quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Oportunidades de mercado e planejamento em SST


INDICADORES DE MERCADO EM SST
Em um Estudo publicado na Internet sobre as categorias de trabalho onde ocorrem um maior número de acidentes atingindo cabeça, olhos e face, observou-se que são aquelas relacionadas a indústria de manufatura, construção, e comércio; instalação, manutenção e reparo, construção e extração, além da área de serviços.
Um detalhe importante do Estudo foi a constatação de que são essas as categorias econômicas que experimentam maior dinamismo e que tem relação direta com o aumento do nível de emprego, inclusive para profissionais em SST. Ou seja, quando maior a empregabilidade, maior a probabilidade de acidentes e assim maior a probabilidade de os profissionais de segurança arrumarem emprego e os de consultoria conseguirem contratos.
OPORTUNIDADES
Constata-se que o aumento do nível de emprego constitui um momento importante para que as empresas valorizem o planejamento estratégico e consequentemente comecem a pensar em segurança e saúde dos trabalhadores mostrando-se mais receptivas para contratar profissionais em SST. Assim, é nesse contexto que os profissionais devem mostrar às empresas que elas precisam estar familiarizadas com os modos em que se pode proteger trabalhadores de lesões por acidentes, especialmente atingindo cabeça, face e olhos bem como sobre a conformidade legal, evitando auditorias fiscais com autos de infração. Conseguir emprego e contrato não é só distribuir currículo, mas sobretudo demonstrar conhecimento da atividade da empresa e de como ela pode melhorar a sua segurança, quando ainda não tem profissionais em atividade.
Uma fonte acessível consiste nas estatísticas produzidas pelo IBGE, verificando-se as categorias econômicas que estão experimentando incremento e nas quais está ocorrendo um maior nível de empregabilidade, além, é claro, de ampliar-se os conhecimento da legislação correlata, com o objetivo de um posicionamento mais adequado no mercado de trabalho.
Um bom profissional ou consultor deve ter em mãos um planejamento antecipado para a execução de projetos em segurança e saúde dos trabalhadores dessas categorias econômicas principalmente relacionados à proteção de cabeça, olhos e face.


GESTÃO EM SST: CONHECIMENTO TÉCNICO E NORMATIVO
Fazer Gestão em SST, dentro do SESMT, significa o domínio do conhecimento técnico específico (Medicina do Trabalho, Eng de Segurança, Técnico de Segurança, Enfermagem do Trabalho) bem como da conformidade legal (CNAE, NRs e ABNT). Esses conhecimentos podem ser complementados com a posse de informações estratégicas analisando-se dados estatísticos de nível de emprego e de maior desempenho de algumas categorias industriais para assim buscar uma colocação com boas perspectivas de resultado positivo.

ESTATÍSTICAS E SEGURANÇA EM EPIs
Em relação aos EPIs para a prevenção de lesões relacionadas ao trabalho, não resta dúvida quanto aos locais mais atingidos: olhos, face e cabeça, em cerca de 69%, requerendo maior atenção do SESMT no que se refere aos equipamentos de proteção. Lesões nos olhos ocasionados por acidentes de trabalho ocorreram em 37% de todas as lesões na cabeça, resultando em dias de afastamento do trabalho. Encontrou-se tambem que 62% de todas as lesões de face relacionava-se a homens entre 25 a 44 anos de idade, ou seja é uma faixa etária onde há o maior contingente de trabalhadores principalmente nessas atividades como indústria da construção, soldadores, cortadores, bombeiros e os da indústria química. Ao lado dos riscos específicos, os trabalhadores da indústria química estão expostos a aerodispersóides, incluindo poeira O mesmo Estudo aponta que mais de 90% das lesões nos olhos podem ser prevenidas se óculos de segurança apropriados forem utilizados. Conhecendo os riscos envolvidos e as estruturas anatômicas vulneráveis do trabalhador a esses riscos, não fica difícil desenvolver um bom projeto para prevenção e controle de riscos.
CONFORMIDADE LEGAL De acordo com essas informações, é necessário que o profissional do SESMT saiba em primeiro lugar identificar o CNAE ou CNAEs da empresa além de um bom conhecimento da NR-6 no que diz respeito à proteção da cabeça, olhos e face. O próximo passo é o dimensionamento da CIPA e do SESMT. O software NRFACIL realiza essa tarefa de forma automática. Solicite uma demonstração via download. E quanto ao EPI sabemos que diferentes riscos podem exigir diferentes dispositivos de segurança. Embora outras NRs estejam necessariamente envolvidas no processo de Gestão, destacaremos abaixo alguns itens da NR-6, especificamente sobre EPIs.
Ao abrir a pasta da NR-6 do site NRFACIL, procura-se no Remissivo o assunto desejado. No primeiro quadro, veja o tipo de epi e para que proteção ele está dimensionado (imagens capturadas do site, veja com mais detalhes e resolução em www.nrfacil.com.br.)  No quadro abaixo, os EPI para proteção da cabeça:
EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA
MARCAÇÃO
Outro requisito muitas vezes passado despercebido é a marcação do EPI sobre a data de fabricação e a necessidade de se comprovar por meio de laudos técnicos os requisitos de resistência mecânica apropriados às condições de uso. Veja abaixo ao se clicar no item do Remissivo relacionado ao Anexo I:
EPI E CAMPO VISUAL
E, finalmente, o quadro abaixo mostra no mesmo Anexo I o item 2.2 com a necessidade de que o EPI em nenhum momento possa restringir o campo visual  e a prevenção de embaçamento.
Finalmente, não resta dúvida de que teremos de lançar mão da consulta de outras NRs relacionadas a um sistema de gestão adequado para empresas mencionadas. A NR-6 representa apenas um bom começo para essa tarefa.
Boa Leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário