segunda-feira, 21 de outubro de 2013

(NRs 4 SESMT e 9 PPRA) GESTÃO DE RISCOS PARA PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO


Fogo e explosão podem resultar em consequências catastróficas, causando lesões graves ou morte de trabalhadores ou outros, assim como pode implicar em significativo dano patrimonial.
Uma correta Gestão de Riscos deve considerar a possibilidade de fogo ou explosão originado da ignição de substâncias inflamáveis associadas a uma área de risco ou a uma atmosfera de risco.
Este Post baseia-se em artigo publicado em site internacional, produzido por especialistas na área de incêndio e explosão.
 
TEMAS PRINCIPAIS
  • ÁREAS DE RISCO
  • MEDIDAS DE CONTROLE DE RISCOS
  • CONTROLE DE EMISSÃO DE SUBSTANCIAS INFLAMÁVEIS
  • CONTROLANDO FONTES DE IGNIÇÃO
  • CONTROLANDO ELETRICIDADE ESTÁTICA
  • CONTROLANDO TRABALHO SOB ALTAS TEMPERATURAS

ÁREAS DE RISCO
Uma área de risco é considerada uma área (em espaço tridimensional) na qual uma atmosfera inflamável pode estar ou vir a estar presente e assim requerendo precauções para a construção, instalação ou uso de equipamento.


Exemplos de áreas de risco:
  • Tanques de armazenamento de líquido inflamável ou gas e associado a equipamentos (pontos de liberação, como aberturas, pontos de enchimento ou vazão, sistemas de segurança de liberação)
  • Líquidos inflamáveis e equipamentos de distribuição de gás (estações de abastecimento, depósitos, GLP, aeroportos); áreas de armazenamento de líquidos inflamáveis em depósitos;
  • Areas de armazenamento de líquidos inflamáveis em cargas (armazens, depósitos)
  • Areas de armazenamento de gases inflamáveis em cilindros
  • Vasos contendo misturas de produtos inflamáveis formulados para transporte em estrada ou ferrovia e em locais de carga e descarga
  • Laboratórios onde liquidos inflamáveis são usados e estocados;
  • Cabines para pintura em spray utilizados com pinturas inflamáveis
  • Despejos de gás (metano, por ex) e resíduos;
  • Processos de impressão utilizando solventes inflamáveis
  • Aplicação de selantes, vedantes e adesivos inflamáveis em áreas fechadas
  • Áreas próximas geradores de poeiras finas, material combustível (açucar, grãos, polímeros, residuos orgânicos secos)

ZONAS DE EXCLUSÃO

Qualquer área onde líquidos inflamáveis, vapores, gases e poeiras combustíveis sejam gerados, utilizados, armazenados ou manuseados, uma avaliação de área deve ser conduzida para determinar e aplicar zonas de exclusão para fontes potenciais de ignição.
Zonas de exclusão são divididas entre 0 a 2 ou baseada na probabilidade de uma atmosfera inflamável vir a ocorrer, como a seguir:
Zonas
Área de risco
0
Área onde uma atmosfera inflmável está presente de forma contínua, ou por longos períodos ou de forma frequente
1
Área onde uma atmosfera inflamável é provável de ocorrer em uma operação normal, ocasionalmente
2
Área onde uma atmosfera inflamável não ocorrerá em uma operação normal, mas, se ocorrer, será por um curto período

Uma vez que as áreas de risco e zonas aplicáveis forem identificadas, fontes potenciais de ignição podem ser identificadas e mesmo eliminadas ou controladas para prevenir incêndio e explosão. Uma fonte de ignição disponibiliza uma fonte de energia suficiente para disparar uma atmosfera inflamável. Exemplos de FONTES DE IGNIÇÃO:
Chamas, fumaça, luzes piloto
Equipamentos elétricos portáteis, como ferramentas, rádios e ventiladores
Sistemas elétricos fixos e circuitos alimentados com
potencial para arco, faíscas ou curto-circuito
Trabalho sob temperaturas elevadas como soldagem, corte a quente,
moagem (pode jogar pedaços de metal quente a consideráveis distancias)
Equipamentos que operam com máquinas a combustão,
como empilhadeiras, geradores e compressores
Superficies sob alta temperatura, cilindros de exaustão,
canalizadores com ala tempraturas e dutos que geral calor friccional
Faiscas mecânicas de impactos (laminas em atrito com pedras e rochas),
pneus de empilhadeiras no concreto
Eletricidade estática que possa levar a descargas eletrostáticas geradas incidentalmente por atividades:- líquidos com baixa condutividade (hidrocarbonetos líquidos em fluxo de alta velocidade através de tubulações- fluxo de materiais sólidos triturados (materiais não condutivos, como esferas de plásticos movendo-se através de tubos, funis ou peneiras)
- esteiras transportadoras em movimento ou motores não condutivos
- movimento de pessoas quando isoladas utilizando epi de fibra sintética


PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE DE RISCO
  • IDENTIFICAR E MONITORAR AS ÁREAS DE RISCO
  • CONTROLE DE EMISSÕES DE VAPORES INFLAMÁVEIS, GASES E MISTURAS
  • UTILIZAR SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PARA CONTROLAR VAPORES DURANTE CONDIÇÕES NORMAIS E ANORMAIS
  • ELIMINAR FONTES DE IGNIÇÃO DAS ÁREA DE RISCO
  • INSTALAR SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS DE GASES OU VAPORES INFLAMÁVEIS E HABILITAR AÇÕES DE RESPOSTA PARA SEREM IMPLEMENTADAS
  • UTILIZAR EQUIPAMENTOS ESPECÍFICOS À PROVA DE FOGO
  • ASSEGURAR SEPARAÇÃO OU SEGREGAÇÃO DE MATERIAIS INCOMPATÍVEIS (OXIDANTES E ÓLEOS)
  • SUBSTITUIR MATERIAIS INFLAMÁVEIS POR OUTROS QUE SEJAM MENOS INFLAMÁVEIS
  • REDUZIR QUATIDADES DE MATERIAIS COMBUSTÍVEIS OU INFLAMÁVEIS INCLUINDO ITENS QUE POSSAM CONTRIBUIR COM RISCO DE FOGO MAS QUE NÃO SEJAM SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DE RISCO (PALETAS DE MADEIRA, ÓLEO)
  • ASSEGURAR QUE OS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO MANEJO DE RISCOS QUÍMICOS INFLAMÁVEIS ESTEJAM MANTIDOS DE ACORDO COM AS INSTRUÇOES  DE MELHORES PRÁTICAS PARA REDUZIR A ACUMULAÇÃO DE POEIRAS COMBUSTAS
 Fonte: OHS Queensland

Acumulação de vapores, gases, misturas, cria o potencial para que uma área de risco apareça. Emissão de vapores resultantes de processos podem ser minimizadas através de:
O uso de sistemas de transferência e container com conexões para recuperação de vapor
Manter as tampas abertas por um período mínimo de tempo requerido para a transferência
Minimizar as áreas de superfície expostas (área de drenagem)
Evitar enchimento com salpicos
Minimizar as temperaturas de líquidos que estejam sendo processados ou tansferidos
Providenciar ventilação de todas as fontes de vapor para uma área segura

Quando aquecido, a pressão de vapor de materiais combustíveis e inflamáveis pode aumentar resultando em altas emissões de vapor. Containers ou substâncias químicas devem ser estocados longe de fontes de calor. O calor pode também deteriorar o processo de empacotamento e aumentar o risco de falha do container e aumentar a perda de produto. Superfícies quentes podem exceder a temperatura de auto-ignição de algumas substâncias.


CONTROLE DE FONTES DE IGNIÇÃO
O controle de potenciais fontes de ignição em áreas de risco podem acontecer através de:
Uso de equipamento elétrico adequadamente dimensionado
Assegurar a manutenção de equipamento elétrico e seu adequado aterramento
Assegurar que a temperatura de auto-ignição de químicos esteja sob controle
Implementar controles administrativos desenvolvendo sistemas de contenção da elevação de temperatura em alguns serviços (soldagem)

Considerando que onde haja necessidade de instalações ou de equipamentos elétricos os mesmos estejam localizados em uma área de risco todos os equipamentos da área devem ser construidos e dimensionados de forma a não liberar energia dentro de áreas de risco que seja suficiente para causar ignição. Esses equipamentos devem ter sua documentação que estabeleza em qual zona de risco ele está dimensionado para operar. A localização desses equipamentos deve ser consistente com a zona de risco já descrita acima. Além disso uma Permissão de Trabalho deve preceder qualquer atividade na área.

CONTROLANDO ELETRICIDADE ESTÁTICA 
Eletricidade estática pode ser criada de uma variedade de atividades, incluindo a transferência de substâncias químicas perigosas. O controle dessa eletricidade inclui métodos como aterramento e revestimento para assegurar que qualquer eletricidade estática se dissipie antes de que uma descarga elétrica perigosa possa acontecer.

CONTROLANDO TRABALHO SOB ALTA TEMPERATURA 
Alta temperatura é qualquer processo envolvendo moagem, solda, brasagem, corte com oxigênio, tratamento de calor ou qualquer outro processo similar que gere calor ou um fluxo contínuo de faíscas.
Operar em áreas sob temperatura elevada, onde haja inflamáveis ou combustíveis químicos ou outros materiais que estejam presente criar um risco significa de incêndio ou explosão. Trabalho em tabores ou containers, tanques ou reservatórios que não tenhamsido propriamente descontaminado é uma das causas mais comuns de acidentes graves.
No próximo post, as principais recomendações de NRs relacionadas às atividades de risco com fogo e explosão.

Tradução e contextualização:



Nenhum comentário:

Postar um comentário