sábado, 31 de maio de 2014

Dilma: povo vai comprar cervejinha e torcer pela Seleção

30/05/2014
Jornal do Brasil

Na cerimônia de entrega de máquinas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em Poços de Caldas, Minas Gerais, a presidente Dilma Rousseff disse que está convencida de que os brasileiros entrarão no clima da Copa.

"Eu tenho absoluta certeza que o nosso povo vai fazer como sempre fez, vai juntar os amigos, vai juntar a família, comprar uma cervejinha, ligar a televisão e assistir à Copa torcendo para nossa Seleção", afirmou.

Dilma enfatizou ainda que muitas das obras realizadas para o Mundial ficarão como legado para o povo brasileiro. "Pensem comigo, ninguém que visita o Brasil sai daqui e volta para seu país com estádio na mala, com aeroporto, com obras de mobilidade urbana, como o BRT e os metrôs, não", explicou.
                                                       Promessa de uma "transposição"

                                                           Promessa de uma refinaria

A presidente afirmou também que se orgulha de investimentos do governo federal nos locais com menos recursos no Brasil.  “A parceria com municípios, em especial com os mais pobres, os que têm menos recursos, os menores do país. Tenho orgulho disto porque, de fato, lá se encontra uma parte da população do país que deve ser atendida, ter serviços públicos. Tenho feito grande esforço para atender os prefeitos, e espero anunciar, até o fim do ano, novas medidas que vão beneficiar os prefeitos, em especial dos pequenos municípios”, afirmou.

Obs: As fotos foram incluídas pelo blog, não estão na postagem original.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Mais Médicos: Fragmentos sobre a loucura

Miguel Srougi


Lamento prever a ruína do Mais Médicos. Os nossos governantes esforçam-se para esconder os frangalhos da ação tresloucada.
 
Artigo "Mais Médicos: Fragmentos sobre a loucura", do médico Miguel Srougi, publicado neste domingo, 27, na Folha de S. Paulo.

Nem eu nem meus colegas brasileiros rejeitamos a ideia de mais médicos, afinal essa é uma aspiração planetária. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), faltam no mundo 4,3 milhões de médicos e enfermeiras, carência impossível de ser ignorada, pois penaliza 1 bilhão de pessoas, como sempre aquelas que perambulam à margem da existência digna.

O que eu e a imensa maioria dos médicos brasileiros não conseguimos aceitar é a forma como o programa Mais Médicos foi imposto à nação. Para dissimular a indecência na saúde, nossos governantes trouxeram médicos cubanos. Iniciativa de grande apelo aos mais distraídos, mas ilegítima, injusta, inconsistente e empulhadora.

Iniciativa ilegítima por violar as leis e os valores da sociedade brasileira. Como aceitar que profissionais recebam menos de 10% do que foi anunciado; cidadãos proibidos de expressar seus sentimentos, vivendo em cativeiros, num país onde a liberdade constitui uma conquista inegociável de seu povo.

Injusta porque, em três anos, serão transferidos R$ 5 bilhões para Cuba, país igualmente carente, mas que não pode ser privilegiado em detrimento dos desvalidos do Brasil. País habitado por 60 milhões de analfabetos e por 6,5 milhões de pessoas vivendo em extrema pobreza, que vão para a cama sem saber se terão o que comer no dia seguinte.

Também injusta porque, para implementar um programa tão inconsistente, nossas autoridades demonizaram os médicos brasileiros, cuja competência e abnegação é reconhecida dentro e fora de nossas fronteiras. O ex-ministro Alexandre Padilha escreveu nesta Folha que os médicos brasileiros aprendiam com os pacientes pobres nos hospitais públicos, para depois só tratar ricos.

Poucas vezes testemunhei algo tão preconceituoso, perigoso e mentiroso. O ex-ministro, que diz ter estudado medicina, sabe que em todo o planeta existe um contrato social não escrito: médicos aprendem em hospitais universitários e, como retribuição, os pacientes recebem cuidados orientados ou providos por professores, que se colocam entre os mais competentes médicos de cada país.

Iniciativa inconsistente porque os médicos cubanos, com formação dúbia, serão incapazes de exercer qualquer ação médica efetiva em ambientes degradados e abandonados. O que farão frente a um paciente com dor aguda no peito? Se do céu cair um eletrocardiograma, não saberão interpretá-lo. Se por intuição desconfiarem de um infarto, não conseguirão tratá-lo. Se alguma divindade conseguir transportar o paciente para um centro mais desenvolvido, inexistirão vagas nos hospitais do SUS. Atendido no setor de emergências, ele morrerá pelo infarto e de frio, pois terá que utilizar o seu cobertor para forrar o chão gélido, onde será despejado e não atendido.

Iniciativa empulhadora porque atribui a ruína da saúde à falta de médicos nos rincões, quando na verdade a indecência instalou-se porque o Brasil tem sido dirigido por governantes desonestos e de uma inépcia inabalável. Governo cujo Ministério da Saúde promoveu, nos últimos cinco anos, o fechamento de 286 hospitais ligados ao SUS e deixou de utilizar, em 2012, R$ 17 bilhões dos parcos recursos a ele destinados. Valor com o qual teriam sido construídas e equipadas 18 mil unidades básicas de saúde e com o qual menos corpos estariam despencando diante das portas impenetráveis dos hospitais públicos.

Dirigentes coniventes com a corrupção, que segundo a ONU apoderou-se, em 2012, de R$ 200 bilhões da riqueza do Brasil, suficientes para construir 9 milhões de residências populares. Também muitos leitos hospitalares se contabilizados os descaminhos recentes da turma do punho cerrado, do bando das mãos lambuzadas de petróleo ou do time dos pés entortados.

Lamento prever a ruína próxima do Mais Médicos. Os cubanos já estão migrando para centros mais prósperos e os nossos governantes, sob jugo da marquetagem eleitoreira e com mentiras repetidas, esforçam-se para esconder os frangalhos da ação tresloucada. Restarão no palco do horror, abandonados e resignados, aqueles que nunca conseguirão expressar a desilusão.

Miguel Srougi, 67, professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da USP, é pós-graduado em urologia pela Universidade Harvard (EUA) e presidente do Conselho do Instituto Criança é Vida

quinta-feira, 29 de maio de 2014

BACABEIRA, uma promessa de Refinaria no Maranhão


Políticos risonhos distribuindo promessas e sonhos. É o que mostra a foto tirada em 2010 no lançamento  da pedra fundamental da Refinaria Premium I, em Bacabeira no Maranhão, a 60 quilômetros de São Luís.

O então presidente Lula  e a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, anunciaram com pompa e circunstância que ela ficaria pronta em 2016, para refinar 600 mil barris de petróleo por dia. Quando foi lançada a pedra fundamental, nem projeto havia daquela que, segundo eles, seria a maior refinaria do país.

   

O tempo passou. Quatro anos, para ser exato. Hoje, o sonho e a promessa que eles venderam estão reduzidos ao quadro abaixo, um quadro que já custou mais de R$ 1 bilhão e meio - isto mesmo que você acabou de ler: mais de um bilhão e meio de reais. Tudo pago pela Petrobrás. E de refinaria mesmo, nem um tijolo ou tubo, a menos que você acredite que a terra revolvida pelas máquinas, com tudo parado,   comece a refinar petróleo em 2016.

CONTINUAR ASSSIM, NESSA PERMISSIVIDADE, É A PROVA CONTUNDENTE QUE SOMOS MESMO UM POVO DE BANANAS, E PODRE.

ESTE PAÍS E DE NÓS TODOS!




