quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

LOBÃO SUMIU COM R$30 MILHÕES DO PMDB...!!! - LADRÃO QUE ROUBA LADRÃO...

Faltam nomes dos envolvidos mas o fato é que o Lobão desapareceu de cena.


Neste Governo, é só cavar que a lama aparece...
 Todo mundo sabe o que todo mundo sabe . . .

Acusado de sumir com R$ 30 milhões destinados ao PMDB, Edison Lobão ainda não falou sobre o Petrolão

Boca fechada – Desde que embarcou para a Austrália, onde participou da cúpula do G20, a presidente Dilma Rousseff foi constantemente informada sobre a decisão de muitos dos 39 ministros de colocarem os respectivos cargos à disposição. Essa onda de desprendimento resultou de uma ação do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que agiu a mando da própria presidente da República. Dilma aproveitou sua ausência para pressionar os assessores, como forma de ter mais liberdade de escolher a próxima equipe ministerial.Mentira das grandes, pois o que a presidente quis com essa atitude foi mostrar ao antecessor, Luiz Inácio da Silva, quem manda no governo.

Os ministros têm colocado os cargos à disposição de forma escalonada, mas no meio dessa barafunda oficial chama a atenção o sumiço de Edison Lobão, ainda ministro de Minas e Energia, que desapareceu da cena política antes o primeiro turno das eleições. Senador do PMDB maranhense, Lobão foi jogado no olho de um escândalo sem precedentes, envolvendo dinheiro grosso e ilegal.

Um alto executivo de empreiteira, que está encalacrada na Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, destinou ao PMDB a bagatela de R$ 30 milhões para ajudar nas principais campanhas eleitorais da legenda, sendo que o dinheiro teria sido entregue ao ministro Lobão. Por questão de segurança e para manter boas relações com a cúpula do partido, o doador da dinheirama decidiu telefonar para alguns dos destinatários com o intuito de saber se tinham recebido a parte que lhes cabia.

Como sabem os leitores do UCHO.INFOo dinheiro sumiu e, segundo informações de bastidores, teria sido despejado na conta de campanha de Edison Lobão Filho, suplente de senador e derrotado na disputa pelo Palácio dos Leões, sede do Executivo maranhense. Os parlamentares que se sentiram lesados foram reclamar para o também senador José Sarney (PMDB-AP), que para a sorte do Brasil deixa o Parlamento ao final de janeiro do próximo ano.

Como se nada tivesse acontecido e sem dar explicações públicas sobre o que pode ser mais um escândalo na esteira do Petrolão, o ministro de Minas e Energia adotou um silêncio obsequioso. Não se tem notícia de que o imbróglio tenha sido solucionado nos bastidores da cúpula peemedebista, mas é certo que no vácuo da Operação Juízo Final – sétima fase da Lava-Jato – que mandou para a cadeia alguns dos principais executivos das grandes empreiteiras do País, o assunto há de ressuscitar.

Palco do maior escândalo de corrupção da história nacional, a Petrobras está no guarda-chuva do Ministério de Minas e Energia, sem que Edison Lobão, que não sabe a diferença entre gasolina e etanol, tenha voz ativa na empresa loteada a mando do Palácio do PlanaltoCom medo de ser arrastado para o olho do furacão, Lobão covardemente desapareceu. Não se dignou até agora, depois da grave acusação, a fazer qualquer comentário sobre o Petrolão. Possivelmente porque sabe que em algum momento poderá ser flagrado com a mão na cumbuca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário