domingo, 8 de dezembro de 2013

2013 foi decisivo, que venha 2014

No ano de 2013 os acontecimentos, mesmo encobertos pela mídia, foram amplamente divulgados nas redes sociais. Aos poucos, grande parte da sociedade foi se apercebendo das falcatruas, desvios e “transações” ilícitas onde o povo foi o maior prejudicado, tendo que arcar com os custos das ilicitudes.


Agradecemos ao PT e PMDB, que mesmo aliados, ajudaram a se destruírem mutuamente com a ganancia desenfreada no trato da verba pública. Não preciso comentar aqui os acontecimentos que colaboraram para esta decadência, todos nós sabemos.

No Rio de Janeiro, o antes poderoso, confiante em seu potencial de votos, está derrotado em futuras disputas, arrastando consigo seus colaboradores que almejavam se candidatar. Resignado Sergio Cabral já se comporta como derrotado por sua própria vaidade.

No âmbito federal, embora as criticas, comentários, manifestações e postagens mostrem o quanto o PT é nocivo ao povo brasileiro, principalmente os mais necessitados, o partido segue insistindo na sua gestão fraudulenta, com pesquisas e índices duvidosos que o coloca numa situação perigosa, seu fim.

Muito ainda vai ser exposto, o Lançamento do livro de Romeu Tuma, que não teve apoio da Polícia Federal para investigar algumas de suas acusações, promete fazer um rebuliço enorme nesta gestão que se finda. Partidários do PT, possuidores de boa índole, já se mostram insatisfeitos com o partido, sendo visível seu fim na política brasileira.

O ano de 2013 foi positivo e 2014 é a continuação desta luta. O ultimo reduto de votos ainda são os beneficiários de “bolsas”, que já mostraram o quanto são dependentes destas migalhas eleitoreiras e não aceitam ficar sem elas, já que a atual administração federal nada fez para investir na produção de renda.
Recebem os benefícios e, em contrapartida, o governo os mantém na MERDA. Sua lavoura seca, seu gado morre e seus filhos definham na falta de saúde e educação.


Um comentário:

  1. A Aliança Cabral e PT, no caso específico do Rio foi das melhores que já tiveram. Foram obras e melhorias em um projeto que ainda não acabou.
    Crises fazem parte da política, mas tenho a certeza de que ambos os lados tem gestores mais do que capacitados para se sair com uma solução +1/+1

    ResponderExcluir