sábado, 21 de junho de 2014

"Ilusão de ótica"


Dora Kramer

Não parou em pé uma semana a justificativa de que os insultos dirigidos à presidente Dilma Rousseff na abertura da Copa foram obra de ação orquestrada pela “elite branca” presente ao estádio.

E quem a derrubou foi o mesmo Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, que em janeiro último pôs abaixo a versão oficial sobre os protestos de junho de 2013. Segundo o governo e o PT, a ebulição era produto do êxito das administrações petistas que tornaram as pessoas mais exigentes e o “Brasil mais forte”, na expressão da presidente.

Na ocasião, Carvalho falava no Fórum Social, em Porto Alegre, e desabafou com franqueza sobre as manifestações: “Ficamos perplexos, fizemos tanto por essa gente e agora eles se levantam contra nós”. Ele se dirigia a uma plateia amiga, como anteontem, quando disse a um grupo de blogueiros e militantes governistas que no Itaquerão “não tinha só elite branca”.

Nesse movimento de duas avaliações diversas para um mesmo fato, o ministro relatou que viu “muito moleque” nas imediações do estádio falando palavrão. Pôde constatar, portanto, que a “coisa desceu”.

Por “coisa” ele entende o seguinte: “A história de que não combatemos a corrupção, que aparelhamos o Estado, que somos um bando de aventureiros que veio aqui para se locupletar”.
Não é exatamente uma “história”, mas sim o que se ouve em toda parte, de todo tipo de gente que nos últimos 12 anos viu o PT contrariar antigas bandeiras, proteger corruptos, abafar escândalos, se aliar ao que de pior existe na política, zombar da ética, ter sua antiga cúpula condenada à prisão, tratar a Petrobrás com desmazelo, ser tolerante com a inflação, irresponsável com o gasto público e governar pela lógica eleitoral.

Nessa mesma reunião, o ministro defendeu a tese pra lá de controversa segundo a qual o governo perdeu a batalha da comunicação para a “mídia conservadora” porque não soube “fazer o debate” da maneira correta. Como não houve uma defesa competente, pelo raciocínio de Gilberto Carvalho abriu-se o espaço para a alteração da correlação de forças políticas que resulta agora na “eleição mais dura para o PT”.

Ora, o que o PT teve mais nesses anos todos foi espaço nos meios de comunicação tanto para defesa quanto para ataque. Nos dois governos de Lula, o Presidente discursava todos os dias. Quando o partido e o governo acharam desnecessário explicar suas propostas, ou apresenta-las à sociedade de qualquer maneira na base da pura enganação, como fez com os “pactos” de junho de 2013, foi em decorrência da soberba sustentada na certeza da popularidade inesgotável.

Esse mesmo governo que agora atribui suas dificuldades eleitorais à influencia da “pancadaria” dos meios de comunicação quando estava com altos índices de aprovação jactava-se de “derrotar” sistematicamente a imprensa num combate que só existia na cabeça do partido e do Planalto.

As agruras, a mudança na correlação de forças referidas por Gilberto Carvalho tem origem nos fatos. O acúmulo de desmandos formou um passivo em que a realidade venceu o marketing. Simples assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário