quinta-feira, 31 de julho de 2014

"Te conheço muito. Conte comigo", diz Pezão a Bethlem


"Ter o respeito, a admiração e a confiança de um governador que é reconhecido pela força e pela organização no trabalho é motivo de muito orgulho. Obrigado pelas palavras de apoio, governador Luiz Fernando Pezão. Tenho certeza que estou fazendo a coisa certa pelo povo do Rio de Janeiro". (Rodrigo Bethlen)

Conte comigo Rodrigo,diz Pezão

Veja o vídeo: Te conheço muito, conte comigo Bethlen

Em vídeo de campanha política publicado nas redes sociais na última quinta-feira (24), o governador Luiz Fernando Pezão aparece fazendo elogios a Rodrigo Bethlem, candidato a deputado federal. "Nós começamos juntos, você é um batalhador. Te conheço muito, você é um grande deputado, acompanhei sua vida toda. Conte comigo. No que eu puder te ajudar nesse voos mais altos que você vai dar, com certeza eu quero estar do seu lado", diz Pezão.

No dia seguinte, veio à tona a denúncia da revista 'Época' dando conta de que Bethlem recebia propina na Prefeitura do Rio e mantinha conta na Suíça. Vanessa Felippe, ex-mulher de Bethlem, gravou também vídeos mostrando como ela recebia pensão: R$ 20 mil em dinheiro vivo.
*Jornal do Brasil

Mais uma vez o governo PMDB do Rio de Janeiro, com Cabral e Pezão,unido em solidariedade a um político envolvido em falcatruas.

É por essa e por outras que Marcio Garcia (22), o "General que não quis ser Coronel" é meu candidato.






quarta-feira, 30 de julho de 2014

Temos que aprender coisas que dão certo.

Há o que aprender com o comunismo, mas aqui nem esta ideologia resiste.

Os mitos sobre a China são vários. 
O mais infundado e repetido deles é que:
​ 
"A mão de obra na China é barata!". 
Um despropósito pois o grande segredo da economia chinesa são o juros, impostos e tributos baixos que permitem sobra de recursos, de capital, para investimentos públicos e privados.
Isso explica, em grande parte, o crescimento abissal daquela portentosa nação. 
Além disso, e entre tantos outros fatores e variáveis, eles não praticam a doação de esmolas aoscidadãos. Mas, sim, investem fortemente em educação, saúde, segurança, saneamento básico e projetos de infraestrutura que se revertem em benefícios para toda a população.
Lá, os presidiários têm que trabalhar para contribuir para o seu próprio sustento e poupar para quando saírem da prisão. Também não aparecem na mídia e não são transportados de helicópteros, avião ou carreatas de uma unidade prisional para outra com a mídia, sensacionalista, fazendo a cobertura. 
Enfim, o governo chinês não joga dinheiro fora e não posa para a plateia. 

                                                         O seqüestrador faz três exigências

                                                O negociador vai conversar com o sequestrador

                                         O negociador vai expor seu ponto de vista ao criminoso...

                                        O negociador está atendendo as exigências ao seu modo

                                        Exigências do sequestrador atendidas, fim de negociação.

                           Finda a a parte que diz respeito a polícia, podem chamar um faxineiro

Não segue aqui nenhum incitamento ou levante à violência gratuita, é simplesmente um comparativo com o feito no fórum russo que publicou esta matéria. A analogia é repetida aqui conforme a realidade de nosso país.
Projétil de uma arma de fogo=R$ 5,00
10 anos de prisão=10x12x760,00* = R$ 91.200,00
Obs: Valores desatualizados. 
No Brasil a rua seria fechada, com 25 viaturas, 60 PMs, a negociação duraria 100 horas, junto com toda imprensa, Direitos humanos para bandidos, o preso seria preso ou se entregaria como herói, custaria milhões para ter um julgamento, cama, comida e boa vida na cadeia por muitos anos pagos por nós.

Entendeu por quê os produtos dos chineses são mais baratos que os nossos?

Memórias do futuro


Eu estava só, mas via o repulsivo Futuro brasileiro, preparado por séculos de atraso

Estou na clínica especial do Nada aqui neste ano remoto do futuro. Futuro de quê? Futuro de um futuro que o Brasil esperava há vários séculos. Essas clínicas são chamadas hoje de “zonas de esquecimento”; viraram “hype” há mais de um século e hoje abundam. Os sujeitos entram para perder todos os sentidos. Fica apenas a memória que, aos poucos, sem ajuda do tato, gosto, cheiro, visão, e audição, vai se transformando numa leve fonte de murmúrios, em lapsos de visões, em tênue brilho de lembranças e depois, o silêncio do nada. Muitas clínicas são arapucas e as mais baratas apenas jogam os pacientes numas salas vazias e deixam-nos na mistura de restos de comida e excrementos. Ninguém reclama. Mas, eu vivo na melhor: “Le Néant”, que as famílias visitam para verificar o tratamento — é impecável no trato dos corpos sorridentes, murchos e mudos.

Hoje, inexplicavelmente, me encontro na rua com sol batendo em meus olhos e volta a mim uma enxurrada de memórias que eu sempre evitara. Como saí? Em que ano estou? Minha lembrança mais antiga jaz no deserto, quando o Califado Islâmico tomou conta do Oriente Médio, chegando até as bordas de Israel-Palestina, já considerada “área insolúvel” e que virou parque temático. Muitas terras viraram temáticas também: a desolação de Nueva Iork, depois das nuvens de “antrax” na Broadway, o Buraco Iraque, depois da bomba do ex-Paquistão — hoje Talibânia — e o deserto de Tokyorama, província da China...
Mas, vou me ater às memórias do Brasil.

Sei que há muitos anos o futuro do país se delineou. Foi logo depois da reeleição de uma mulher... Esqueço-lhe o nome... Sei que, depois, o famoso Lula sucedeu-a em 2018, continuando em 2022, criando uma dinastia de si mesmo, reeleito em vários mandatos, até 2034, quando ele já não falava mais e tinha sido mumificado num carro móvel de vidro que desfilava entre a multidão de fiéis ajoelhados. A maioria do povo semianalfabeto celebrava a realização do projeto do seu partido, uma espécie de populismo pós-moderno (como chamavam) feito de pedaços de getulismo, chavismo e outras religiões. Quando se iniciou a decomposição, seu corpo foi entronizado no Museu Bolívar, um palácio de mármore vermelho desenhado por Oscar Niemeyer, tendo como curador Gilberto Carvalho, 108.

Nesta época o velho Brasil tinha renascido, como rabo de lagarto. Voltara a correção monetária sob uma inflação de 2200 por cento, um flashback do período Collor, agora representado por seu neto na grande aliança ainda presidida por Sarney, 117, que visava unir partidos no programa nacional de “decrescimento”, já que a democracia se revelara um antigo sonho grego impossível. Todo o projeto do “lulismo” tinha dado frutos depois de tantos anos no poder. “Podres poderes!” — rosnavam alguns poucos inimigos, urubus complexados. Tinha-se atingido o sonho glorioso de socialismo “puro”, onde só havia o Estado sem sociedade em volta. Era assim.

O MST tinha finalmente desmontado a maldita agroindústria, as manifestações de junho viraram uma data popular, como festas juninas animadas por “black blocks”, considerados agora “guarda revolucionária”; a Imprensa tinha acabado, graças a proibição de papel, enquanto ex-jornalistas gritavam nas ruas e distribuíam panfletos mimeografados.
Foi nessa fase que houve o Segundo Crash da Bolsa de Nueva Iork, entre nuvens de suicidas e filas de desempregados.

Aqui foi uma surpresa. O Brasil quebrou e nada aconteceu. Houve, claro, legiões de famintos atacando os supermercados, mas logo ficou claro que a miséria é autorregulável. Muito simples: a fome diminui a população, dado benéfico para a incrível falta de comida, provocada pela decisão do Governo de jamais cortar gastos fiscais. Nossos aviões e navios passaram a ser confiscados regularmente pelos países do Império Neoliberal, o que foi bom para desonerar gastos de manutenção.


Foi então que se começou a falar em um novo lema: “Ordem sem Progresso”, no seio de um novo movimento de salvação nacional: o “Recua Brasil!”. Entendêramos finalmente que o Brasil é um “acochambramento” secular e que isso não é um defeito, é nossa grandeza fabricada por séculos de escravismo, de burocracia e de corrupção endêmica.

A nova “república” proclamava: “Vamos assumir nosso atraso, chega de progresso!”. Foi outro grande alívio o fim da angústia de progresso que oprimia os brasileiros: a Paz é a desistência dos sonhos de felicidade.

Daí, veio o movimento “Desiste Brasil”, organizando o antigo caos em ilhas, em zonas de atraso. Um dos sucessos foi o PEP, “Plano de Extermínio de Periferias”. No início, alguns humanistas protestaram mas, depois, se acostumaram com o fechamento das favelas com muros de concreto, como em Gaza-Auschwitz. Outro grande programa foi o PROCU (Projeto de Criminalidade Unificada), que mapeou as máfias todas, a evangélica, a ruralista, hospitalar, a de traficantes, formando um arquipélago de áreas exclusivas com regras de matança mais controláveis. Sem falar em iniciativas de vanguarda moral como a COPUT (Cooperativa de Prostituição Infantil), que organizou as meninas de rua e incentivou o turismo sexual de que tanto dependemos.

Isso, além do PROCRACK e do PROMERD (cagadas genéricas) e a PROLIM (venda de liminares “a priori”). Criou-se o “Orçamento Espoliativo”, que os congressistas adoraram, com sete novos necrotérios em Alagoas e nove clínicas essenciais de cirurgia plástica no Piauí, de onde veio também a bela ideia da “Comunidade Sossegada”, que distribui Lexotans aos retirantes da seca.

