quinta-feira, 17 de julho de 2014

GALERA 75

Galera 75


por Roberto Cardoso em 14 de julho de 2014
O ser humano é um computador, dotado de locomoção e emoção.  Seus tecidos epiteliais com terminações nervosas fazem contato com o meio exterior levando mensagens ao cérebro. Associando imagens, sons, aromas e sabores constrói um conhecimento, através de sinapses no cérebro, misturando e configurando informações coletadas ao seu redor.
No ano de 1975 dezenas de jovens migraram para a cidade de Barbacena-MG (SBBQ). Jovens partiram de diversas cidades brasileiras com destino a uma cidade com 1200 metros de altitude. Um ninho de águias, chamada carinhosamente de BQ. Chegaram a EPCAR (Escola Preparatória de Cadetes do Ar) com sonhos de voar.  Alguns saíram de SBBQ (QAK) e chegaram a SBYS/QPS (Pirassununga), na AFA (Academia da Força Aérea), depois voaram para SBNT/BANT (Natal/RN). Na Base Aérea de Natal (BANT), fizeram especialização em alguns tipos de aeronaves.

Muitos não seguiram o plano de voo militar estabelecido: SBBQ-SBYS-SBNT, com alternativas para SBAN-APS (Anápolis-GO) ou SBSM-RIA (Santa Maria-RS), para aviões supersônicos. Uns ficaram em bases terrestres, dando apoio à navegação aérea: SBGL-SBRJ-SBSC-SBJR-SBAF, no Rio de Janeiro RJ, e outras cidades. Outros buscaram outros azimutes apontados pela bussola sobre a rosa dos ventos. Alguns em instalações militares, e outros em instalações civis, com atividades civis ou comerciais: GIG (Galeão), SDU (Santos Dumont), GRU (Guarulhos).  BSB (Brasília), e mais.

Outros ainda preferiram buscar outros tipos de voo. Voos solos, voos sem instrumentos, e voos sem o controle de uma torre. Voos que não precisam regras de navegação, e uma infinidade de informações. Como TAF (previsão meteorológica para aeródromos) e METAR (meteorologia para aeroportos). Preferindo não voar obedecendo aos planos de voo pré-autorizados com rotas em aerovias, e níveis de navegação (FL). Com a necessidade de informar dados e posições durante o voo com o AIREP.

Mas algo envolveu todos, contido em uma frase: “Reencontrar é preciso”, um reencontro periódico em BQ, a cada cinco ou dez anos. Assim como um computador é preciso periodicamente, formatar e reinstalar programas e sistemas. Os reencontros formatam; fortalecem os laços, reestabelecem os links, o contato com a origem, faz atualizações. Não importa o destino ou a origem, mas a procedência. Cada qual tem sua origem, com destinos diversos. Mas todos tem a mesma procedência: Barbacena, na Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais. Conhecida como “Cidade das Rosas” ou “Cidade dos Loucos”.

Um piloto nunca perde o contato com o lugar que decolou para uma missão. Não importa o tipo de voo; em missão militar ou civil; missão comercial ou social. SBBQ é um ponto referencial no globo, para que aquelas águias que um dia saíram do ninho de Barbacena, tenham como um ponto referencial, um ponto de partida, o start inicial. E ali devem retornar para trocar informações entre aqueles que um dia, daquele ponto decolou com uma missão.

Muitos já foram chamados para novas missões, porque já cumpriram sua missão na Terra, enquanto outros ainda não terminaram sua missão aqui. O refrão do Hino dos Aviadores nunca será esquecido por aquele que um dia ali pousou: “Contato companheiro, ao vento sobranceiro, lancemos o roncar da hélice a girar”.
EPCAr, se prepare, estamos de volta. Uma Turma impar, amizade sem par.

Nenhum comentário:

Postar um comentário