terça-feira, 29 de julho de 2014

Uma guerra civil? Escolha em que modalidade ela vai acontecer.



O limite foi alcançado, não há como retornar. O PT dá seu ultimo e derradeiro golpe, o decreto 8.243. O Congresso não terá mais serventia, serão obsoletos diante da nova forma de legislar. , mas, mesmo assim não tomaram uma posição definitiva contra o golpe comunista.

Entender qual o real significado do Decreto exige ler pacientemente todo o seu texto, tarefa relativamente ingrata. Como todo bom decreto governamental, trata-se de um emaranhado de regras cuja formulação chega a ser medonha de tão vaga, sendo complicado interpretá-lo sistematicamente e de uma forma coerente.

Como o nome diz, trata-se de um “decreto”. “Decreto”, no mundo jurídico, é o nome que se dá a uma ordem emanada de uma autoridade – geralmente do Poder Executivo – que tem por objetivo dar detalhes a respeito do cumprimento de uma lei. Um decreto se limita a isso – detalhar uma lei já existente, ou, em latinório jurídico, ser “secundum legem”. Ao elaborá-lo, a autoridade não pode ir contra uma lei (“contra legem”) ou criar uma lei nova (“præter legem”). Se isso ocorrer, o Poder Executivo estará legislando por conta própria, o que é o exato conceito de “ditadura”. Ou seja: um decreto emitido em contrariedade a uma lei já existente deve ser considerado um ato ditatorial.

Seu art. 1º esclarece tratar-se de uma nova política pública, “a Política Nacional de Participação Social”, que possui “o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil”. Ou seja: tratar-se-ia apenas de uma singela tentativa de aproximar a “administração pública federal” – leia-se, o estado – da “sociedade civil”.
O problema começa exatamente nesse ponto, ou seja, na expressão “sociedade civil”.
Muita atenção a esse ponto, que é de extrema importância. O Decreto tem um conceito preciso daquilo que é considerado como “sociedade civil”. Dela fazem parte não só o “cidadão” – eu e você, como pessoas físicas – mas também “coletivos, movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Ou seja: todos aqueles que promovem manifestações, quebra-quebras, passeatas, protestos, e saem por aí reivindicando terra, “direitos” trabalhistas, passe livre, saúde e educação – MST, MTST, MPL, CUT, UNE, sindicatos… Pior: há uma brecha que permite a participação de movimentos “não institucionalizados” – conceito que, na prática, pode abranger absolutamente qualquer coisa.
Em resumo: “sociedade civil”, para o Decreto, significa “movimentos sociais”. Aqueles mesmos que, como todos sabemos, são controlados pelos partidos de esquerda – em especial, pelo próprio PT. Não se enganem: a intenção do Decreto 8.243 é justamente abrir espaço para a participação política de tais movimentos e “coletivos”.

Pois bem, com estes “mecanismos” em ação os desideratos da esquerda são definitivamente alcançados, cada segmento “social”, logico,  se manifestarão que mais lhe provier.
Perda da propriedade privada será um deles, com MST e MTST invadindo terras e casas. As fontes produtoras não estarão seguras, serão envolvidas nos debates destes segmentos “sociais” ocasionando a queda de produção e, consequentemente o desemprego.
Lógico que os produtores irão buscar mecanismos para sua defesa. E os mecanismos não serão alcançados na esfera judicial, será no uso de armas. Assim como o proprietário que na iminência deperder seu bem, o abrigo de sua família, certamente vai reagir com emprego de força.
Mas de que vai adiantar? De nada! Milícias de ambos os lados serão formadas para se digladiarem. Um em defesa da propriedade, outro na ganância em se apoderar dela. Estará declara uma “guerra civil” sem limites, com requintes nunca antes vistos.
Fomos lenientes demais, tanto que se viram soltos para alçar este perigoso voo com o decreto 8.243. De outro modo, uma Intervenção poderia ser a salvação da Nação. Nem tanto, não largariam o osso tão facilmente. Já vimos a quantidade de doações a países estranhos, com regimes ditatoriais; claro que com alguma finalidade, ninguém faz nada de graça. Um exército de haitianos entra tranquilamente no Brasil sem nenhuma avaliação de suas possibilidades em nosso território. Sem nenhuma vocação profissional, só bélica. Para matar brasileiros nada melhor que estrangeiros, não haverá REMORSO.
Convido a se manifestar contra esta ameaça, Link: Manifestação contra o decreto 8.243

Várias etapas deste processo foram omitidas aqui, dentre eles o desarmamento. Pensem nisso.
Portanto podemos escolher. Morrer aos milhares numa guerra sem limites de ação ou uma baixa aceitável com um contra golpe cirúrgico na quadrilha que nos lesa e leva ao comunismo.


4 comentários:

  1. Texto que deveria ser lido por todos os militares ainda decentes.
    e por toda asociedade brasileira.
    Se o Congresso não barrar esta aberração eles mesmo vão ser ps primeiros a serem as vitimas da ditadura comunista que lula e dilma estão construindo.

    ResponderExcluir
  2. isso tudo é mentira! Terrorismo eleitoral...cães ladram mas a caravana petista passa. O povo irá reeleger Dilma e seremos uma nação próspera e sem desigualdade social. Os funcionários públicos estão incomodados em ver os pobres comprando nas mesma loja, comendo no mesmo fast food e viajando no mesmo avião. O PT trouxe prosperidade ao Brasil e quem sonha em ver golpes comunista ou o caos vai permanecer dormindo em seus próprios devaneios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pobres comprando? Ué? O PT acabou com os pobres, agora são "craçe" media. O covil do PT é um ufanismo só.

      Excluir