Mudança de regime por decreto



29 de maio de 2014
O Estado de S.Paulo
A presidente Dilma Rousseff quer modificar o sistema brasileiro de governo. Desistiu da Assembleia Constituinte para a reforma política - ideia nascida de supetão ante as manifestações de junho passado e que felizmente nem chegou a sair do casulo - e agora tenta por decreto mudar a ordem constitucional. O Decreto 8.243, de 23 de maio de 2014, que cria a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), é um conjunto de barbaridades jurídicas, ainda que possa soar, numa leitura desatenta, como uma resposta aos difusos anseios das ruas. Na realidade é o mais puro oportunismo, aproveitando os ventos do momento para impor velhas pretensões do PT, sempre rejeitadas pela Nação, a respeito do que membros desse partido entendem que deva ser uma democracia.
A fórmula não é muito original. O decreto cria um sistema para que a "sociedade civil" participe diretamente em "todos os órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta", e também nas agências reguladoras, através de conselhos, comissões, conferências, ouvidorias, mesas de diálogo, etc. Tudo isso tem, segundo o decreto, o objetivo de "consolidar a participação social como método de governo". Ora, a participação social numa democracia representativa se dá através dos seus representantes no Congresso, legitimamente eleitos. O que se vê é que a companheira Dilma não concorda com o sistema representativo brasileiro, definido pela Assembleia Constituinte de 1988, e quer, por decreto, instituir outra fonte de poder: a "participação direta".
Não se trata de um ato ingênuo, como se a Presidência da República tivesse descoberto uma nova forma de fazer democracia, mais aberta e menos "burocrática". O Decreto 8.243, apesar das suas palavras de efeito, tem - isso sim - um efeito profundamente antidemocrático. Ele fere o princípio básico da igualdade democrática ("uma pessoa, um voto") ao propiciar que alguns determinados cidadãos, aqueles que são politicamente alinhados a uma ideia, sejam mais ouvidos.
A participação em movimentos sociais, em si legítima, não pode significar um aumento do poder político institucional, que é o que em outras palavras estabelece o tal decreto. Institucionaliza-se assim a desigualdade, especialmente quando o Partido (leia-se, o Governo) subvenciona e controla esses "movimentos sociais".
O grande desafio da democracia - e, ao mesmo tempo, o grande mérito da democracia representativa - é dar voz a todos os cidadãos, com independência da sua atuação e do seu grau de conscientização. Não há cidadãos de primeira e de segunda categoria, discriminação que por decreto a presidente Dilma Rousseff pretende instituir, ao criar canais específicos para que uns sejam mais ouvidos do que outros. Ou ela acha que a maioria dos brasileiros, que trabalha a semana inteira, terá tempo para participar de todas essas audiências, comissões, conselhos e mesas de diálogo?
Ao longo do decreto fica explícito o sofisma que o sustenta: a ideia de que os "movimentos sociais" são a mais pura manifestação da democracia. A História mostra o contrário. Onde não há a institucionalização do poder, há a institucionalização da lei do mais forte. Por isso, o Estado Democrático de Direito significou um enorme passo civilizatório, ao institucionalizar no voto individual e secreto a origem do poder estatal. Quando se criam canais paralelos de poder, não legitimados pelas urnas, inverte-se a lógica do sistema. No mínimo, a companheira Dilma e os seus amigos precisariam para esse novo arranjo de uma nova Constituição, que já não seria democrática. No entanto, tiveram o descaramento de fazê-lo por decreto.
Querem reprisar o engodo totalitário, vendendo um mundo romântico, mas entregando o mais frio e cinzento dos mundos, onde uns poucos pretendem dominar muitos. Em resumo: é mais um ato inconstitucional da presidente Dilma. Que o Congresso esteja atento - não apenas o STF, para declarar a inconstitucionalidade do decreto -, já que a mensagem subliminar em toda essa história é a de que o Poder Legislativo é dispensável.
De nada lhes serve o Legislativo que elegemos, embora seja uma merda, ainda é o Legislativo.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Esse é o padre!

Acho que o Pe.Humberto, neste texto, disse tudo, m tudo mesmo, que está se passando neste País e que não podemos tolerar mais.
 
Vamos fazer circular este diagnóstico perfeito, que descreve com rara clareza o DESgoverno que ai está.
 
Infelizmente, conduzindo o País ao caos inevitável.

 Se todas as paróquias tivessem um Padre como esse, poderíamos ter esperança  que o povo pudesse acordar,  enxergar e demonstrar nas urnas o  seu verdadeiro sentimento.
 
Padre  Humberto
Paróquia de Santa  Luzia
Arquidiocese de  Natal

 
Diante da desgraça  de desgovernos petistas, que transformaram o poder público em um covil de  bandidos e o país em um paraíso de patifes impunes, o bando de Collor  derrubado pela vontade da sociedade, virou brincadeira de criança  levada!





  
As contundentes  vaias e xingamentos, com luzes piscando na Barra da Tijuca e em diversos  locais do Brasil depois do discurso da "presidente", são mais uma clara  demonstração da rejeição social para com esse desgoverno espúrio, que luta com  as formas mais desonestas possíveis para se manter no poder em  2014.


 
 

Como uma  "presidente" tem a coragem de declarar, por exemplo, em rede nacional, que os  investimentos da construção dos estádios foram somente de origem  privada?
TODAS as obras  foram financiadas em condições generosas pelo BNDES! 
Estádios públicos,  construídos em áreas públicas e com dinheiro público, vem sendo reformados com  dinheiro público e posteriormente serão entregues a clubes e empresas privadas  para que daí tirem o seu injustificável lucro.



Isso não é o papel  de um líder de uma nação mas de alguém motivado por inconfessáveis motivações  de um golpe para transformar o país em uma Cuba  Continental.

 

Esta "senhora", em  seu precário discernimento pensa que a sociedade somente tem idiotas a serviço  dessa classe política nojenta e de seus cúmplices canalhas.
Vamos lembrar que  essa tal "presidenta" foi protagonista de uma luta terrorista que nunca  pretendeu a democracia, que ceifou a vida  de mais de 120 civis e militares e continua sendo a leal fantoche do mais  sórdido político da história do país.

 


Obedece e se  aconselha com seu guru, o retirante analfabeto e espertalhão,  o patife líder,  denunciado como verdadeiro chefe da gangue dos 40 que subornou o Parlamento,  uma quadrilha que deveria já estar presa mas que continua livre, leve e solta  por incompetência de um Poder Judiciário em estado de podridão terminal, por  obra e graça do PT e de seus cúmplices, em todas as instâncias desse poder  degenerado.
Por isso e muito  mais essa malfadada guerrilheira travestida de "presidenta" não tem a menor  condição moral de ameaçar a sociedade, em rede nacional, num discurso grotesco  disfarçado de conciliação.
Mesmo que não  concordemos com a promoção de destruições do patrimônio público nem de  propriedades privadas como instrumentos de protesto,  que condição moral  tem essa "senhora" de criticar os vândalos, já que no seu tempo de luta por  "transformações sociais" colocou fogo no país  promovendo, juntamente com  seus cúmplices, atos terroristas, sequestros, roubos a bancos e assassinatos  de civis e militares – fez muito pior do que os manifestantes mais revoltados,  infiltrados de bandidos, estão fazendo!

 
 

  
Nada pode ser  aproveitado desse discurso leviano – a não  ser a preparação de um golpe –, uma  verbalização da voz de uma sórdida alma terrorista que ficará na história da  política, depois de manifestações em massa contra a degeneração moral do  país.

Esse  discurso não passa de uma peça de profunda idiotice montada por  marqueteiros de plantão inspirados pelos conselhos do mais sórdido político  que o Brasil já conheceu, o padrinho da "presidenta".
Apenas evidencia  que estamos a mercê de psicopatas degenerados e que estes vêm  conduzindo a destruição política e econômica desta  nação.
Foram compromissos  vazios, sem vislumbre de honestidade ou sinceridade, visando uma estúpida  desqualificação e esvaziamento de um movimento legítimo  –muito maior do que  a farsa do "Movimento Passe Livre" organizado pelo PT para atingir o  governador de SP –, e para a preparação final de mais um estelionato  eleitoral que está correndo  um crescente risco de não se concretizar pela tomada de consciência do  povo.

 

Esse mesmo povo que  a assustou pois voltou a compreender que o poder público da era PT foi  transformado em um covil de cândidos e que a manutenção  dessa sórdida  classe política no poder é autorizar em 2014 um regime fascista, comandado  pelo PT e seus asseclas, para sustentar a  corruptocracia.
Um discurso vazio  de verdades, que não pretendeu soluções, que não tocou em nada caro à  quadrilha, que pretendeu apenas preservar o status quo do seu projeto de poder  perpétuo.

 
 

Um discurso que  justifica um imediato – chegamos no limite da nossa paciência ordeira –  impeachment da  "presidenta" do PT, que não se comporta como "presidente" do país, mas como  uma golpista com atos e motivações já amplamente divulgadas na  Internet:
- cumplicidade em  todos os atos dos dois desgovernos de seu antecessor e que já foram pública e  sistematicamente rejeitados pela sociedade;
- transformação do  poder público em um covil de malfeitores, favorecendo durante os últimos anos  a criação de uma verdadeira casta de mafiosos da política e exploradores da  sociedade;
- absoluta  degeneração moral dos poderes da República liderados pelo fascismo do Poder  Executivo;
-  incompetência,  desonestidade, corrupção, enganação, suborno e mentiras como instrumentos da  implantação de um projeto de poder com a marca de uma corruptocracia, que  pretende escravizar o país a um poder retrógrado, fascista e  degenerado;
-  obras inacabadas,  superfaturadas, mal feitas, não fiscalizadas, cujo principal objetivo é a  transformação de verbas públicas em "caixinhas", "parcerias" e  subornos;
- deliberada  falência da educação e criminoso abandono da saúde, da segurança e do  saneamento básico;
- deterioração  crescente da estrutura econômica do país com um processo de sucateamento da  indústria em andamento, e a perda de competitividade internacional. A receita  de poder dos medíocres que a cercam: Nicolás Maduro, Evo Morales,  Cristina Kirchner,  Ahmadinejad, Castro e tantos outros  canalhas são seus parceiros preferenciais!
 
-  irresponsável e  inconsequente perdão de dívidas,além de empréstimos secretos a  outros países ideologicamente pervertidos;
- utilização das  empresas estatais para praticar um incontrolável empreguismo de meliantes do  PT;
- abandono das  obras de transposição do rio São Francisco, um dos incontáveis instrumentos de  estelionato eleitoral;
-  um covarde  estímulo à luta de classes, à invasão de propriedades particulares e à  desagregação da sociedade;
- um vergonhoso  assistencialismo, que custa todos os meses bilhões para os contribuintes, com  a clara intenção de escravizar os menos favorecidos, via manutenção da pobreza  e da ignorância, às manipulações eleitorais da canalha  política;
- o descontrole  irresponsável e sem volta da dívida pública e da inflação;
- o intencional  crescimento da máquina governamental que consome bilhões dos contribuintes de  forma inconsequente. O desperdício escandaloso do dinheiro que poderia ser  aplicado na saúde, na educação, na segurança e no saneamento;
-  Como reza a  cartilha revolucionária, estimula a deterioração dos valores familiares com a  disseminação do homossexualismo entre jovens e adolescentes em fase de  formação de caráter e personalidade;
- a transformação  da classe dos professores públicos não-petistas em mão de obra de segunda  classe e reféns de estudantes que os agridem ou os ameaçam em sala de aula. A  elaboração das cartilhas petistas de deformação moral e o aparelhamento dos  conselhos tutelares que os afastam os jovens da disciplina imposta por suas  famílias;
- subordinação da  política externa às ordens do nefasto Foro de São Paulo, com o país seguindo as  decisões do populismo ditatorial que toma conta da América  Latina;
- covarde e  sistemática perseguição e humilhação das Forças Armadas com a  clara intenção de se defender da justa reação dos nossos militares à tentativa  de transformar o Brasil em uma Cuba Continental; O sucateamento das  instituições militares sempre foi um dos pilares dos movimentos  revolucionários e descambaram em "ditaduras do proletariado". As suas  consequências sempre foram banhadas em sangue dos que ousaram levantar a voz  em dissidência.
 
 
Basta !  Chega  de  Bolsa  Família , Luz  , Bandido Preso , Bandido  Perdoado , Gas ....  que   alcançam  mais  de  60  milhões  de   brasileiros .
Temos  a  população  de  muitos  Países  só  no  Bolsa  Família ......
Repetindo:
Por tudo isso e  muito mais a tal "presidenta" não tem a menor condição moral de  ameaçar a sociedade em rede nacional em um discurso disfarçado de  conciliação!
O que a  "presidenta", seus lacaios, e todos os seus cúmplices canalhas não perceberam  ainda, é que o Brasil acordou de uma hibernação patriótica de  mais de vinte anos,  imposta pela fraude de abertura democrática  promovida por sucessivos desgovernos de corruptos e traidores do  país.
Que as  manifestações e a greve geral organizada para 1º de julho mostre  definitivamente a esse desgoverno espúrio que discursos levianos em rede  nacional não irão adormecer novamente o país no sono dos omissos e  covardes.
A hora da mudança é  agora, pois o Brasil acordou do silêncio imposto pelos cafajestes da  política.
Se você concordar  que algo precisa ser feito. Se acredita que é chegada a hora de dar um BASTA!  Ao lodo espalhado pelo PT e demais "cumpanheros", divulgue.
Edite, complemente,  aprimore... mas não deixe de repassar. Faça ouvir o seu grito e permita que  ele se multiplique. Esta mensagem precisa alcançar todas as redes  sociais.
Isto, e o voto  responsável, são os melhores caminhos para que o seu futuro e o dos seus  descendentes seja de paz e tranquilidade.
Pe.  Humberto
Paróquia de Santa  Luzia
Arquidiocese de  Natal
  
 
 
 
  
 
 

Sobre os países ricos e países pobres


Em época de eleições, um texto para reflexão e ação:

Países ricos e países pobres

A diferença entre os países pobres e os ricos não é a idade do país.
Isto pode ser demonstrado por países como Índia e Egito, que tem mais de 2000 anos e são pobres.
Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, que há 150 anos eram inexpressivos, hoje são países desenvolvidos e ricos.
A diferença entre países pobres e ricos também não reside nos recursos naturais disponíveis.

O Japão possui um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura e a criação de gado, mas é a segunda economia mundial. O país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima do mundo todo e exportando produtos manufaturados.
                                                                Yokohama - Japão
Outro exemplo é a Suíça, que não planta cacau mas tem o melhor chocolate o mundo. Em seu pequeno território cria animais e cultiva o solo durante apenas quatro meses no ano. Não obstante, fabrica laticínios da melhor qualidade. É um país pequeno que passa uma imagem de segurança, ordem e trabalho, o que o transformou na caixa forte do mundo.


Executivos de países ricos que se relacionam com seus pares de países pobres mostram que não há diferença intelectual significativa.
A raça ou a cor da pele também não são importantes: imigrantes rotulados de preguiçosos em seus países de origem são a força produtiva de países europeus ricos.
Qual é então a diferença?


A diferença é a atitude das pessoas, moldada ao longo dos anos pela educação e pela cultura.
Ao analisarmos a conduta das pessoas nos países ricos e desenvolvidos, constatamos que a grande maioria segue os seguintes princípios de vida:

1. A ética, como princípio básico.
2. A integridade.
3. A responsabilidade.
4. O respeito às leis e regulamentos.
5. O respeito pelo direito dos demais cidadãos.
6. O amor ao trabalho.
7. O esforço pela poupança e pelo investimento.
8. O desejo de superação.
9. A pontualidade.

Nos países pobres apenas uma minoria segue esses princípios básicos em sua vida diária. Não somos pobres porque nos faltam recursos naturais ou porque a natureza foi cruel conosco.

Somos pobres porque nos falta atitude. Nos falta vontade para cumprir e ensinar esses princípios de funcionamento das sociedades ricas e desenvolvidas.

SOMOS ASSIM, POR QUERER LEVAR VANTAGENS SOBRE TUDO E TODOS.
SOMOS ASSIM POR VER ALGO DE ERRADO E DIZER: “DEIXA-PRA-LÁ”
DEVEMOS TER ATITUDES E MEMÓRIA VIVA. SÓ ASSIM MUDAREMOS O BRASIL DE HOJE.



Que tal você começar a praticar em sua vida aqueles 9 princípios de vida? Assim, estará fazendo a sua parte para que a nossa sociedade humana venha a ter melhores pessoas... e algum dia a sociedade brasileira deixe de ser pobre... em especial no comportamento civilizado!

Texto: Autor Desconhecido

Um adendo: Acredito que nesse texto faltou um décimo princípio: Estudar, estudar, estudar... Estudar sempre! O apoio a Educação é a base de uma grande nação!

O que tens, minha menina?


Dilma Roussef e seu Ex-Ministro da Educação Fernando Haddad, visitam uma escola modelo no nosso país maravilha.

Numa sala de aula do ensino fundamental, cheia de
jornalistas, a ensaiada "cumpanhêra" professora, com ambição a uma futura boa colocação, pergunta aos alunos:

- Onde existem as melhores escolas do mundo?
-
No Brasil. - Respondem todos.

- Onde existem os melhores livros escolares do mundo?
-
No Brasil. - Respondem.

- E onde há os melhores recreios do mundo?
-
No Brasil. - Respondem mais uma vez.

- E onde existem as melhores cantinas, que servem os
melhores almoços, com boas sobremesas?
-
Nas escolas do Brasil!
A professora ainda insaciada, continua:

- Onde é que vivem as crianças mais felizes do mundo?
-
No Brasil! - respondem os alunos com a lição bem estudada.

Os
tradutores iam informando à Comitiva Estrangeira, e todos abanavam a cabeça, impressionadíssimos.
Nisto, uma garota no fundo da sala começa a chorar.

Com as TVs transmitindo ao vivo,
Dilma para impressionar os convidados e jornalistas, pondo-se a jeito para as câmeras, resolve acudir à menina
perguntando-lhe:

- Que tens, minha menina?

Responde a menina, soluçando:

         - QUERO IR PARA O BRASIL!!!

ANALISANDO O FATOR HUMANO EM UMA AUDITORIA DE ACIDENTE AÉREO


Recente Relatório de 5 especialistas sobre o acidente aéreo na rota Rio-Paris suscita algumas considerações visto que ele se constituiu um tipo especial de acidente de trabalho. Houve um primeiro Relatório, com um foco no sistema; e agora, um novo Relatório desenvolve um foco no fator humano. A avaliação combinada desses Relatórios pode fornecer informações importantes sobre procedimentos em casos de qualquer acidente, inclusive de trabalho.
O PRIMEIRO RELATÓRIO
As conclusões do primeiro relatório de especialistas indicam uma conjunção de fatores: falhas humanas, problemas técnicos, procedimentos equivocados e condições meteorológicas adversas. Com base nessas conclusões, Air France e Airbus foram processadas em 2011 por homicídios culposos. Observem que o conjunto de fatores mencionado é bastante comum em qualquer ambiente de trabalho tambem em terra e vale para a análise de qualquer grande acidente de trabalho, como por exemplo, em plataformas de petróleo ou na mineração. Ou seja, é preciso uma análise sistêmica envolvendo todos os fatores.
O NOVO RELATÓRIO
Agora, surge um novo Relatório concluindo que o acidente se deveu à perda de controle do avião causada pela reação inapropriada da tripulação após a ausência momentânea das indicações de velocidade e assim enfatizando o fator humano, o clássico “comportamento inseguro”. O Relatório apresentou uma lista de 14 fatores que contribuíram para a tragédia, por ordem de importância. Neste caso, ao invés de análise sistêmica, foi dada predominância ao fator humano como responsável pelo acidente.
Abaixo, um quadro com as principais conclusões desse 2º.  Relatório solicitado pelo Judiciário da França:

1. Reação inapropriada da tripulação depois da perda momentânea das indicações de velocidade de um AirbusContexto: 
o avião dispõe de um equipamento para detectar a velocidade; este equipamento (pitot) sofreu um congelamento provocando uma desorientação da tripulação, que segundo o Relatório não adotou comportamentos compatíveis com a gravidade do problema.
2. As simulações apontaram que houve uma predominância de fatores humanos nas causas do acidente e nos fatores que contribuíram; observou-se a ausência de uma análise estruturada da pane,  má compreensão da situação e a divisão de tarefas na cabine que não foi aplicada de maneira rigorosa.
Contexto: 
ausência de instruções claras por parte de Air France, apesar de vários casos parecidos de congelamento das sondas Pitot e, portanto, de uma resposta insuficiente. Além disso, concluiu-se por uma formação inadequada dos pilotos na aplicação do procedimento necessário para lidar com o congelamento das sondas e com o comportamento do avião durante a perda das indicações de velocidade.
 
Abaixo, algumas observações complementares sobre o assunto e que envolve o comportamento de trabalhadores, seja em uma grande aeronave, seja com Máquinas e Equipamentos modernos que passam a fazer parte de determinados ambientes de trabalho
 
OS FATORES ERGONÔMICOS
Um grande problema invisível não só da aviação mas de equipamentos de alta complexidade atualmente é o pseudo-conforto promovido pelos modernos equipamentos eletrônicos que dispensam quase que 100% da habilidade do piloto e dos operadores. Vale lembrar uma frase dita por um piloto em uma palestra: "Nós não somos mais pilotos, somos gerenciadores de sistemas. Tudo está informatizado e pegar no manche virou mais um sonho". Não menosprezando a grande benção que a tecnologia nos proporciona a cada dia, mas muitos pilotos e operadores se acomodam naquela rotina de não mais pegar no manche do avião e só girar botões para configurar o piloto automático, e acabam perdendo a "mão" e a sensibilidade de voar. Assim, seja para pilotos ou para operadores de máquinas complexas, a confiança excessiva na tecnologia e a perda de avaliação do contexto em que se dá a operação pode ser o fator decisivo na segurança ou no acidente. Esse foi o fator decisivo para aquele fatídico acidente do Air France em junho de 2009.
Aquele voo passava pela ITCZ (Zona de Convergência Intertropical), em outras palavras, uma região ao redor da linha do equador de muita turbulência, nuvens, trovoadas, cristais de gelo e todo tipo de formação meteorológica desagradável para qualquer tipo de navegação, 24 horas por dia. Não culpando a ITCZ, afinal, todo dia centenas de aviões passam por ela ao longo do globo e dispõem de equipamentos que preveem com antecedência as temidas formações e informam os pilotos para tomar as devidas medidas preventivas. Assim, é muito raro os sistemas do avião congelarem, mas não impossível.
Qualquer avião deve ter pelo menos em seu painel o altímetro (informa a altitude), velocímetro (informa a velocidade) e o variômetro (indica a razão de subida) basicamente. Os três dependem exclusivamente do Tubo de Pitot, um dispositivo que fica no lado externo da aeronave e que recebe o impacto do vento (pressão dinâmica, que informa a velocidade) e a variação de pressão estática (que informa a altitude e razão de subida). Conhecido também como Sonda de Pitot, esse dispositivo é passivo de sofrer congelamento devido às baixas temperaturas das altas altitudes, e quando isso acontece, as três informações fundamentais de altitude, velocidade e razão de subida são afetadas drasticamente, ou seja, meio caminho para uma fatalidade.
O primeiro evento de perda temporária da indicação de velocidade ocorreu com um avião da Air France. A companhia relatou o problema à Airbus e pediu mais informações e soluções para esta causa. Também perguntou à Thales, fabricante do sensor, se poderia resolver tais problemas. A Airbus respondeu que a causa seria provavelmente a obstrução da sonda por acúmulos de cristais de gelo e que o sensor da Thales não estava projetado para evitar a ingestão de água durante fortes chuvas sendo improvável melhorar o desempenho num ambiente onde houvesse cristais de gelo. A conclusão da Airbus foi que não havia solução para eliminar totalmente o risco de congelamento da sonda e que providenciaria um procedimento a ser aplicado no caso de inconsistências nas leituras de velocidade. A Air France decidiu substituir imediatamente todos os sensores de toda sua frota de A330/340. A aeronave do acidente ainda estava equipada com os sensores originais. 
Associando a falsa zona de conforto citada no início do texto com o congelamento do Pitot, temos as respostas para o acidente da Air France. Pilotos acomodados com o piloto automático por muito tempo em suas carreiras, sem ter mais a noção de sensibilidade de velocidade ou altitude, não souberam perceber que o avião estava com baixa velocidade e entrando em estol, e confiaram cegamente no indicador de velocidade que aparentemente mostrava um valor normal quando nada mais era que o erro proveniente da sonda congelada. Não souberam tomar uma decisão apropriada e o piloto automático teria manobrado excessivamente o leme do avião afim de evitar as formações meteorológicas, causando sua ruptura, o que tornava o avião impraticável. A ruptura do leme causou também despressurização e quando os pilotos perceberam , era tarde demais para fazer algo. A morte já era certa.
Grandes acidentes de trabalho ocorrem em situações tão complexas, com fatores sistêmicos de difícil  avaliação, como de resto é o fator humano nessas situações. No final, é a tomada de decisão que pode evitar ou precipitar o pior. Gabriel G Pessoa 
estudante do curso de Ciências Aeronáuticas, PUC-Goiás.
 
Abaixo uma tabela desenvolvida por especialistas na análise de acidentes envolvendo as principais variáveis 
 
TABELA PARA ANÁLISE DE ACIDENTES
 
Segundo especialistas a análise de acidentes deve incluir o Estudo de 11 das condições listadas, com indicação se Humana (H), Tecnológica (T) ou Organizacional (O)
 
Disponibilidade de recursos humanos e técnicos – H, T
Treinamento e Experiência – H
Qualidade de comunicações – H,T
Interações homens-máquinas, incluindo concepções de interfaces e formas de suporte operacional – T
Acesso a procedimentos e métodos – H
Condições de Trabalho físicas e organizacionais – T, O
Número de metas e regras ou princípios (critérios) para resolução de conflitos – H, O
Tempo disponível  (pressão de tempo) – H
Ritmo circadiano (privação de sono e assincronias que podem comprometer desempenhos – H
Qualidade de colaboração da equipe/tripulação – H
Qualidade e suporte da organização - O
 
 
 

 

terça-feira, 27 de maio de 2014

UM DEFUNTO QUE IA AO MINEIRÃO TORCER PELO ATLÉTICO MINEIRO


O título parece estranho. Depois de ler o texto logo abaixo, você vai entender...
 
Logo após a conquista da Taça Libertadores da América pelo ATLÉTICO MINEIRO, a PresidANTA Dilma Rousseff enviou pelas Redes Sociais a seguinte mensagem de felicitações a toda a torcida do GALO:
 “CONGRATULO com toda a torcida do ATLÉTICO pela conquista do titulo. Eu sou torcedora do ATLÉTICO e, quando CRIANÇA, ia com meu PAI a muitos jogos do GALO no MINEIRÃO.”
Agora vamos à análise das palavras da presidANTA. Vejamos os fatos e dados:
 1 º - A PresidANTA, que nasceu em 1947, tinha 18 anos quando o Estádio do MINEIRÃO foi INAUGURADO 
  Para conferir a data da inauguração, acessem a página:
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%A1dio_Governador_Magalh%C3A3es_Pinto                                                                                                                       
Portanto, “NÃO era uma CRIANÇA”. Era, sim, militante de organização terrorista. Pegava em armas, desde os 16 anos.
  2º - O Estádio do MINERÃO foi INAUGURADO em 1965, e o seu PAI, ex-membro e ativista do Partido Comunista da Bulgária, com o qual a PresidANTA ainda uma criança (com 18 ANOS) ia ao estádio torcer pelo GALO, já tinha falecido em 1962, ou seja, três anos antes de o MINEIRÃO ter sido INAUGURADO.
Para confirmar, acessem a página:

Portanto, esta é a historia inédita de um PAI DEFUNTO que ia ao ESTÁDIO que ainda não existia, torcer com a FILHA, hoje PresidANTA, que na época ainda era uma "CRIANÇA de 18 ANOS".