domingo, 4 de maio de 2014

RELATÓRIO RESERVADO: Mais grave do que o Mensalão

DIVULGUEM AO MÁXIMO, URGENTE!!!
leia o texto abaixo.
 
 
 
O Super Joaquim Barbosa tem tudo para causar ao PT um estrago muito maior que a permanente herança maldita da condenação dos mensaleiros (exceto Lula da Silva, que foi poupado milagrosamente)


Basta que hoje o Supremo Tribunal Federal acate um mandado de segurança proposto ontem pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR)exigindo que sejam divulgados todos os detalhes dos empréstimos secretos do BNDES a Cuba, Angola e outros países.
Se for escancarada a caixa preta dos empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Socialista aos cubanos e africanos, que usa grandes empreiteiras transnacionais brasileiras como intermediárias, pode ser revelada uma das maiores fontes de desvio de dinheiro público muito maior e mais escandalosa que o Mensalão da Ação Penal 470.
 
 
 
 
 
 
 
 

Pior ainda, nos negócios, deve aparecer o dedo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que intermediou as benesses ao regime de Cuba, da Venezuela e de vários países da África, principalmente Angola e Moçambique. A Odebrecht é a empresa que aparece em quase todos esses empreendimentos.
 
 

O pedido do senador tucanoé uma ação direta contra a Presidenta Dilma Rousseff, o ministro Mauro Borges (Desenvolvimento, Indústria e Comércio) e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. Alvaro Dias fez seu pedido ao STF com base na Lei nº 12.527, de 2011, (Lei de Acesso à Informação que, conforme preceitua seu art. 1º, tem a finalidade de garantir o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal.

Por tal lógica, Barbosa só não aceita o pedido se não quiser. Ele e o senador tiveram uma reunião fechada ontem.

O senador tucano prega que o segredo sobre tais empréstimos representa um ato atentatório à moralidade e transparência pública: É uma afronta à Constituição, que exige transparências nos atos públicos. O governo brasileiro está escondendo da nação essas informações. Isso compromete, inclusive, o meu papel de senador da oposição, a quem cumpre fiscalizar o poder público. Barbosa vai passar o caso hoje a um relator. Dependendo de quem for sorteado, o governo pode ou não ser poupado.

Alvaro Dias pediu ao STF que faça valer o direito do acesso parlamentar às informações do governo. Por isso, solicitou o pleno acesso aos documentos e informações. Caso o pedido anterior não seja deferido, o senador ainda requereu a concessão de ordem para que os impetrados (Dilma, Mauro Borges e Luciano Coutinho) forneçam as informações requeridas, com base no direito avençado, ainda que sob a proteção do sigilo legal.

Em resumo, o senador armou uma cama de gato para a petralhada.

Como de costume, o maçom Alvaro Dias detonou o governo ontem, no plenário do Senado:Não se pode admitir que o governo faça empréstimos vultosos sem que aqueles que pagam impostos saibam de informações como o valor dos empréstimos, o prazo de carência para o seu resgate, taxas de juros. Não vejo outro assunto que revolte tanto a população como saber que o governo empresta dinheiro dos brasileiros para a construção de um porto em Cuba, para o metrô de Caracas, para a construção de uma hidrelétrica na Venezuela, entre outras tantas obras em países controlados por ditadores".

Na petição ao STF, Alvaro Dias é bem objetivo nos argumentos contra o governo: Está clara a obscuridade que o Poder Executivo, representado na figura de sua Presidente, lança sobre os princípios constitucionais da Administração Pública.

O senador também frisa que o artigo 49 da Constituição Federal deixa bem claro queé da competência exclusiva do Congresso Nacional: I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;. O parlamentar ressalta que não se tem notícia da chancela congressista com relação a tais acordos internacionais secretos.

Nesta ação ao STF, Dias é representado pelo advogado Ricardo Fernandes da Silva Barbosa (OAB-DF 20.301). O documento de Alvaro Dias ao STF pode ser acessado integralmente no link:http://migre.me/i1WPy

Se o STF, por conveniência política, não acatar os cristalinos argumentos constitucionais do senador Alvaro Dias, é melhor fechar o Judiciário e entregar a chave, definitivamente, aos petralhas, para que completem a corrupta revolução capimunista no Brazil (por eles já entregue ao Governo Indireto da Oligarquia Financeira Transnacional.

Truque das Doações

Lobistas de Brasília já descobriram como funciona a mágica das doações obtidas pelos condenados no mensalão para pagar suas multas milionárias com a Justiça.

Os mensaleiros estão depositando, a conta gotas, o próprio dinheiro deles, ou de empresas para as quais prestam serviços, em uma evidente operação de lavagem de dinheirocomo suspeitou o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, que pediu uma investigação detalhada ao Ministério Público Federal.

Todos os réus têm dinheiro para pagar as multas, mas, para a opinião pública e publicada,preferem posar de coitadinhos, vítimas do Judiciário, para também obter a solidariedade política de militantes fanáticos que também fazem espontâneas doações.

 

 


 

3 comentários:

  1. Só nos resta é pedir para o Ministro Joaquim Barbosa aceitar o pedido. Só não aceitará, se não quiser. Ele e o senador tiveram uma reunião fechada ontem. "Ministro Barbosa, não nos decepcione, comece a meter bronca" Contamos com o senhor que não afrouxou com a quadrilha. Precisamos de mais machos assim como o senhor tem se mostrado.

    ResponderExcluir
  2. Este senador deu cobertura para as sujeiras do Fernando Henrique e agora vem pregar moral. O PSDB também é corrupto, assim como o PT, PP, PMDB, PTB e outros menores. O país está podre. Apodreceram o Brasil. Os bem intencionados ainda são desunidos. Assim fica mais difícil combater a politicalha. A mídia alternativa deveria ser mais unida.

    ResponderExcluir
  3. Com todo o respeito ao Sr. Joaquim mas, não acredito que tenha "peito" para tal.

    ResponderExcluir