segunda-feira, 9 de junho de 2014

Cartas na mesa, façam seu jogo.

                        V. Exª inclusive mora na Vieira Souto e está de bem com a vida e com o PT

Até que enfim um deputado petista resolveu abrir o jogo sobre o Decreto 8.243/2014 do PT, que determina a implantação da Política Nacional de Participação Social (PNPS) e do Sistema Nacional de Participação Social (SNPS) e cria “conselhos populares” com integrantes de movimentos sociais para opinar sobre os rumos de órgãos e entidades do governo federal. Vejam o que ele declarou em defesa do decreto presidencial:

“Se os partidos de direita não têm inserção social, não tem base social, lamento, mas isso não podemos resolver”. Deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Entenderam? Como venho afirmando, o decreto é parte da estratégia de conquista de hegemonia sobre a sociedade. Os partidos que se organizem para intervir nos "movimentos sociais" (ou no que eles chamam de sociedade civil, dando uma definição segundo a qual cabe até o PCC). E aí é guerra. Cada qual que cuide de arrebanhar mais aderentes para fazer prevalecer seus interesses privados (e privatizantes) junto ao Estado, usando para tanto os mecanismos inaugurados pelo decreto.

P.S.: Pessoal, o centro da questão é a frase do Molon reproduzida acima. Todo o resto ou já sabíamos ou é diversivo. Concentrem-se na frase.



O senador Álvaro Dias(PSDB-PR) protocolou, na segunda-feira passada (02/06), na Mesa Diretora do Senado, Projeto de Decreto Legislativo para sustar os efeitos do Decreto Federal nº 8.243, de 23 de maio de 2014, que “institui a Política Nacional de Participação Social – PNPS e o Sistema Nacional de Participação Social – SNPS”.” Ex vi”:
“ O CONGRESSO NACIONAL decreta:
Art. 1º. Ficam sustados os efeitos do Decreto federal nº 8.243, de 23 de maio de 2014, que “institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação - SNPS, e dá outras providências”.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.”
Segundo o senador, o Decreto, editado pela presidente da República, é inconstitucional já que “não há, na Constituição federal, abertura para a ampliação do sistema de representação popular, nem para sua reinvenção, mais ainda por meio de ato unilateral advindo de um dos Poderes”.
Na verdade esse Decreto é ilegal e inexequível, mas o atual Presidente da Câmara dos deputados, Henrique Eduardo Lyra Alves (Rio de Janeiro9 de dezembro de 1948) é um advogadoempresário e político brasileiro no exercício do décimo primeiro mandato consecutivo de deputado federal pelo Rio Grande do Norte (PMDB), parece que está  engavetando o Decreto Legislativo de Álvaro Dias.
Porque será??? Que interesses escusos estão por debaixo da mesa do Presidente da Câmara??? Falta de patriotismo ou até falta de senso democrático??? Parece mesmo que há interesses pessoais de ascensão ao cargo de Governador do Rio Grande do Norte. Ele tem que cumprir a obrigação e o dever que lhe são impostos pela Constituição Federal. A sua mesa na Câmara não é casa de Mãe Joana, tampouco o quintal da sua casa. Como advogado então, ele fez juramento solene quando de sua consagração na Ciência do Direito. Ele está pecando duas vezes.

E V Excia, Deputado! Alessandro Molon!!! Dá entrevista para a VEJA e diz que é isso mesmo, que tudo deve ficar assim. Parece que V. Exª inclusive mora na Vieira Souto e está de bem com a vida e com o PT???Ora, V.Exª foi eleito para trabalhar e fazer a sua lição de casa direitinho, não para atrapalhar, quando duzentos e dois milhões de brasileiros estão ansiosos para que o Decreto Legislativo seja assinado pelo Congresso Nacional. Fique esperto Deputado: - a sua ação ou omissão sempre corresponderá uma reação, principalmente nas urnas.
Por Juçara Santis, Advogada
Toda parte em azul foi enviada via e-mail para Alessandro Molon e todos os Senadores e Deputados Federais.
As cartas estão na mesa e a mostra, só não viramos o jogo se não quisermos, já sabemos qual é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário