sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

A SAÚDE DO BOMBEIRO EM PRIMEIRO LUGAR

Chegou ao nosso conhecimento um fato que ocorreu com um bombeiro militar no início deste mês, quando após um acidente de trabalho, procurou atendimento no HCAP, sendo medicado sem realizar nenhum exame, apenas com aquela avaliação visual, recebeu despensa em OBM e até mais vê.
Dezembro, Janeiro, Fevereiro, são meses em que os médicos do hospital dos Bombeiros são coagidos a não darem, em hipótese nenhuma, licença aos militares. 
Existe uma concepção de que nesta época todos os que procuram o hospital estão de armação em busca de folga, e muito provavelmente, seguindo este padrão, foi que o 1º SGT Robson, do 3º Gmar - Copacabana fora atendido.
Dois dias depois do acidente, em que o cilindro de ar comprimido caiu e bateu em sua canela, causando uma lesão, nada que despertasse grandes preocupações aparentemente, procurou o hospital, em dia de folga, para maiores avaliações, uma vez que a perna inchou muito.
 Resultado: aquela olhada de longe sem nenhum exame. Não se preocupa não, que não é nada. Toma isso aqui que vai ficar bom e pega sua despensa em OBM.
 O quadro era esse:
Dez dias de uso do medicamento prescrito e nada, além não melhorar o cenário ficou pior, quando por ter plano de saúde particular, procurou uma clínica no dia 20/12, sendo imediatamente internado, permanecendo lá até hoje, e vários procedimentos iniciados imediatamente.
Segundo novas avaliações houve necrose de parte do tecido, um obsesso por debaixo da pele de extensão maior que o visual, e um quadro clínico bastante preocupante. Além do constrangimento em responder a perguntas do médico: 
O senhor não passou por um médico quando se acidentou?
Fez repouso nesse período? 
Que medicamentos estava fazendo uso?
Que vergonha!
Resultado: após seis dias de internação a aparência do ferimento é melhor. Sofre um procedimento semelhante a raspagem todos os dias, e a preocupação de algo mais grave acorrer está atenuada. Todavia ficam os questionamentos:
Se esse militar não tivesse plano de saúde? o que seria dele???
Porque não se investigou com minucia quando da ida dele ao hospital da corporação pela primeira vez???
Será que vai ser preciso, assim como no caso do subtenente que faleceu durante o TAF, acontecer outros casos graves para que o bombeiro ao chegar no HCAP não seja visto como um caçador de folgas, mas sim como paciente???
 Quadro atual:
Francamente, é de indignar a qualquer mortal essa história. 
Porque tem que ser assim? 
Porque não se trata o bombeiro com respeito e o devido cuidado? 
A missão do bombeiro é salvar, e quando é ele quem precisa do socorro é tratado deste jeito?
Temos que erradicar essa ideologia de que bombeiro nos meses citados quer folgar. Que independente de postos ou graduações todos têm o direito de serem atendido com presteza e atenção. É vergonhoso demais, para a corporação, chegar num hospital paisano e falar para o médico que você é bombeiro, que foi atendido no seu hospital, não fizeram nenhum exame, te deram um remedinho, mandaram de volta pro trabalho e vida que segue...
Hoje, o nosso grito de indignação é pelo atendimento hospitalar no HCAP esvaziado de preconceitos, ou verdades criadas por mentes doentes que não têm a menor preocupação com o bem estar do Bombeiro.
POR UMA MUDANÇA DE MENTALIDADE E CONSCIÊNCIA JÁ, NO SISTEMA DE SAÚDE DO CBMERJ 
CEL SACRAMENTO TRABALHA MAL E PREJUDICA MILITARES DA SAÚDE
Se já não bastasse a vida de apertos e descumprimento de carga horária que vivem os militares dos diversos segmentos que compõe a área da saúde  (DGS, CPMSO, Policlinicas, HCAP), o ilustre Ten Cel BM QOC/93 CARLOS EDUARDO LISBOA DO SACRAMENTO, RG 17.462, fez o favor de simplesmente perder as notas dos testes de aptidão física feito por estes militares.
Isso tem impedido dos que gozaram licença especial nos últimos meses, ao seu reingresso às atividades a comprovarem que estão aptos fisicamente para voltarem a receber a gratificação de R$ 350,00.
Que absurdo!!!
Perdeu e pronto, por algum tempo a DGEI cobrou, mas o Ten Cel não deu nenhuma posição e logo depois caiu no esquecimento. E os bombeiros que se danem, porque a vida do Ten Cel continua numa boa.
Ten-Cel BM QOC/93 CARLOS EDUARDO LISBOA DO SACRAMENTO, RG 17.462
Ten Cel Sacramento, sabemos que se algo parecido acontecesse de maneira inversa, Ahhhh!!! Já tinham instaurado IPM, ameaçado prender, feito os diabos. Mas o interesse dos bombeiros é que o senhor apresente o quanto antes uma solução, a fim de que a DGEI dê continuidade ao processo e os militares não continuem sendo penalizados pela subtração desta gratificação em seus ordenados.
Quando é do interesse, tudo se resolve de maneira rápida e sem burocracia. Assuma que trabalhou mal, e resolva o problema que criaste para quem não tem nada haver com isso. 
Afinal não é no seu bolso que está doendo.
Estaremos acompanhando a solução desta sua trapalhada..
Edival Anchieta.

Um comentário:

  1. CORONEL TRAPALHAO!!! ????? SERA QUE ISSO ACONTECERIA COM OS AMIGOS CORONÉIS????

    ISSO É MOLECAGEM. COMO AS NOTAS DO TAF É DOS PRAÇAS QUE SE DANI.

    ESSE CORONEL TRAPABHAO TEM QUE TOMAR 30 DIAS DE CADEIA

    ResponderExcluir