terça-feira, 31 de dezembro de 2013

O plano de felicidade


O plano de felicidade

Deus tem um plano e quer que você seja feliz e se torne como Ele é.

Hoje é o dia que dá início a um novo ano. É o dia primeiro. Todos queremos iniciar mais um ano com esperanças renovadas.
É um momento de alegria e confraternização. As rogativas, em geral, são para que se tenha muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.
Mas será que se tivermos tudo isso teremos a garantia de um ano novo cheio de felicidade?
Se Deus nos dá saúde, o que normalmente ocorre é que tratamos de acabar com ela em nome das festas. Seja com os excessos na alimentação, bebidas alcoólicas, tabaco, ou outras drogas não menos prejudiciais à saúde. Não nos damos conta de que a nossa saúde depende de nós. Dessa forma, se quisermos um bom ano, teremos que fazer a nossa parte.
Se pararmos para analisar o que significa a passagem do ano, perceberemos que nada se modifica externamente. Tudo continua sendo como na véspera. Os doentes continuam doentes, os que estão no cárcere permanecem encarcerados, os infelizes continuam os mesmos, os criminosos seguem arquitetando seus crimes, e assim por diante.
Nós, e somente nós podemos construir um ano melhor, já que um feliz ano novo não se deseja, se constrói. Poderemos almejar por um ano bom se desde agora começarmos um investimento sólido, já que no ano que se encerra tivemos os resultados dos investimentos do ano imediatamente anterior e assim sucessivamente.
Poderemos construir um ano bom a partir da nossa reforma moral, repensando os nossos valores, corrigindo os nossos passos, dando uma nova direção à nossa estrada particular. Se começarmos por modificar nossos comportamentos equivocados, certamente teremos um ano mais feliz.
Se pensarmos um pouco mais nas pessoas que convivem conosco, se abrirmos os olhos para ver quanta dor nos rodeia, se colocarmos nossas mãos no trabalho de construção de um mundo melhor, conquistaremos, um dia, a felicidade que tanto almejamos.
Só há um caminho para se chegar à felicidade. E esse caminho foi mostrado por quem realmente tem autoridade, por já tê-lo trilhado. Esse alguém nós conhecemos como Jesus de Nazaré, o Cristo.
No ensinamento "amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo" está a chave da felicidade verdadeira. Jesus nos coloca como ponto de referência. Por isso recomenda que amemos o próximo como a nós mesmos nos amamos.
Quem se ama preserva a saúde. Quem se ama não bombardeia o seu corpo com elementos nocivos, nem o espírito com a ira, a inveja, o ciúme etc. Quem ama a Deus acima de todas as coisas, respeita sua criação e suas leis. Respeita seus semelhantes porque sabe que todos fomos criados por ele e que ele a todos nos ama.
Enfim, quem quer um ano novo repleto de felicidades, não tem outra saída senão construí-lo. Importa que saibamos que o novo período de tempo que se inicia, como tantos outros que já passaram, será repleto de oportunidades. Aproveitá-las bem ou mal, depende exclusivamente de cada um de nós.
O rio das oportunidades passa com suas águas sem que retornem nas mesmas circunstâncias ou situação. Assim, o dia hoje logo passará e o chamaremos ontem, como o amanhã será em breve hoje, que se tornará ontem igualmente. E, sem que nos demos conta, estaremos logo chamando este ano que se inicia de ano passado e assim sucessivamente. Que todos possamos aproveitar muito bem o tesouro dos minutos na construção do amanhã feliz que desejamos, pois a eternidade é feita de segundos.
 Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no livro Repositório de sabedoria, verbetes: oportunidade e tempo

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Mais sobre os caças Suecos, com a palavra os especialistas

1 - Acho que o melhor seria dizer que  a Suécia vence e o Brasil perde…

Não tenho conhecimento técnico para julgar essa decisão, mas certamente posso dizer que estrategicamente não me parece uma escolha muito inteligente.

De acordo com o artigo a escolha foi baseada em performance, transferência de tecnologia e custo. O próprio artigo menciona que muitos componentes do avião são americanos. Qualquer pessoa que trabalhe na indústria aeronáutica sabe que através do ITAR os Estados Unidos controlam qualquer tecnologia que possa ser considerada uma ameaça para eles, portanto, achar que haverá transferência de tecnologia que ameace o poderio militar americano é ridiculamente simplório. Alguém realmente acha que esses 36 caças poderiam deter uma investida militar americana?

O que a SAAB pode ofecer ao Brasil em termos estratégicos para o desenvolvimento da nossa indústria aeronáutica? Uma parceria com a Boeing, como a maior indústria aeronáutica do mundo, poderia nos dar avanços na área militar e comercial. Espero que a parceria que a Embraer tem com a Boeing para o KC-390 não seja afetada por essa escolha.
                                                              Cargueiro KC-390

Na verdade, essa escolha me parece uma idéia do PT de "dar o troco" no caso de espionagem e criar o "polo aeronáutico" de São Bernardo. Quanto ao caso de espionagem, antes de culpar o Obama, é importante entender o contexto americano, no qual houve um avanço no uso de coleta de informações de inteligência desde o atentado de Nova Iorque, promovido pela aprovação do Patriot Act pelo congresso americano. Existe no momento uma forte discussão para limitar as ações do NSA. Certamente a Dilma deve se sentir aviltada por ter sido espionada, já que nunca fez nada contra os EUA e o Putin deve estar indignado porque nunca aprovou esse tipo de procedimento. O Brasil nunca espionou, apenas usou procedimentos de contra-inteligência. A verdade é que todos os países têm formas mais ou menos sofisticadas de espionagem, o que não elimina a necessidade de uma discussão sobre o que o governo pode espionar.

2 - Fui instigado a contribuir com o tema, pois estive envolvido no processo, do outro lado, ao ter sido contratado como consultor para elaborar o pacote de offset da SAAB/BA, há muitos anos atrás.

Essa licitação, em suas duas vertentes (FX1 e FX-2) levou um tempo absurdamente longo para ter o desfecho que ora foi divulgado pela imprensa.Como observador, creio que o país demorou mas acertou em cheio nesta escolha. Parabenizo a FAB.

Sem analisar profundamente o conteúdo da transferência de tecnologia na industria aeronáutica oferecido e negociado, gostaria apenas de contrapor que meus estudos, por mais de 20 anos, demonstram que a maioria das negociações desse calibre são vencidas pelos fornecedores que oferecem compensações indiretas (tecnologias), ou seja, que beneficiam outras indústrias, tais como: telecomunicações, energia, transporte, alem de outras forças como Exercito e Marinha. Dessa forma, pode-se inferir que o peso maior no processo decisório envolve questões estratégicas de alto nível, muito alem dos interesses particulares da Aeronáutica.

Acredito que os benefícios a serem obtidos com essa negociação terão um efeito positivo em nossa economia, a exemplo de outras negociações semelhantes em que o GRIPEN foi vencedor na Africa do Sul e Hungria, por exemplo.Cumpre ainda destacar que o valor dos benefícios estarão intrinsecamente relacionados a capacidade de absorção das industrias brasileiras beneficiadas por essa colaboração.

um abraço a todos

3 - O comentário que fiz sem dúvida é tendencioso, afinal já são quase 30 anos que trabalho na Embraer.
Espero que realmente o Brasil tenha conseguido um bom offset com a Suécia, embora a Dilma talvez tenha perdido a oportunidade de ser mais transparente nessa área. O que foi publicado na imprensa pareceu mais uma resposta política ao incidente da espionagem americana através da NSA.

Acredito que para a Embraer foi a pior decisão porque mais importante que a montagem desses caças é o desenvolvimento do KC-390.  A Embraer já tem uma capacitação tecnológica e produtiva respeitável, fazendo parte de um seleto grupo de países que realmente sabe projetar e construir aviões sofisticados. O desafio tecnológico de projetar e produzir um avião como o KC-390 é o fronte onde a Embraer está apostando e onde realmente pode haver uma grande evolução para nós. Uma parceria mais próxima com a Boeing, através dos F-18, poderia se aprofundar no desenvolvimento do KC-390 e nos colocaria numa posição de mercado mais favorável, quando tivermos que competir com o gigante americano no mercado de transporte militar, a Lockheed, fabricante do C-130. Eu acredito que transferência de tecnologia só realmente existe quando há uma aplicação sustentável da tecnologia e a Embraer/FAB sempre entenderam bem essa questão e tiveram estratégias coerentes de desenvolvimento da capacitação aeronáutica brasileira. Por isso custa-me acreditar que o Gripen foi a decisão unânime da FAB. Na minha opinião, foi a pior decisão, mas pelo menos foi uma decisão…
Eu não atuo na área militar, mas dando uma sapeada na web vejo que o Gripen é um avião com modesto volume de vendas (cerca de 250 produzidos) usado por 4 forças aéreas no mundo (Africa do Sul, República Checa, Hungria e obviamente Suécia). A Africa do Sul, país com uma modesta força aérea, comprou o Gripen JAS 39, que atualmente está numa situação delicada nesse país (veja notícia abaixo, publicada alguns meses atrás, em 31Jul2013). O Brasil comprou o Gripen NG, que ainda está em desenvolvimento.

Four months after admitting that 12 of its 26 Gripen jet fighters had been placed in storage because they were too expensive to operate and there were not enough qualified pilots to fly them, South African officials admitted that the maintenance contracts for all the Gripens had expired in April. That made long term use of the Gripens dangerous. This contract was with a reliable, and expensive, South African firm (Denel). The maintenance contracts pay for ongoing support for the aircraft to include updates and warnings on problems other users have encountered as well as access to manufacturer engineers and maintenance experts. Aircraft become more dangerous to operate (if they operate at all) without regular maintenance and these maintenance contracts are a critical part of that. Some South African politicians are now calling for the Gripens to be sold, as there is not likely to be sufficient money to operate them and retain qualified pilots.

Quatro meses depois de admitir que 12 de seus 26 caças Gripen tinha sido colocado em armazenamento, porque eles eram muito caros para operar e não havia pilotos qualificados o suficiente para voar eles, autoridades sul-Africano admitiu que os contratos de manutenção para todos os Gripens tinha expirado em abril. Esse uso a longo prazo feito dos Gripens perigosos. O contrato foi com uma empresa sul-Africano de confiança, e caro (Denel). Os contratos de manutenção de pagar por apoio contínuo para a aeronave para incluir atualizações e alertas sobre os problemas de outros usuários não encontrados, bem como o acesso a engenheiros fabricante e especialistas de manutenção. Avião se tornar mais perigoso para operar (se operam em tudo) sem manutenção regular e estes contratos de manutenção são uma parte crítica do que isso. Alguns políticos do Sul Africano estão chamando agora para os Gripens para serem vendidos, já que não é provável que seja o dinheiro suficiente para operá-los e reter pilotos qualificados.

Os comentários foram feitos por profissionais experientes e altamente capacitados no que tange a aviação militar. Dá para se ter uma ideia se a compra tem respaldo técnico ou foi decisão política, já que um prefeito do PT foi à Suécia visitar a empresa fabricante do Gripen em 2010.
Marinho, que foi à Suécia visitar a empresa fabricante do Gripen em 2010, disse que a escolha pela Saab garante investimento e transferência da tecnologia dos caças para São Bernardo Foto: Divulgação
Modelo defendido pelo prefeito de São Bernardo é o que permite maior transferência de tecnologia.

http://rvchudo.blogspot.com.br/2013/12/o-que-demorou-17-foi-resolvido-por-aval.html

Nota: Não identifico o nome dos comentaristas de jeito nenhum.



SOBRE SÉRGIO CABRAL


Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho ou popularmente conhecido como Sérgio Cabral é umfantasminha político brasileiro adepto da lei do menor esforço para tudo e qualquer coisa dentro de seus governos, especialmente quando se trata de coisas em favor da população. É mais conhecido como o senhor das upepês(homenagem à Pepeu Gomes)(auqelas que não prendem ninguém, das upas e dos cevetês, e também por gritar em palanques a favor de idosos no início da carreira política. Mas só nos palanques... 

Cabral também está especialmente empenhado em acabar com o crime no Rio, legalizando-o. Legalizando o aborto, a maconha, o bingo, o tráfico de drogas(já legalizado graças às UPPs), e também em acabar com a hipocrisia. Afinal, quem aí nunca teve uma namoradinha que precisou abortar? 

Cabral é daqueles que choram como uma mocinha quando lhe cortam os royalties do Petróleo, mas que não derrama nenhuma lágrima de crocodilo pelos milhares de mortos nos desabamentos do Rio que ele provocou, pois já havia dito anteriormente que pobre é fábrica de produzir marginal. Quando sua administração for 100% eficiente, todos estarão mortos. ...(Des)Governador do Rio de Janeiro.

Cabral venceu o Denisão com 68% dos votos, e começava assim uma nova era de violênciano Rio. Não hesitou em falar palavras de ordem contra a vagabundagem e a ladruagem que toma conta desse estado, mas logo quando tomou posse e viu a cara de mau de um deles na TV, passou a cagar nas calças só de ouvir a palavra milícia. Por isso tratou de pagar uma cobaia, já poucos meses antes das eleições de 2010, para ir até as principais favelas do Rio. A ideia é simples, e também segue a lei do menor esforço, base da estrutura política de Cabral, os traficantes iam se mudar para a Baixada Fluminense, São Gonçalo e outros lugaresmais fudidos que a capital e não seriam incomodados, enquanto o governo estadual colocaria nas propagandas UPP'S funcionam! Criminalidade no Morro da Bunda da Tanajura caiu mais de 1%!. E não é que os bandidos aceitaram!? Claro, porque a clientela da Baixada Fluminense é maior e lá todo mundo é pobre, ou seja, se alguém morrer ninguém sente falta. E foi fácil: só construiu uma espécie de delegacia com alguns caras que até ontem eram sorveteiros ou mendigos e viraram policiais só para encher a tal delegacia, e alguns gols novinhos e bem pintados em volta. Com as UPA's, a ideia foi tão boa que o professor de Cabral nesse quesito, o presidente Lula, decidiu plagear. São literalmente quiosques(em alguns casos até containers) minúsculos com poucos médicos e mais ou menos equipados(sim, aqui no Rio quiosques substituem os hospitais.Mas o atendimento é um lixo em ambos). Isso foi uma atitude de Cabral para sobrar mais dinheiro para si mesmo e não gastar mais com hospitais. Ideia de gênio! E foi assim que massacrou o candidato verde Fernando Gabeira nas eleições de 2010(será que os eleitores de Gabeira estavam viajando de novo? ou viajaram na propaganda do governo, que Gabeira tanto falou? Bom, vamos esquecer isso...). 
 
Cabral faltou a 52% das votações no Senado

RAPHAEL GOMIDE
DA SUCURSAL DO RIO 

Os dois candidatos que lideram as pesquisas de intenção de voto no Estado do Rio de Janeiro, senadores Sérgio Cabral Filho (PMDB-RJ) e Marcelo Crivella (PRB-RJ), são faltosos no trabalho legislativo.
Cabral faltou a 52% das votações no Senado neste ano. Crivella teve ainda mais ausências: 86,4% -70 de 81 sessões. Em terceiro lugar nas enquetes da disputa ao governo do Estado, a deputada federal Denise Frossard (PPS-RJ) esteve ausente em 6,5% das deliberações da Câmara em 2006.
O senador do PMDB está fora da Casa desde 10 de julho, quando se licenciou sem vencimentos para fazer campanha eleitoral. As ausências a partir de então não foram contabilizadas pela Folha, apesar de constarem do site do Senado (www.senado.gov.br).
Somadas todas as faltas nesta legislatura, desde 2003, Sérgio Cabral não esteve no plenário em mais de um terço das votações (35,8%), o que corresponde a 178 faltas.
Marcelo Crivella participou menos: desde que foi eleito para este mandato, não compareceu a 286 votações, o que corresponde a 54% do total.
Líder na pesquisa Datafolha, com 42% das intenções de voto no Estado e possibilidade de vencer no primeiro turno -Crivella tem 19% e Denise Frossard, 9%-, Sérgio Cabral Filho não vota no Senado desde 22 de março.
Das 50 deliberações neste ano até sua licença eleitoral, faltou mais do que foi. Participou de 24; se ausentou em 26.
Neste ano, só fez um discurso, aquele para parabenizar a iniciativa de um senador de dar título de professor honoris causa da Universidade do Legislativo ao colega Ramez Tebet (PMDB-MS).
Eleitos em 2002 com 4,18 milhões e 3,24 milhões de votos, respectivamente, Cabral e Crivella recebem R$ 12.720 mensais para atuar na Casa. 

Evolução
A ausência dos dois senadores ao trabalho no Senado é reincidente. Acontece desde o início da legislatura, em 2003, mas aumentou com os anos.
Em 2005, Sérgio Cabral faltou a quase a metade das deliberações da Casa (48%), o que corresponde a 77 ausências. Segundo a página do Senado, fez apenas sete discursos no ano.
Em 2004, não compareceu a 41 votações, mais de um terço (37%) das decisões dos seus pares. O ano em que esteve mais presente foi 2003, quando deixou de ir a 19% das votações, quase um quinto do total.
De acordo com o site do Senado, há mais de um mês, desde 4 de julho -dois dias antes do início da campanha eleitoral-, Crivella não vai ao Senado votar. Antes dessa ocasião, fazia quatro meses que não aparecia para deliberar com os pares.
A última vez havia sido em 22 de março. Depois disso, não houve sessões até 24 de maio, quando ele também faltou. Ele também não esteve presente nos dias 7 e 20 de junho.
Em 2005, faltou a 47,8% -77 das 161 sessões de votação. Em 2004, ele faltou a 47,7% das deliberações, e em 2003, se ausentou de 86 votações, 49%.
Em 2005 e 2006, a deputada Denise Frossard (PPS) teve presença em plenário de 83,1% e ausência justificada -maioria das vezes em missão oficial autorizada pela Casa- em 15,4%. Não justificou a falta quatro vezes, em 1,6%.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

PSDB diz que acionará PGR em razão de mensagem de Dilma a servidores

Líder do partido na Câmara diz que 'carta' configura 'abuso de poder'.
Planalto divulgou 'mensagem'; segundo Presidência, envio foi por e-mail.


Juliana BragaDo G1, em Brasília
O líder do PSDB na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP), anunciou por meio de nota divulgada nesta quarta-feira (25) que acionará a Justiça Eleitoral e a Procuradoria-Geral da República em razão de uma mensagem de fim de ano enviada pela presidente Dilma Rousseff a servidores públicos federais (leia a íntegra da mensagem).
Na nota, Sampaio afirma que a presidente enviou uma "carta" aos servidores, diz que "nenhum outro candidato" tem acesso aos endereços dos funcionários públicos e que, por isso, a iniciativa se caracteriza como "abuso de poder".
"Nenhum outro candidato teria acesso aos endereços de todos os funcionários públicos federais para poder enviar correspondências natalinas similares – competindo assim, ainda que também de forma ilegal e extemporânea, em igualdade de condições por sua promoção pessoal", diz Sampaio na nota.
O Blog do Planalto, um dos canais de comunicação da Presidência da República, informou na última segunda-feira (23) que a presidente enviou uma "mensagem de fim de ano" aos servidores. Nesta quinta (26), a Presidência da República informou que o envio foi por meio eletrônico, por email.
De acordo com a nota do PSDB, Sampaio vai protocolar na sexta-feira (26) representação ao procurador-geral da República para que verifique se houve crime contra a administração pública e ato de improbidade administrativa. À Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral, o deputado pretende propor uma ação judicial de investigação eleitoral. Ele disse que também pedirá à Secretaria Geral da Presidência que informe "quem pagou as despesas com a confecção e envio da correspondência".
No texto divulgado segunda-feira pelo Blog do Planalto, a presidente deseja feliz Natal aos servidores e diz que eles são os responsáveis por prestar "serviços de qualidade para toda a população", que tornam possíveis "os avanços e conquistas recentes".
A presidente afirma ainda que os servidores públicos amparam o "otimismo" que ela manifesta "com o presente e o futuro do Brasil".
"Asseguro que os servidores públicos brasileiros encontrarão sempre da Presidenta da República o reconhecimento de seu papel relevante e indispensável e a profunda admiração pelo trabalho que realizam", escreveu.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

HE AIN'T HEAVY, HE'S MY BROTHER, a história que inspirou a musica


Ele não é um peso para mim, ele é meu irmão 


"He ain't heavy, he is my brother" é uma música popular balada escrita por Bobby Scott e Russell Bob . Originalmente gravada por Kelly Gordon em 1969, a canção se tornou um sucesso mundial depois de gravada por The Hollies no final daquele ano e novamente por Neil Diamond em 1970.
Dizem que o fato que inspirou essa canção foi o seguinte: certa noite, em uma forte nevasca, na sede de um orfanato em Washington DC, um padre plantonista ouviu alguém bater na porta. Ao abri-la ele deparou-se com um menino coberto de neve, com poucas roupas, trazendo em suas costas, um outro menino mais novo. A fome estampada no rosto , o frio e a miséria dos dois comoveram o padre. O sacerdote mandou-os entrar e exclamou: "Ele deve ser muito pesado".
O que o que carregava disse: "ele não pesa, ele é meu irmão. (He ain't heavy, he is my brother) Não eram irmãos de sangue realmente. Eram irmãos de rua.
O autor da música soube do caso e se inspirou para compô-la. E da frase fez-se o refrão. Esses dois meninos, foram adotados pela instituição."Missão dos Orfãos", em Washington, DC.
A gravação de The Hollies, que contou com Elton John no piano, foi lançada no Reino Unido em 01 de setembro de 1969, onde alcançou a posição # 3 e em 1 de dezembro de 1969 nos EUA (# 7). A canção, foi relançada no final de 1988 no Reino Unido após a sua utilização em um anúncio de televisão para a Miller Lite cerveja. Alcançou o 1 º lugar na tabela por duas semanas em setembro de 1988.


The road is long A estrada é comprida
With many winding turns Com muitas curvas difíceis
That leads us to Que nos leva a
Who knows where, who knows where Quem sabe onde, quem sabe onde
But I'm strong Mas eu sou forte
Strong enough to carry him Forte o bastante para carregá-lo
He ain't heavy, he's my brother Ele não é um peso para mim, ele é meu irmão
So on we go E assim continuamos
His welfare is my concern O bem-estar dele é problema meu
No burden is he to bear Ele não é nenhuma carga para mim
We'll get there Nós chegaremos lá
For I know Pois eu sei
He would not encumber me, oh no. Ele não seria um estorvo para mim, oh não
He ain't heavy, he's my brother Ele não é um peso para mim, ele é meu irmão
If I'm laden at all Agora, se estou realmente sobrecarregado
Then I'm laden with sadness Então estou sobrecarregado de tristeza
That everyone's heart (De saber) que o coração de todo mundo
Isn't filled with gladness Não está cheio de gratidão
Or love for one another Ou de amor, um pelo outro
It's a long, long road É uma estrada muito comprida
From which there is no return Da qual não há retorno
While we're on the way to there E enquanto estamos indo para lá
Why not share? Por que não partilhar?
And the load E a carga (dele)
Doesn't weigh me down at all Não vai me pesar de jeito algum
He ain't heavy, he's my brother Ele não é um peso para mim, ele é meu irmão (3x)

domingo, 22 de dezembro de 2013

O PMB (Partido Militar Brasileiro) lança o PMB Mulher


Foi no sábado, 21 de dezembro, no Clube Beneficente dos Sargentos da Marinha, o evento que lançou o PMB Mulher. Cheguei ao evento vindo de um dia cheio, meu traje era despojado, próprio de um sábado à tarde. No local me senti um tanto destoado, já que havia um formalismo nos demais presentes.
                    Eu e meu grande amigo Délio do EB, não nos víamos há uns 20 anos

Gratificante, reencontrei velhos amigos e outros de lutas presentes, alguns, amigos virtuais que se efetivou fisicamente.
                            Com Reynoso do CBMERJ (ao centro), afinal, fora do"virtual"

Délio, do Exercito Brasileiro, que não via há uns 20 anos, Capitão Bandeira do CBMERJ, Da Silva da PMERJ e Kelma Costa, incansável guerreira, coma qual já participei de reivindicação no Rio de Janeiro e Brasília.
                       Bandeira do CBMERJ a esquerda e Da Silva PMERJ a direita

Não pude ficar muito tempo, já que outro compromisso me aguardava, mas, deu para interagir com as pessoas e formar minha opinião sobre o que presenciei. O PMB é um Partido que vem para valorizar a presença dos militares na vida pública e política brasileira, para isso é preciso que os maiores interessados, os militares, sejam mais presentes nos atos do partido. Sem seu público, nada representa.

    Com a sempre Guerreira Kelma Costa, presente em grandes manifestações. No Rio e em Brasília.

Jair Bolsonaro e família estavam presentes e o salão, numa visão ampla, mostrava que eles seriam o motivo do evento. Estavam postados como que ídolos num altar. Nada contra, aprecio o trabalho de Flavio Bolsonaro na ALERJ, mas de Jair Bolsonaro, apesar de suas constantes discussões na Câmara Federal, eu esperava mais.


Todos estavam ansiosos por uma foto junto a família Bolsonaro, já que representa um peso considerável na questão de captação de votos dos militares. Mas o que acontece? Eles são PP (Partido Progressista), será que querem um partido para “chamar de seu”. Político tem de pedir para tirar foto comigo e não eu com ele.

Não posso comentar sobre os discursos, sobre o que rolou no evento, como eu disse, outro compromisso me aguardava. Mas gostei de ter ido, reencontrar amigos é sempre bom e valoriza. Veremos o que acontece no futuro com o PMB, se será um Partido dos e para os militares ou mais um Partido com um “dono”.


quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Comandante da PM pede a Martha Rocha que suspenda investigação sobre tortura no CFAP

Coronel enviou, no último dia 4, um ofício à delegada solicitando a “suspensão temporária” do inquérito Foto: Pedro Kirilos /Agencia O Globo

Um pedido do comandante geral da PM José Luís Castro Menezes à chefe de Polícia Civil Martha Rocha causou atrito entre as duas corporações. O coronel enviou, no último dia 4, um ofício à delegada solicitando a “suspensão temporária” do inquérito aberto pela 33ª DP que investiga a prática de tortura durante treinamento no Curso de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap) no dia 12 de novembro. Na ocasião, 33 alunos deram entrada na enfermaria com insolação e queimaduras, entre eles Paulo Aparecido, que morreu dez dias depois.

No texto, Castro argumenta que os fatos investigados são de “indubitável caráter penal militar, eis que indiciados e vítimas ostentam condição de militares, além de terem sido praticados no exercício da função militar”.
O pedido não foi bem recebido pela chefe de Polícia. Em nota, Martha Rocha afirmou que “jamais determinaria a suspensão de qualquer investigação policial”.

A chefe de Polícia informou que as investigações vão prosseguir e que “os delegados estão submetidos somente aos ditames da lei. Ao final das investigações, o delegado da 33ª DP (Realengo) enviará o inquérito ao MP, que decidirá pelo oferecimento ou arquivamento da denúncia”.

Segundo o titular da 33ª DP, Carlos Augusto Nogueira, o objetivo da investigação é concluir se o que aconteceu no treino se configura como tortura, com pena máxima de oito anos. Dois Inquéritos Policiais Militares (IPMs) investigam o crime militar de maus tratos seguidos de morte, com pena de até dez anos.

Procurada, a PM alegou que a suspensão do inquérito não poria em xeque a transparência da investigações, já que “os depoimentos colhidos nos IPMs estão sendo realizados no MP, sob acompanhamento de promotores”.

Depoimentos

Após o ofício chegar ao gabinete de Martha Rocha, os procedimentos investigativos continuaram na 33ª DP. No dia 12, em depoimento na distrital, a suboficial Márcia de Fátima Nunes, enfermeira do Cfap, afirmou que não havia médicos nem ambulâncias na unidade na ocasião. No relato, ela também contou que alguns alunos chegaram molhadas na enfermaria. Ao MP, os recrutas disseram que os oficiais jogavam água gelada nos alunos que não suportavam os exercícios.

Ontem, os oficiais que participaram da sessão de treinamento compareceram na 33ª DP para prestar depoimento. O capitão Renato Martins Leal da Silva e os tenentes Sérgio Batista Viana Filho, Jean Carlos Silveira de Souza, Gerson Ribeiro Castelo Branco e Paulo Honésimo Cardoso da Silva já foram afastados do Cfap.

Fonte: Casos de polícia

Comento: Sabemos como funcionam os IPMs sob tutela da PMERJ, testemunhas induzidas, medo de represálias e Parecer nem sempre em conformidade com os Autos. E não adianta me ameaçar com punição que posso provar o que digo.

O Inquérito Policial é bem vindo, que siga paralelamente ao IPM, assim o resultado "pode" ser justo para oferecimento da Denuncia/Pronuncia. Ficando só em IPM,podem as vitimas e testemunhas serem ainda "punidas", o IP é uma garantia para os policiais militares que se dispõem a depor em conformidade com a verdade.


Ou este que "está" comandante quer que a chefe de Polícia Civil prevarique em suas funções? Ela me parece "SER CHEFE" e não "estar chefe". 

O Ministério Público Militar do RJ e O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro sabem da gravidade sobre o que ocorreu e, saberão certamente decidir sobre os pontos constantes nos Inquéritos. Ponto para a chefe de Polícia Civil, ZERO novamente para o comandante PMERJ.

BOMBA! José Dirceu e Eduardo Paes usam o mesmo laranja no Panamá.

Por Carlos Parrini ...

E os podres começam a aparecer. É só descobrir o fio da meada e tudo começa a desenrolar com facilidade. A Globo já descobriu que o próprio Hotel onde José Dirceu ia trabalhar por R$ 20 mil, é dele próprio. Só está no nome de um pobretão do Panamá, um dos Paraísos Fiscais de Brasileiros Corruptos e Ladrões.

