sábado, 12 de julho de 2014

Extra! Extra! O decreto de Dilma que estatiza o futebol brasileiro

DECRETO 7 X 1, da Presidência da República Envergonhada do Brasil

Eu, Dilma Vana Rousseff (por favor, apaguem o Vana, que detesto!), president@ da República Federativa do Brasil, decreto, no pleno uso de meus direitos e deveres determinados pela Constituição Federal, a dissolução de todos os clubes de futebol – TODOS –, e da CBF e a criação no Ministério do Futebol e demais coisas que me forem surgindo enquanto estiver ditando este decreto.

(A partir de hoje decreto também a extinção de partes, capítulos e parágrafos que, desde que Pero Vaz de Caminha descobriu o caminho do Caribe, integram nossas leis)

Da dissolução dos clubes de futebol

Ficam dissolvidos TODOS os clubes de futebol, amadores, semiamadores, profissionais e o escambau. (o idiota do meu computador engoliu o número deste item).
1.      As dívidas dos clubes serão transferidas à União.
2.      Dentro de 90 dias serão constituídas novas agremiações, cujo procedimento será regulamentado em lei.
3.       Exclui-se desde já a participação, em suas diretorias, dos atuais diretores.
4.      Nome, camisa, símbolos, técnicos e atletas de cada time serão escolhidos por plebiscito popular, a ser regulamentado em lei.
5.       Obriga-se desde já que todos os times, de todas as categorias, tenham (ou façam menção) em seus símbolos algum detalhe em vermelho e uma estrela.
6.      Para integrar a diretoria ou a equipe do time será exigido militância ou simpatia ao partido dominante. Partido político, não partido de futebol!
7.       Exige-se a participação de 30% de afrodescendentes e gays (de qualquer sexo)  em cada agremiação; a mesma proporção deverá ser observada na escalação titular e de reserva.
8.       Criar-se-á (ou criar-se-ão?) conselhos populares com a função deliberativa sobre escalação e posição dos jogadores, assim como da equipe técnica. Os conselhos nomearão antes de cada partida e após consulta popular, seus representantes – no mínimo três – em cada partida (ficou repetido, mas é para ficar claro). O conselho determinará, durante as partidas, eventuais substituições e alterações no esquema tático (previamente aprovado em assembleia popular).
9.      A seleção de árbitros será feita a cada temporada por indicação desta Presidência da República, dispensando-se consulta a outras esferas de Poder.
10.  Atletas profissionais somente poderão ser contratados por equipes estrangeiras desde que: a) joguem dez anos no Brasil; b) façam pelo menos uma temporada, sem direito a salários e outros proventos, na Argentina, Venezuela, Cuba e Equador, nossos irmãos bolivarianos; c) obedeçam ao limite máximo de três anos em clubes profissionais do exterior e d) o atleta terá direito a 10% do valor do passe, com o respectivo desconto de impostos; o restante será do governo, para aplicação em projetos sociais, entre eles o de fortalecimento da renda familiar de membros e simpatizantes do partido dominante. Os que se rebelarem contra essas determinações serão considerados traidores da Pátria de Chuteiras, pessimistas e urubus. Chuteiras de aluguel!
11.   Metade da lotação dos estádios será destinada, gratuitamente, aos beneficiários do Bolsa Família. A renda auferida seria de propriedade do governo federal.
12.   O meliante que vaiar ou xingar a president@ da República será imediatamente retirado do estádio e coagido, sem direito a apelação, a experimentar o que é tomar no...
13.   Estava me esquecendo: os estádios de futebol passam, a partir de hoje, ao patrimônio e administração da União.

Da dissolução da CFB

Está extinta. Suas atribuições passam para o Ministério do Futebol. Revoga-se qualquer xororó em contrário.
Da criação do Ministério do Futebol


1.      Cria-se o Ministério do Futebol, que terá a função, como o nome diz (seus bestas!) de cuidar do futebol.
2.       Dissolve-se o Ministério dos Esportes, transformado por meio deste ato unilateral (eu é que mando aqui, pô!) em Subsecretaria do Resto dos Esportes.      
3. Serão subordinados ao Ministério do Futebol todos os clubes de futebol, de várzea, amador, semiamador, profissional, de todas as categorias, tais como sexo, profissão e idade e demais. Sem exceção.
4.      Apesar de afirmado acima, enfatiza-se: não haverá exceção à regra anterior.
5.     O Ministério do Futebol será dividido em seções – a serem regulamentadas em lei – tais como: Seção de Futebol de Várzea, Seção de Futebol Amador, Seção disso e Seção daquilo, que não vou ficar explicando timtim por timtim, pô!
6.    Diretores e servidores de cada Seção serão selecionados a cada temporada por esta Presidência da República, a seu critério, desde que filiados ou simpatizantes do partido dominante.
7.      Excluem-se todas as disposições em contrário de qualquer um desses itens, sem exceção. Estingue-se também a a possibilidade de que essa regra possa conter exceção.
8.      A preencher.
9.     Idem
10.  Idem.
11.   Idem
12.  Idem
13.   Idem, completando-se a numeração do partido dominante.

Brasília, segundo dia após a derrota por 7 a 1 para o país daquela perua da Angela Merkel, placar que inspirou a numeração deste decreto

Dilma Vana (apaguem, por favor!) Rousseff

President@ da República e autonomeada, democraticamente, técnica da Seleção Brasileira, a ser formada segundo os critérios mencionados acima.

Revogam-se, mais uma vez democraticamente, todas as disposições em contrário.

(E repito isso para não deixar nenhuma dúvida)



Escrevi toda essa bobagem acima (agradeço e peço desculpas ao leitor que tenha tido coragem de lê-la até o fim) em homenagem ao devaneio – que revela sua índole – do governo Dilma de intervir em nosso futebol.

O anúncio foi feito hoje pelo ministro Aldo Rebelo, atual titular dos Esportes, que está na iminência de perder o cargo com a dissolução do seu ministério...
Por Wanderlan Gama

Em entrevista à rede de TV americana CNN, disse a presidente:“O Brasil não pode mais ser apenas exportador de jogadores. Exportar jogadores significa que estamos abrindo mão de nossa principal atração, que pode ajudar a lotar os estádios. Até porque, qual é a maior atração que os estádios no Brasil podem oferecer? Deixar a torcida ver os craques. Há anos, muitos jogadores brasileiros têm ido jogar fora, então renovar o futebol no Brasil depende da iniciativa de um país que é tão apaixonado por futebol”.

Piada? Não creio. O Decreto 8243 é uma afronta a democracia e vai ser votado, corremos o risco de entrar efetivamente em vigor, depende da "dePUTADA" decidir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário