filhos dos pais beneficiados com o Bolsa Família.

    “Se não fosse o Bolsa Família não tenho certeza se minha filha de 13 anos já estivesse estudando o 1° ano do ensino médio como está fazendo e me dando orgulho. Ela é muto avançada e as professoras determinaram que avançasse”, declarou Áurea Maria.

    “Esse dinheiro ajuda muito, serve para comprar o material da escola, para comprar leite para a criança, comprar o calçado. Para tudo”, falou Áurea Maria, que recebe o Bolsa Família há nove anos.

    “Tem um dia na semana, que os médicos atendem no Posto de Saúde apénas os filhos dos pais atendidos pelo Bolsa Família. Eles pesam, mede, perguntam se está doente e somos obrigados a vacinar nossos filhos. Não fico preocupado porque a agente de saúde bem em nossas casas e lembra do dia da consuilta. Minha filha já foi vacinada contra pólio, pneumonia, sarampo, e duas doses contra a gripe. É um dinheiro bem vindo”, declarou Áurea Maria.

    (*) Efrém Ribeiro
    TRIBUNA DE BARRAS.

    terça-feira, 24 de julho de 2012

    Policiais Militares começam a serem mortos em UPPs


    Como era previsível, policiais militares estão sendo abatidos. Muitos tombaram distante de seu local de trabalho ao serem reconhecidos como policial. Sabemos que meliantes migraram para outras áreas menos policiadas da Capital e do Estado, pondo os policiais de UPPs em perigo constante, já que em seu local de residência, vários meliantes estão agindo.
    No Complexo da Penha, de forma cinematográfica, militares das Forças Armadas invadiram e ocuparam as áreas dominadas pelo tráfico. O Exército Brasileiro fez um brilhante trabalho durante sua ocupação, filmando e documentando a ação do trafico ainda presente. As várias ações contra os militares federais, se mostraram inócuas, pois, foi provado que eram atos orquestrados pelo trafico ainda presente na tentativa de desmoralizar e desmotivar a presença que combatia a venda de drogas.

    Nunca acabou, sabemos disso, o trafico continua tão intenso quanto antes, basta uma caminhada no entorno das comunidades para se observar a quantidades de invólucros de drogas vazios.
    Durante a ocupação foi mostrado na TV e em diversos vídeos a fuga desenfreada de meliantes com suas poderosas armas e, ainda reagindo ao Poder do Estado, perdeu-se uma grande oportunidade de efetivamente diminuir seu efetivo e apreender armas em bom estado operacional, e não as sucatas abandonadas durante a fuga.

    Viseo de traficantes fugindo com suas armas

    Video de traficantes fugindo com suas armas

    Pois bem, as FFAA saíram e a PMERJ assume seu papel de “manter” uma aparente tranquilidade nestes locais. Mas será suficiente? Foram preparados para uma área AINDA em conflito constante? Os constantes ataques sofridos apontam que não, que tentarão uma retomada. Mas por qual motivo? É notório que as UPPs trazem uma tranquilidade para o tráfico, já que não utilizam mão de obra armada, tornando o comércio das drogas mais lucrativo.
    Já aconteceu em outra comunidade, onde até o comandante estava envolvido com o tráfico, recebendo quantia expressiva diante o que o Estado paga a seus agentes. Uma tentação que deve ser considerada, já que temos a cultura de denominar meliantes como vitimas do sistema. Então vamos analisar a quanto tempo os Policiais Militares estão sendo vitimas deste mesmo sistema que os explora e os expõe à morte diariamente.

                                              Capitão Piedade foi preso pela PF | Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

    E só foi preso por que a Policia Federal agiu.

    A PMERJ é um meio de vida não de morte.

    Momentos antes do ocorrido, os policiais já haviam trocado tiros com bandidos na localidade conhecida como Pedra do Sapo, também no Alemão. Um grupo de bandidos teria enfrentado uma dupla de policiais. Ninguém ficou ferido nesse primeiro conflito. Esta não é a primeira vez que bases da polícia no Alemão são alvos de tiros. Na última semana, militares da unidade da Fazendinha, também no complexo, foram atacados duas vezes por bandidos num período de 24 horas.”
    De acordo com o relato acima, os ataques já aconteciam e, o PODER/DEVER de acionar medidas preventivo-repressivas já deveriam ter sido adotado, o que não aconteceu, ocasionando a morte de jovem policial.

                                          A sede da UPP Nova Brasília custou cerca de R$ 1,1 milhão. Servirá de base para 340 PMs.

    Segundo reportagem do SBT Rio, os bandidos entraram na comunidade pelo mesmo caminho percorrido quando da fuga durante a invasão, mostrando mais uma vez que a segurança das sedes de UPPs não merecem, por parte das “mentes” pensantes, a atenção necessária.

    segunda-feira, 23 de julho de 2012

    A solução é alugar o Brasil ?

    Muito se tem falado sobre a política brasileira, inclusive que vai de mal a pior, porém o que notamos é a verdadeira alienação mental mesclada com a insatisfação social.

    O Povo Brasileiro clama por justiça, reclama seus direitos e julga entender o sistema político vigente. Mas, será que este mesmo povo executa a igualdade e a solidariedade quando seus próprios interesses estão em jogo? Observamos a completa desunião de classes, a má distribuição de terras, precárias condições de saúde e educação enquanto a elite desfruta por trás de um eleitorado desatento, esquecido, egocêntrico e orgulhoso.

    A propósito, estamos diante de uma confusão partidária, amendrontados com a situação atual e escandalizados com os noticiários da tv, além de buscarmos justificar todos os acontecimentos com o famoso ´´dogma´´ de que ´´ político é tudo ladrão´´.

    A motivação e coragem dos gregos, a sabedoria dos romanos ou até mesmo dos iluministas não chegaram até ao Brasil, pois debatemos sobre uma cultura fútil de Michel Teló e Big Brother, enquanto famílias morrem famintas, a prostituição se prolifera, a inflação cresce, menores são abusados e os bandidos são treinados e capacitados em suas faculdades prisionais. E o que falar da classe política? Apenas manifesta e exerce o poder que o povo o atribuiu mediante um contrato social, um poder legitimado pelo povo, assim como ensinava Maquiavel, um regente astucioso manipula qualquer povo ignorante e ganancioso, formando vigaristas que sobem ao Congresso Nacional.

    O analfabetismo político é uma indecência política brasileira, em que a ignorância e alienação assolam a população. O aprendizado e a leitura não são valorizados e permitem gerar cidadãos marionetes que amparam a corrupção, prejudicando a democracia.

    Precisamos querer melhorar no sentido pleno da palavra, no entanto como relatava Nicolau Maquiavel: ´´Cada povo tem o governo que merece´´.

    Fonte: http://www.jurisway.org.br/

    Na política vale tudo

    22 de julho de 2012
    O Estado de S.Paulo

    Quando para muitos parecia que nossos políticos tinham esgotado o repertório de subterfúgios para abusar da coisa pública em benefício próprio, descobre-se que o dono do PDT em São Paulo, deputado federal Paulinho da Força, candidato a prefeito da capital, mantinha controle sobre a Secretaria de Estado de Emprego e Relações de Trabalho por intermédio de seu filho, Alexandre Pereira da Silva, que, apesar de não ter nenhum vínculo formal com a pasta, ali dispunha de um gabinete completo, a partir do qual, em nome do pai, mandava e desmandava na área de operações.

    Alexandre é funcionário da Fundação para o Desenvolvimento das Artes e da Comunicação (Fundac), fundação de direito privado, sem fins lucrativos, que só este ano recebeu R$ 3,7 milhões da Secretaria do Trabalho.

    Tendo o Estado revelado a maracutaia, o governador Geraldo Alckmin ordenou à Corregedoria-Geral da Administração, vinculada à Casa Civil, a investigação dos fatos. E na tarde da quarta-feira o pivô do imbróglio afastou-se da Secretaria, obedecendo à determinação provinda do Palácio dos Bandeirantes. Mas Alckmin, antecipando-se à rigorosa apuração que ordenara, fez eco às declarações de Paulinho da Força de que não havia no episódio "nenhuma irregularidade".

    O secretário de Emprego e Relações de Trabalho chama-se Carlos Ortiz, é sindicalista filiado ao PDT e assumiu o cargo em março último, em decorrência de um acordo político por meio do qual Paulinho garantiu uma força - da legenda de que é dono e certamente também da central sindical da qual é presidente licenciado - à candidatura de Alckmin à reeleição, em 2014. A Coordenadoria de Operações da pasta é oficialmente dirigida por um funcionário de carreira sem filiação partidária, Marcos Wolff.

    Mas era Alexandre quem dirigia de fato a unidade, recebendo diretamente os pleitos dos prefeitos e dispondo a seu critério dos recursos destinados à aplicação na área da Coordenadoria, que abrange 243 postos de atendimento a trabalhadores distribuídos por todo o Estado - uma base de operações perfeita... para cabos eleitorais.

    Lamentável sob todos os aspectos, este é mais um episódio que evidencia, por um lado, o nível de banalização a que chegou a prática da mais deslavada apropriação privada dos bens e recursos públicos por parte de políticos e, por outro, que cada vez mais as principais legendas partidárias se revelam farinha do mesmo saco.

    Há quase duas décadas governando o Estado de São Paulo, o PSDB age e deixa seus aliados agirem em seus domínios com a mesma falta de cerimônia com que seu figadal adversário, o PT, atropela a lei e os mais elementares princípios éticos para impor no plano federal seu desígnio de perpetuação no poder.

    Da maneira como as coisas estão dispostas na política brasileira, os tucanos têm a pretensão de se apresentar como os principais opositores do lulopetismo. Mas o comportamento do PSDB, seja em seu principal reduto, o território paulista, seja em outras paragens como o Estado de Goiás - como a CPI do Cachoeira tem demonstrado -, revela que não existe muita diferença no modo como uns e outros manejam, na prática, o cotidiano da administração pública. O mesmo tipo de alianças de conveniência com que o PT procura garantir a "governabilidade" no plano federal se reproduz - guardadas as peculiaridades do jogo político no âmbito regional ou local - nos domínios tucanos.

    A vala comum em que os políticos parecem atolados evoca o aparente conflito apontado na política, pela teoria weberiana, entre a ética das convicções, fundada em princípios, e a ética da responsabilidade, que procura compatibilizar princípios com genuína governabilidade. Escreveu um ilustre tucano, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em recente livro sobre A arte da política: "Se é certo que o político, para Weber, deve ser julgado pelas consequências de seus atos, isto não significa que a ação do político dispense convicções".

    Não tem sido tarefa fácil, porém, identificar na ação dos políticos brasileiros convicções que não sejam a de que na política vale tudo.

    domingo, 22 de julho de 2012

    O Governo Sergio Cabral (PMDB) não anda bem

    Esse mar de lama vai virar tijolo e atingirá as cabeças do esquema.

    Após as imagens de Sergio Cabral em Paris com “amigos” e suas esposas ostentando sapatos de R$ 10.000,00, sua imagem ficou seriamente prejudicada. A DELTA cai em desgraça também com a divulgação de envolvimento fraudulento em várias obras publicas e Parlamentares blindam o governo do Estado do Rio de Janeiro de todas as formas, claro que em troca de polpudas quantias. Afinal, quem correria este risco pela simples graça e sorriso do governador que ostenta tanta riqueza?


    Com a DELTA fora (pelo menos aparentemente) de obras superfaturadas, a grana ficou escassa e o apetite dos parlamentares, justiça e M.P. continua voraz para manter a blindagem e impunidade do governo que afronta a lei para satisfazer seus interesse eleitorais e pessoais. Para alguém acostumado a viver na riqueza, é lógico que o dinheiro não pode sair de seu bolso e sim do Patrimônio Público.


    Começa uma nova frente de ataques para comprar quem lhe da proteção, a venda de imóveis público, entre eles Unidades da PMERJ em áreas supervalorizadas como o QG PMERJ. Vários Parlamentares da ALERJ, sociedade e o M.P. do Rio de Janeiro se insurgem contra o ato insano e duvidoso de Sergio Cabral, o colocando em situação de descrédito com seus “credores” de “favores”.



    Terrenos de outros batalhões da Capital também devem ser vendidos, como do Leblon, Botafogo e Tijuca. Uma fonte de dinheiro com a venda destes imóveis supervalorizados e de interesse imobiliário. Como também a desativação do Hospital do IASERJ, cuja demolição já está “contratada” e uma “licitação” se fará para construção de novo prédio. O insano ganancioso está em desespero financeiro.

    Recentemente noticias dão conta que Sergio Cabral renunciará do Governo do Estado do Rio de Janeiro, deixando seu vice, Pezão, a frente do Estado. Coincidentemente com denuncias do Deputado Federal Garotinho que apresentou farta documentação que comprovam, em tese, o envolvimento de Sergio Cabral e Pezão com a DELTA, viabilizando que sejam convocados na CPI do Cachoeira.

    Obras pagas e não feitas, licitações fraudulentas, aditivos indevidos. São 68 quilos de documentos que o deputado Anthony Garotinho fez questão de levar para o plenário e entregar ao deputado Miro Teixeira (PDT - RJ) integrante da CPI do Cachoeira - Delta. A documentação tem provas irrefutáveis da corrupção envolvendo o governador Sérgio Cabral, o vice-governador Luiz Fernando Pezão, além de secretários, com a Delta, de Fernando Cavendish.”
    Portanto, a iniciativa de Sergio Cabral aponta para fragilização de seu governo com a possível credibilidade dos documentos apresentados por Garotinho, o colocando na CPI e acabando com as pretensões políticas do PMDB e PT.

    sábado, 21 de julho de 2012

    Rosane, ó Rosane, continuas a mesma...

    É a festa da mesmice: a ex-primeira dama continua a mesma; a corrupção continua a mesma. E nós, será que somos os mesmos?

    Ricas que pedem na Justiça aumento na pensão alimentícia são sempre iguais; esse filme a gente está cansado de ver. Não faz muito tempo, uma socialite foi à TV inglesa chorar miséria porque teve de cortar a temporada de esqui dos filhos gêmeos — de 22 anos, pasmem — porque o marido se recusava a aumentar a pensão de 80 mil para 320 mil libras. Na entrevista, contou todos os podres do ex-cônjuge, os desentendimentos, as vulgaridades e, sobretudo, detalhes. Londres é conhecida como o melhor lugar para se divorciar; a moça conseguiu sensibilizar a Corte e levou para casa 180 mil libras mensais.

    No domingo, o Brasil parou para ver Rosane Collor no ‘Fantástico’. Rosane, a jovem primeira-dama que circulava a bordo de modelitos espalhafatosos de grife estrangeira, que não entendia a circunspecção e a seriedade que exigia seu não-cargo, que esteve no centro do escândalo da LBA, que coprotagonizou o grande show-off em que se converteu aquele governo enquanto todos nós, pobres brasileiros, tínhamos nossas economias confiscadas.

    Ela se disse inocente ao se casar em regime de separação total de bens (mesmo que viesse de uma família rica e poderosa como os Malta) e pleiteia o aumento da módica pensão de R$ 18 mil para R$ 40 mil. Uma senhora vistosa, de saudável cabeleira loura, no auge de seus 48 anos, luta pela manutenção do alto padrão de vida de que gozou durante a vida conjugal. Oportuna, aguardou a efeméride dos 20 anos do impeachment para lançar seu livro de memórias.

    A jornalista Renata Ceribelli bem que tentou buscar naquela conversa uma utilidade histórica ao país, como as revelações de que Collor e PC Farias se encontravam, sim, depois da campanha e que o ex-tesoureiro determinava indicações de comparsas de esquema para cargos públicos. Todo mundo sabe que é verdade, mas isso nunca havia sido flagrantemente pronunciado por um artista do elenco principal dessa triste novela brasileira.

    Mas Rosane tem noção de show; sua preocupação era dizer que ela e a ex-mãe de santo, hoje convertidas em nome de Jesus, foram ameaçadas de morte; que os rituais de magia incluíam matança de bichos; que sua postura fora de dar apoio ao marido que perdia a presidência e pensava em se suicidar. E que, ó santa Rosane, a crise conjugal deveu-se ao fato de ela não ter aceitado as indicações de PC para cargos na LBA.

    Pelo que foi dito na entrevista, o livro de Rosane será um grande compêndio de fofocas e curiosidades para alegria das massas. Escapam-lhe a perspectiva histórica, a importância de expor ao Brasil os erros que não podem ser repetidos, a necessidade de se revelarem os caminhos e as entranhas da corrupção endêmica. Rosane não deu seu testemunho na qualidade de cidadã e de testemunha dos fatos.

    O que a deixa indignada, nos olhares que fogem do interlocutor e nas falas cheias de reticências e incertezas, é o fato de as amigas ricas ganharem por aí pensões mais polpudas que a dela. A seu modo, Rosane foi honesta sobre os motivos que a motivaram a dar a entrevista. Ela não decepcionou; foi coerente com a persona que encarnou 20 anos atrás. Por uma infeliz ‘jesuscidência’, é a mesmíssima pessoa. A julgar pelo escândalo Cachoeira e afins, os abusos da corrupção também continuam os mesmíssimos.

    Resta saber se, dentro de nós, também pulsam aqueles caras-pintadas patrióticos e combativos que o ‘Fantástico’ mostrou na TV. Nesse caso, seria bom que também nós fôssemos os mesmos para romper essa triste mesmice de roubalheira que saqueia a integridade do nosso país.

    Fonte: Coluna do Bruno Astuto, revista Época

    Abuso de poder cresce na Venezuela, diz ONG

    Relatório da ONG Human Rights Watch aponta a diminuição no respeito aos direitos humanos na Venezuela
    Foto: AFP


    O aumento do abuso de poder deteriorou a situação dos direitos humanos e fez crescer a censura na Venezuela nos últimos quatro anos. A conclusão é da ONG Human Rights Watch, que divulgou nesta semana um relatório detalhando casos em que direitos previstos na Constituição do país não foram respeitados.

    Segundo o documento, a maioria governista na Assembleia Nacional vem aprovando leis que aumentam os poderes da equipe de Hugo Chávez para limitar a liberdade de expressão e punir quem critica o presidente e seus aliados. E a Suprema Corte, que foi reformada com apoiadores de Chávez em 2010, "rejeitou explicitamente os princípios de que o judiciário deveria servir como um freio ao poder presidencial", disse a instituição.

    O poder quase sem limites do Executivo fez várias vítimas na Venezuela desde 2008, quando a ONG havia divulgado seu relatório anterior. Para a Human Rights Watch, juízes, jornalistas, emissoras e ativistas de direitos humanos foram marcados por uma mensagem central de que o presidente e seus seguidores "querem e são capazes de punir pessoas que desafiarem ou obstruírem seus objetivos políticos".

    Confira os principais casos em que houve abuso de poder apontados pela organização.

    Juíza presa por libertar opositor
    Em dezembro de 2009, a juíza María Lourdes Afiuni concedeu liberdade condicional a um opositor do governo de Chávez que estava preso havia quase três anos sem ter sido julgado - ele enfrentava acusações de corrupção. Em represália, o presidente denunciou a juíza, chamando-a de "bandida", e pediu que ela fosse condenada a 30 anos de prisão.
    María Lourdes Afiuni, que agiu de acordo com a lei venezuelana, ficou um ano detida em condições precárias, recebendo ameaças de detentos que ela mesma havia condenado. Em fevereiro de 2011, ela transferida à prisão domiciliar, onde está até hoje. Afiuni aguarda para ser julgada por um magistrado que jurou publicamente sua lealdade à Chávez.

    "Cabaré" de Chávez
    Em agosto de 2011, o jornal semanal 6to Poder publicou uma montagem com as fotos de seis altas funcionárias - inclusive a procuradora geral e a presidente da Suprema Corte - como dançarinas de um cabaré chamado "A Revolução", dirigido por "Senhor Chávez". Em seguida, as mulheres retratadas na montagem pediram uma investigação criminal e solicitaram o fechamento do jornal.
    Em poucas horas, foram emitidos mandados de prisão à diretora do jornal, Dinorá Girón, e ao presidente, Leocenis García, ambos acusados de "instigação ao ódio público". Presa no dia seguinte, Girón ficou dois dias na prisão e recebeu direito à liberdade condicional. García fugiu por uma semana, mas se entregou às autoridades e ficou preso por dois meses antes de ser solto, também em condicional.
    Quando o relatório foi escrito, os dois ainda aguardavam julgamento.  O jornal foi posto sob ordem judicial de não publicar quaisquer textos ou imagens que pudessem constituir "uma ofensa e/ou insulto à reputação, ou ao decoro, de quaisquer representantes de autoridades públicas, e cujo objetivo seja expô-los ao desprezo ou ódio público".

    Denúncia: militares no partido
    Em maio de 2010, a ativista de direitos humanos Rocío San Miguel participou de um programa de televisão denunciando o fato de que altos oficiais militares faziam parte do partido de Chávez - prática proibida pela Constituição da Venezuela. Em resposta, a TV estatal a acusou de ser uma "agente da CIA" e de "incitar a insurreição". As Forças Armadas disseram que ela buscava fomentar um golpe de Estado na Venezuela.
    A ONG que ela dirige, a Citizen Watch, também foi alvo, junto de outras ONGs, de uma queixa-crime feita por vários grupos de jovens afiliados ao partido de Chávez por suposta traição que ela teria cometido após ter recebido fundos do governo dos Estados Unidos. Desde então, Rocío San Miguel recebeu várias ameaças de morte.

    Apoio político ou demissão
    Em novembro de 2006, a RCTV, que é a emissora mais antiga do país, exibiu um vídeo no qual o ministro da Energia diz que os funcionários da empresa estatal de petróleo deviam pedir demissão se não apoiassem o presidente venezuelano. Em seguida, Hugo Chávez alertou publicamente que a RCTV e outros canais podiam perder suas licenças de transmissão - uma ameaça que ele fez várias vezes em resposta a críticas na TV.
    Um mês depois, o presidente anunciou sua decisão - unilateral, segundo o relatório - de que a RCTV não seria mais "tolerada" nas ondas de transmissão públicas depois que a licença do canal expirasse, no ano seguinte. A emissora parou de funcionar como canal público em maio de 2007, mas continuou transmitindo por TV a cabo.
    Desde então, o governo tenta tirar a RCTV do ar também na TV por assinatura. Em janeiro de 2010, a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) determinou que a emissora é uma "produtora audiovisual nacional" e está sujeita a normas de radiodifusão recém criadas. Dias depois, o ministro das Comunicações ameaçou abrir investigações contra os provedores de TV a cabo cujos canais de transmissão não estivessem em conformidade com as normas. Em resposta, eles pararam de transmitir a RCTV International.
    A Conatel negou repetidos esforços da emissora para voltar a se registrar como um canal a cabo. Hoje, a RCTV só pode ser vista pela internet, e não produz mais a mesma cobertura noticiosa devido à falta de financiamento.

    Cobertura jornalística "golpista"
    Em junho de 2011, a emissora de televisão Globovisión cobriu uma rebelião em uma prisão, entrevistando familiares de detentos que afirmaram que forças de segurança estavam matando prisioneiros. O canal, o único de abrangência nacional que é crítico às políticas do presidente, foi acusado por Hugo Chávez de "pôr o país em chamas (...) com o único propósito de derrubar o governo".
    As autoridades abriram uma investigação sobre a cobertura da Globovisión e, em outubro de 2011, determinaram que a emissora "promoveu o ódio por motivos políticos que geraram ansiedade na população", multando o canal em US$ 2,1 milhões (R$ 4,2 milhões) - equivalente a 7,5% das receitas da empresa em 2010.
    A Globovisión passa atualmente por seis investigações administrativas. Segundo a lei de radiodifusão promulgada por Hugo Chávez e seus apoiadores na Assembleia Nacional em 2004, uma segunda condenação da Globovisión pode resultar em outra multa, suspensão da transmissão ou revogação da licença.

    Ligação entre Chávez e as Farc
    Em março de 2010, Oswaldo Álvarez Paz, um opositor de Hugo Chávez, falou sobre a suspeita de aumento do tráfico de drogas em um programa da Globovisión. O presidente Chávez respondeu em transmissão nacional e afirmou que esses comentários "não podem ser permitidos", e chamou outros ramos do governo "a agir".
    Duas semanas depois, Oswaldo Álvarez Paz foi preso sob a alegação de que suas "declarações falsas" tinham causado "um medo infundado" no povo venezuelano. Ele ficou preso por quase dois meses, saindo em liberdade condicional durante seu julgamento. Em julho de 2011, ele foi considerado culpado e sentenciado a uma pena de dois anos. O juiz permitiu que Álvarez Paz cumprisse sua sentença em liberdade condicional, mas o proibiu de deixar o país sem autorização judicial.

    Prefeito contra TV
    Em novembro de 2010, a emissora de TV a cabo local Tu Imagen foi alvo de críticas do prefeito de um município no Estado de Miranda, que é aliado de Chávez. José Ramírez escreveu à empresa Tele Red, dona do canal, pedindo o fim das transmissões e acusou a Tu Imagen de ser "sistematicamente enviesada em favor da oposição política", e de ter transmitido "mensagens distorcidas contra o governo municipal".
    O único exemplo citado pelo prefeito na carta é uma entrevista com um familiar de Ramírez (com quem ele tinha "diferenças pessoais"), que havia feito "acusações pomposas que eram uma ofensa à minha dignidade humana e à minha posição de prefeito", disse o político. José Ramírez não deu informações sobre o conteúdo dos comentários do entrevistado.
    Alegando que estava exercendo seus "direitos para assegurar que o governo e a Revolução Bolivariana sejam respeitados", o prefeito enviou uma cópia da carta à Conatel, que depois ordenou a suspensão das transmissões da Tu Imagen indefinidamente. O motivo apresentado pela Conatel foi de que o canal e a empresa de TV a cabo - que operaram sob um contrato oral por oito anos - haviam deixado de cumprir um regulamento de 2009 que exigia um documento por escrito entre as partes.
    No mês seguinte, a Tu Imagen e a Tele Red apresentaram à Conatel um contrato assinado em papel. Porém, a comissão esperou oito meses antes de autorizar a empresa a retomar as transmissões do canal. Segundo Douglas Abreu, diretor geral da Tu Imagen, um antigo funcionário da Conatel advertiu à Tele Red que o canal podia ser removido das transmissões a cabo novamente se produzisse programas que criticassem o governo. "Nós voltamos ao ar, mas trabalhando sob pressão", disse Abreu à Human Rights Watch.

    A Venezuela é uma grande "Democracia" que acaba de ser integrada ao Mercosul. Ditadura é o "Paraguai"...

    Fonte: TERRA

    EXCELENCIA EM ESTRATÉGIA DE SEGURANÇA: OS 4 PONTOS DE FACILITAÇÃO

    Indicadores de melhoria contínua demonstram que estamos progredindo mais do que falhando menos.

    A estratégia para uma Gestão de Riscos conforme proposto pela OHSAS (Sistemas Internacionais de Gerenciamento em SST) está resumida em um ciclo contínuo no qual articulam-se várias fases, desde ações concretas, como o planejamento, implementação e avaliação, até o último elo, a assim chamada melhoria contínua. Esta melhoria contínua seria, digamos assim, o elo final, imponderável e idealista do que seria de se esperar quando implantamos o nosso Sistema de Gestão. Menos acidentes? Menos doenças? Mais produtividade sem incidentes? Mais capacitação e eficiencia? Ou mesmo, tudo junto?

    O artigo abaixo, de autoria de Shawn M Galloway, presidente da ProAct Safety, empresa de excelencia nternacional em consultoria de segurança, traduzido da OHS on line pelo Prof. Samuel Gueiros, apresenta 4 elementos-chave para a execução de uma boa estratégia na Gestão de Riscos. Trata-se de assunto importante para reflexão dos profissionais do SESMT, que estão no dia a dia preocupados em implementar da melhor forma os Programas das NRs, por exemplo, o PCMSO (NR-7), o PPRA (NR-9) e o PCMAT (NR-18). O artigo foi publicado em 01/07/2012.

    EXCELÊNCIA EM ESTRATÉGIA DE SEGURANÇA:
    OS 4 PONTOS DE FACILITAÇÃO
    Shawn M Galloway (OHSA on line)
    O famoso boxeador Mike Tyson uma dia disse: “todo mundo tem um plano, até levar uma porrada na cara”.
    O Exército Americano avisa: “toda estratégia é um sucesso, até voce encontrar o inimigo, porque o inimigo não participou da sua estratégia”.

    Estratégias são importantes mas não tão importantes como o processo de planejamento que leva a elas. Mais do que isso, o processo de planejamento é vital, mas não tão significativo quando a habilidade para trabalhar passo a passo com a estratégia.

    Desenvolver e executar em cima de qualquer estratégia é um desafio mesmo para o mais bem preparado. Tendo trabalhado com alguns dos melhores consultores e estrategistas corporativos, este autor chegou à conclusão de que a habilidade para efetivamente trabalhar em cima de qualquer estratégia de excelência requer o domínio de quatro elementos que serão discutidos neste artigo.

    FLUXO DE INFORMAÇÃO SEM LIMITES
    Quando uma organização implementa o processo de comunicação tudo se torna possível. Algumas das crenças que obstruem o fluxo da comunicação organizacional são: fofocas, detonar aqueles que trazem as más notícias, proteger os empregados, proteger o patrão, mentalidades do tipo “o que eles não souberem não vai afetá-los” , ou “eu sei o que é melhor”. Entre o indivíduo que está no topo, até o mais inferior na hierarquia organizacional, aqueles que ficam no meio, geralmente não se dão conta de que a comunicação está passando através deles e não para eles.

    Limites, reais ou de qualquer outro tipo, que possam esconder o fluxo de informações vitais precisam ser buscados e neutralizados. Barreiras ou censura de informação destroem a habilidade para alinhar esforços e estabelecer correções de curso proativas. Não importa a direção, qual a percentagem de informação é censurada em sua organização? E qual a percentagem de pessoas que agem como censores, escondendo indicadores necessários para comunicar a efetivdade de um plano?

    DIREITOS DE DECISÃO
    Frases como “qual é o meu papel nisto de novo?” ou “será que ela não sabe qual é a responsabilidade dela?” indicam que os papéis, responsabilidades e direitos de decisão não estão claros. Peter Jacobs, autor de trabalhos sobre negócios, escreveu: “a forma como a companhia decide quem está autorizado a tomar decisões pode ter um profundo efeito nos seus negócios, ambos em termos de efetividade diária e como influência no pessoal dos níveis mais básicos da empresa”.
    Algumas organizações desenvolvem mapas de decisão para ajudar a esclarecer os responsáveis por decisões específicas, pelas idéias, por onde deve começar o fluxo de informação.

    Direitos de decisão devem ser desenvolvidos e depois delegados ou compartilhados assim como pequenas estratégias podem ser implementadas sem a ajuda de outros. Mais do que isso, estratégias que afetam a cultura de segurança não devem ficar exclusivamente vinculadas a um departamento ou a um indivíduo. Segurança, como um exemplo, sendo geralmente um valor fundamental nas organizações, não pode ter uma estratégia de excelência desenvolvida sem o envolvimento da equipe operacional. Entretanto, que tipo de envolvimento e quais as decisões que eles são responsávais precisam estar claros.

    RESPONSABILIZAÇÃO PROATIVA
    O desenvolvimento de direitos de decisão seria um procedimento inefetivo sem uma responsabilização proativa. Mesmo entre os melhores na indústria, poucas organizações gerenciam uma avaliação de forma correta. “Resultados não foram alcançados. Quem vai responder porisso?”. Essa expressão soa familiar? Consequencias para uma performance negativa são necessárias e algumas vezes torna-se vital para a habilidade dos líderes gerenciarem de forma efetiva.

    Uma performance excelente será difícil e raramente sustentável na melhor das hipóteses, se a responsabilização é administrada ou gerenciada somente após o fato. Fundamentalmente, existem dois lados para gerenciar performance, a proativa e a reativa. A avaliação não é diferente.

    Avaliação proativa é definida como “assegurar que as pessoas estão fazendo o que é necessário para se conseguir resultados e responsabilizar de forma positiva ou negativa as consequencias da performance, antes de se checar se os resultados foram obtidos”. Como voce atribuiria uma nota sobre a sua habilidade de desenvolver avaliações? Qual a percentagem de sua avaliação, entre proativa e reativa?

    VISIBILIDADE DE PROGRESSO
    NA DIREÇÃO DO OBJETIVO
    Mesmo estabelecendo qualquer estratégia, isto irá rapidamente trazer desmotivação se não houver um constante feedback, uma avaliação do progresso. Não se pode esperar que o processo se complete apenas para saber se a direção estava correta. Considere os dias em que voce trabalhou duro e estava em condições de ver o progresso e sentir um senso de cumprimento de tarefas, comparado com os dias onde voce gastou o mesmo esforço e voce sentiu que não chegou nem perto. Um dos mais efetivos motivadores no trabalho é ver o progresso na direção do objetivo. Como será que voce está tendo uma visibilidade efetiva do progresso de sua estratégia na direção do seus objetivos gerais?

    Primeiro, considere: será que o seu objetivo está lhe dizendo para falhar menos? Se sua estratégia está baseada em menos acidentes, defeitos ou reclamações, esta é precisamente a mensagem enviada. Redução de falhas como objetivo raramente cria um senso de motivação sustentável. Indicadores de sucesso em objetivos e de progresso que mostram um movimento na direção de uma melhora contínua, sinaliza que nós estamos cada vez melhores, mais do que falhando menos.
    Segundo, quais são os indicadores de progresso e como esses indicatores estão sendo utilizados para demonstrar avanços na direção do objetivo?

    Quando um progresso visível é apropriadamente comunicado, isto reforça que a informação está fluindo de forma livre para ajudar as pessoas certas adotarem as decisões corretas e facilita uma avaliação proativa.

    Excelência consiste na habilidade de multiplicar e sustentar o sucesso. Estratégias para atingir este desejável resultado irão se tornar ilusórias, se o fluxo de informação estiver ameaçado, quando as responsabilidades de decisão forem vagas, se uma avaliação proativa inexistir, ou o impacto motivacional de progresso visível estiver obscurecido. Sem esses facilitadores de execução, a sorte será um fator mais importante do que você imagina.
    logo_nr3Tradução e Contextualização:
    Prof. Samuel Gueiros, Médico do Trabalho,
    Coord NRFACIL