sexta-feira, 14 de março de 2014

Policial morto é ótimo para campanha eleitoral



Sim, estou na Reserva Remunerada. Mas acompanhei as ultima três décadas a política neste Estado, diferente da maioria de vocês que estão na ativa. Posso relatar minhas observações ao longo desses trinta anos e, garanto que é uma visão bem diferente da que tem hoje.
Nos anos 80 e 90, eram constantes os assaltos a carro forte, era a disputa por governos no âmbito federal e estadual, precisavam de muito dinheiro para fazer frente aos atuais partidos detentores destes mandatos, já que estes dispunham da máquina administrativa. Nesta época, eu trabalhava nas ruas, inclusive em comunidades.


Não havia ataques a nossa sede, já que qualquer ação de meliantes contra nós era sumariamente retaliada, seguíamos os seguintes ditados: “Pra mamãe chorar, que chore a deles” e “pau que dá em Maria também dá em João”, seguíamos sem baixas.
Manifestações contra a PMERJ ocorriam, mas, sem ataques físicos, coisa facilmente administrável. Mas uma coisa tinha em comum com as de hoje, partiam de iniciativas políticas junto a associações de moradores que “recrutavam” pessoas dispostas a isso.

As baixas na PM se davam nas folgas, onde policiais eram surpreendidos em assaltos e sumariamente abatidos, mas, não havia a caça, só se estivessem no cenário do crime e fossem reconhecidos.
Então, agora estamos nos dias de hoje, todos os partidos de esquerda fazem parte do cenário político, fazem uso da máquina pública para suas propagandas, tendo os assaltos a carro forte sofrido sensível redução.

Hoje o dinheiro para campanhas não é tão importante, já que os caixas dois funcionam perfeitamente para essa finalidade. É só observar as denuncias constantes de propinas envolvendo políticos e seus partidos. Mas resta vencer a popularidade dos atuais governantes, neste cenário, passemos ao governo do Estado do Rio de Janeiro.
Sergio Cabral Filho (PMDB) foi reeleito com mais de 60% dos votos validos e ainda detém certa aprovação dos eleitores do Estado. Sabemos que seu governo foi/está envolvido em várias denuncias ilícitas, mas o projeto UPP, versão ampliada dos já existentes GPAE, é aprovado por muitos, já que, a priori, acabou com a ostensividade de armas, não com a venda de drogas.

Portanto UPP ainda é um projeto que divulga positivamente o governo do Estado do Rio de Janeiro e, com a proximidade das eleições, é o alvo escolhido pelos que se propõe a obter este governo, não importando o que tenham de fazer para desacreditar o projeto, inclusive as mortes de policiais. É triste percebermos os PMs preocupados com suas particularidades, enquanto foram escolhidos como propaganda da fragilidade das UPPs, claro, com a seqüência de mortes de policiais. Assim, a população que não se sente protegida, fica ainda mais fragilizada vendo os policiais vitimas diárias desse “negócio” dantesco que é a política. “O fim justifica os meios”, lembra disso? Significa que os governantes e outros poderes devem estar acima da ética e moral dominante para alcançar seus objetivos ou realizar seus planos.
 
Nas instalações de UPPs viu-se a fuga em massa de meliantes com suas armas, o anuncio prévio impediu confrontos, mas permitiu deslocamentos para outros bairros e cidades do Estado. Agora, mobilizados por alguma promessa, voltam na surdina e, em emboscadas, matam policiais na covardia. Sabemos qua a maioria dos PMs moram em comunidades para onde bandidos migraram, e estão/serão abatidos tão logo sejam reconhecidos na folga, como já vem ocorrendo.

Link: Bandidos fogem em massa

Em ação planejada com essa finalidade, o tenente Leidson Acácio Alves foi atingido na testa, mostrando que foi disparo preciso e direcionado. Segundo O GLOBO, ainda era um aspirante a oficial, recém saído da Escola.
 
Link: O GLOBO
Policiais, pensem! Vocês são os escolhidos nesta disputa eleitoral. Quantos mais morrerem, mais chances. As fontes de inteligência já divulgaram seus informes:



CHEGOU AO CONHECIMENTO DESTA AGÊNCIA DE INTELIGÊNCIA QUE OS TRAFICANTES: MARRETA, PINÁ, FÚ E CLAUDINHO DA MINEIRA, RECEBERAM ORDENS VINDAS DOS PRESÍDIOS DO RIO E FEDERAIS PARA FAZEREM UMA ONDA DE ATAQUE EM TODO RIO DE JANEIRO. ESSAS ORDENS SERIAM PARA QUEIMAR ÔNIBUS, ATACAR DELEGACIAS, CABINAS DA PM, ESTAÇÕES ELÉTRICAS, UPP's, POLICIAIS DE FOLGA, POSTOS DE GASOLINA, TELEFÉRICO E PONTOS TURÍSTICOS. ESSAS INFORMAÇÕES CHEGARAM AO NOSSO CONHECIMENTO ÀS 14 HORAS E 30 MINUTOS DE 12 DE MARÇO DE 2014, POR UM COLABORADOR MORADOR DO COMPLEXO DA PENHA. ESSES ATAQUES NÃO SE RESTRINGEM SOMENTE AS UPP's, MAS É PARA SEREM EXECUTADAS EM TODO RIO DE JANEIRO.
 
É HORA DO BASTA! Intervenção JÁ! Bandidos fora da política. Dia 22 as 15 horas, na Candelária. PMs juntos na Marcha da Família.

 

Um comentário:

  1. Marcha da família, marcha da moralidade e do fim da bandalheira institucionalizada.

    ResponderExcluir