Seguindo o mesmo fio, descobriu-se que a Familia do Prefeito Eduardo Paes, também tem empresas presididas pelo mesmo pobretão de José Dirceu. Coincidência? Coincidência ou não, existe ilegalidade em ambos ou mais casos. Resta saber se a GLOBO vai parar por aí mesmo ou vai a fundo.
Já sabemos que vai parar porque atingiu seu benfeitor ou benfeitores. Eduardo Paes lembra Copa, lembra Cabral, lembra Delta, lembra CBF, lembra Orlando Silva, lembra Olimpíadas, lembra FIFA, lembra Ricardo Teixeira, lembra COB. Enfim, por essa Jose Dirceu, Ops, Eduardo Paes, Ops, a GLOBO não esperavam.
Acho bom parar por aí pois, se continuar, alguém vai perder muito dinheiro e mais alguém será preso.

Vejam o Babado:

Entenda melhor esta escabrosa história de Zé Dirceu, as ramificações do PT e o Hotel St. Peter.

Ao oferecer emprego de R$ 20 mil mensais para Zé Dirceu, o dono oculto do Hotel St. Peter, José Abreu, revelou-se dono do PTN, Partido da base de Dilma, dono de ampla rede de rádios, e candidato à mão da antiga TV Excelsior. Ele mantém tudo em nome de laranjas e com holding registrada no Panamá. Agora, o "dono" de mentirinha da sua holding, revela-se também dono de empresas da família do prefeito do Rio. A história continua. O PT não aprende.

Está cada dia mais escabrosa a história iniciada com a decisão do mensaleiro José Dirceu trabalhar no Hotel St. Peter, Brasília, em troca de R$ 20 mil mensais.

O "dono" do Hotel St. Peter, José Eugenio Ritter, um panamenho pobre, funcionário do escritório de advocacia Morgan y Morgan, surge agora como "dono", também, de duas empresas pertencentes aos pais e irmã do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes:
- Conval Corporation e Vittenau Corporation, criadas em 12 de junho e 19 de junho de 2008, ano em que Paes se elegeu pela primeira vez, pertencente a Valmar Souza Paes, pai do prefeito, Consuelo da Costa Paes, a mãe, e Letícia da Costa Paes, a irmã. Cada uma possui capital social de US$ 4 milhões, ou seja, US$ 8 milhões que equivaleriam a cerca de R$ 20 milhões no câmbio atual.

. O caso do Hotel St. Peter já começou a ser investigado por líderes da oposição, como o senador Álvaro Dias, depois de denúncias feitas esta semana pelo Jornal nacional, que mandou uma equipe para Cidade do Panamá, onde entrevistou o "dono" do empreendimento, José Eugênio Ritter, surpreendido numa casa modesta nos arredores da Capital, lavando seu carro velho.  O Jornal Nacional descobriu que o verdadeiro dono do Hotel St. Peter é um conhecido político, aliado do governo da presidente Dilma Rousseff e do PT:

 Paulo Masci de Abreu, irmão de José Masci de Abreu, presidente do PTN, partido que em 2010 apoiou a eleição da presidente Dilma. Paulo Abreu, dono da Rede Mundial de Comunicação, que controla as emissoras de rádio Tupi FM, Tupi AM, Mundial, Kiss FM, Scalla FM, Apollo FM, Iguatemi Prime FM, Terra AM, Terra FM e BR FM, entre outras. Ele também comprou do grupo Abril as operações da TVA em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba – três das principais praças comerciais do Brasil. Além disto, José Abreu quer o retorno da TV Excelsior, fechada em 1970, e já recebeu aval da cúpula do Ministério das Comunicações, dependendo agora de um decreto de anistia que precisa ser assinado pela presidente Dilma Rousseff. O decreto já está na escrivaninha da petista. Para isso o empresário Paulo Abreu, que é próximo do deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP), conta com a simpatia de petistas cinco estrelas, como Sigmaringa Seixas e os ministros José Eduardo Martins Cardozo (Justiça) e Paulo Bernardo da Silva (Comunicações). Esta cadeia de interesses de Paulo Abreu parece ter despertado a ira da Rede Globo, que quer fustigar um possível concorrente, temendo até mesmo o advento de um "laranja" do PT que mais tarde possa transformar a rede dos Marinho numa espécie de Globovision.
Entenda


Dirceu é dono do hotel ST Peter, José Dirceu tem laranja no Panamá, Eduardo Paes tem laranja no Panamá, Empresa família Eduardo Paes tem empresa Panamá.


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

O que demorou 17, foi resolvido por aval de um prefeito do PT, a escolha do Gripen NG. Reportagem de agosto/2013

MARINHO TORCE PARA DILMA ESCOLHER CAÇA SUECO GRIPEN
Marinho, que foi à Suécia visitar a empresa fabricante do Gripen em 2010, disse que a escolha pela Saab garante investimento e transferência da tecnologia dos caças para São Bernardo Foto: Divulgação


Modelo defendido pelo prefeito de São Bernardo é o que permite maior transferência de tecnologia.

Pela primeira vez, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), falou abertamente que a decisão da presidente Dilma Rousseff (PT) na escolha do modelo e fabricante dos 36 caças para a FAB (Força Aérea Brasileira) influenciarão na cidade. O petista entende que a escolha do Gripen NG, da fabricante sueca Saab, é importante para consolidar o polo tecnológico no município.

Marinho, que foi à Suécia visitar a empresa fabricante do Gripen em 2010, disse que a escolha pela Saab garante investimento e transferência da tecnologia dos caças para São Bernardo. Ou seja, as peças para manutenção das 36 aeronaves seriam feitas no polo tecnológico. “A empresa sueca é a melhor proposta também pela garantia de transferência de tecnologia. Se o Gripen for escolhido, facilita mais nosso parque aeronáutico. Se forem os norte-americanos, vamos ver o que dá para salvar. Se forem os franceses, a mesma coisa. Mas será mais difícil. Por isso a minha torcida pelo Gripen, porque cria maior possibilidade do parque aqui”, explicitou o prefeito.

Dilma deve anunciar até o final do ano, quando expira a vida útil dos 12 caças Mirage 2.000 utilizados hoje, qual modelo a FAB irá adquirir para renovar a frota nacional, que deverá ter 36 aeronaves, com investimento previsto em US$ 4 bilhões. Três empresas disputam a concorrência: Saab; a norte-americana Boeing (fabricante do F-18) e a francesa Dassault (modelo Rafale). Em 2011, Marinho foi à França, conhecer o caça Rafale. 

A decisão sobre os novos caças está atrasada 17 anos. No governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) houve uma preferência pelo modelo francês. Lula chegou até a esboçar a definição, mas a licitação ficou indefinida. Americanos e franceses fazem pouca transferência de tecnologia. Ou seja, o governo federal ficaria refém para manutenção dos caças.

Marinho entrou na dis
cussão em 2010, quando a empresa sueca convidou o prefeito para conhecer suas instalações e o interesse de desenvolver um polo aeronáutico em São Bernardo. Na época, a Saab chegou a garantir que com a transferência da tecnologia para a Região geraria cerca de 1,2 mil postos de trabalho e que o investimento inicial seria de R$ 336,4 milhões. 

Fonte: ABC

Suécia "vence" concorrência para compra de caças para a FAB

Governo anuncia que Suécia vence concorrência para compra de caças para a FAB

                                              Vitória do Gripen NG no F-X2 da FAB

Ministro da Defesa afirmou que escolha levou em conta o equilíbrio de três fatores: performance, transferência de tecnologia e custo de aquisição e manutenção

O ministro da Defesa, Celso Amorim, anunciou nesta quarta-feira (18) que o governo escolheu o caça de fabricação sueca Gripen NG, da Saab, para trocar a frota de 36 aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB). O processo de escolha, que tinha a França e os Estados Unidos no páreo, se arrastava desde o final do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O programa, conhecido como F-X2, foi iniciado em maio de 2008 e tem o objetivo de adquirir inicialmente 36 novos caças para a FAB, que substituirão a atual frota, que está obsoleta.
Amorim disse que a escolha levou em conta o equilíbrio de três fatores: "performance, transferência de tecnologia e custo, não só de aquisição mas de manutenção".
Na Força Aérea, o Gripen sempre foi considerado favorito porque, apesar de ter muitos componentes dos EUA, é um projeto a ser desenvolvido em parceria conjunta com o Brasil.
Mais cedo, a presidente Dilma Rousseff avisou que Amorim faria o anúncio sobre a aquisição. "Instrui o ministro da Defesa, Celso Amorim, a anunciar hoje a decisão quanto à compra do F-X, e quanto à parceria que nós iremos fazer para o F-X2", disse Dilma em discurso durante confraternização de fim de ano com as Forças Armadas.
A fabricante norte-americana Boeing perdeu terreno na disputa devido às recentes denúncias de espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA a empresas e cidadãos brasileiros e até mesmo às comunicações pessoais de Dilma. Durante seu discurso no almoço com os chefes militares hoje, Dilma disse que acontecimentos recentes mostraram que as riquezas brasileiras podem suscitar comportamentos intrusivos à soberania nacional, numa aparente menção velada ao episódio de espionagem dos EUA.
Desde o início do F-X2, em maio de 2008, as autoridades brasileiras têm insistido que a transferência de tecnologia seria um dos principais fatores a serem considerados na escolha. Ao anunciar em seu discurso que a decisão seria divulgada nesta quarta, Dilma acrescentou que também seriam divulgadas "parcerias" a serem feitas no programa F-X2.
A compra dos caças envolve a transferência de tecnologia para o Brasil, condição prevista na Estratégia Nacional de Defesa. A escolha do país que irá vender as aeronaves e transferir tecnologia ao Brasil foi fruto de polêmica no último ano do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teria manifestado preferência por caças de uma empresa francesa. Na época, companhias de outros países entraram na briga pelo negócio e a transação nunca foi efetivada.
Com Reuters, Agência Estado