Mas, foi aí que comecei a tremer. Olhava os outros do meu canto: pareciam tão felizes... Sim, mas de vez em quando eles entravam num choro meloso, um uivo desesperado como as sirenes que circulavam em Nueva Iork, no século 21. Meu terror foi aumentando. Eu estava só, mas via o repulsivo Futuro brasileiro, preparado por séculos de atraso. Corri de volta à minha “zona de esquecimento”, a “Le Néant”, mergulhei no silêncio dos cinco sentidos e cego, surdo e mudo, pude finalmente descansar no nada.



terça-feira, 29 de julho de 2014

Sobrenomes Espanhóis, muito interessante...


CULTURA NÃO OCUPA ESPAÇO                                             
      OS SOBRENOMES ESPANHÓIS TERMINADOS EM "EZ"

Um pouquinho de cultura no vasto campo da rica gramática da língua espanhola:
O sufixo "EZ" ao final dos sobrenomes espanhóis provem de uma raiz hebraica sefardita e tem a conotações de "Filho de..."
Desta forma:

Alvarez significa "Filho de Álvaro"
Rodri­guez "Filho de Rodrigo"
Gonzalez "Filho de Gonzalo"
Marti­nez "Filho de Martin"
Hernandez "Filho de Hernan"
 
Benitez "Filho de Benito"


Só existem duas exceções gramaticais a esta regra:

Hugo Chavez, e Evo Moralez: 

Estes são:

"Filhos da puta mesmo"...


A difícil vida da aviação e do turismo na Amazônia

Luis Neves

Terras cheias de cultura e com potencial turístico enorme, mas que ficam à mercê da burocracia e da falta de planejamento. Conheça mais sobre a (falta de) infraestrutura aeroportuária na bacia amazônica.
Somente para relembrar, em 2012 estivemos visitando, a convite da WF Viagens e do Amazon Sport Fishing, as cidades de Barcelos e Santa Isabel do Rio Negro, numa jornada de turismo dedicado a pesca esportiva. Durante nossa expedição pelas águas escuras do Rio Negro vivenciamos experiências inesquecíveis com coisas que jamais poderíamos imaginar que ainda existiam no Brasil.
Vimos de perto um Brasil indígena, quase sem mistura de raças, onde o povo faz questão de manter sua tradição e cultura. Um espetáculo cultural ao vivo, acontecendo a nossa frente.
Em nossa jornada até lá, dividimos espaço, em voos regulares da Azul, com funcionários FUNAI, do SIVAM, das forças armadas, ambientalistas, além de muitos turistas e pescadores que se deslocam de várias partes do globo em busca do peixe mais esportivo do mundo: o Tucunaré Açu, encontrado somente no Amazonas.
Vimos também a importância (e o quanto é fundamental!) do transporte aéreo para a integração dessas regiões com o restante do país. Para se chegar até ali só existem duas opções: poucas horas de avião ou alguns dias de barco! Além de servir como meio de transporte de muita importância, os voos regulares também salvam vidas, devido aos baixos recursos desses municípios, é comum que os aviões decolem dessas cidades com pessoas doentes para levá-las a cidades maiores e à capital, Manaus. Em 2011 testemunhei o lamentável falecimento de um menino de cerca de 10 anos que era transportado, doente, de Barcelos até Manaus. Vítima de malária.
Mas não pense que tudo são flores, pelo contrário, a infraestrutura aeroportuária é mantida pelas prefeituras e é um tanto precária. Um pescador (dos de verdade) me contou que num minúsculo terminal de um aeroporto da região no qual desembarcou não havia nem extintor.

Em Outubro de 2013, a ANAC comunicou e convidou todos os municípios (prefeitos e seus representantes) cujos aeroportos estavam com graves problemas de segurança e que precisavam se adequar imediatamente. Como estamos no Brasil, os municípios conseguiram prorrogar o prazo para as adequações. E, de novo, como estamos no Brasil adivinha se alguma coisa foi feita? Mas é claro que não.
Tanto que no dia 8 de Maio, o comunicado da Azul do cancelamento dos voos para Barcelos e Santa Isabel do Rio Negro nem causou estranheza. Estava a ANAC interditando os terminais. Acabou o prazo a ANAC cumpriu com seu compromisso. Esse fato causou revolta no meio turístico, pois reforço que a Amazônia é maravilhosa não apenas para o turismo de pesca, mas para o turismo ecológico. Aliás, todos deveriam conhecer um dia.
E o impacto maior não foi no turista, caro leitor. Mas sim dos povos ribeirinhos, que dependem muito do turismo na região.
Hoje
O deputado estadual do Amazonas Marcelo Ramos disse que a postura da Azul Linhas Aéreas de reduzir e suspender as operações de voos em alguns municípios amazonenses é um “desapreço e irresponsabilidade para este Poder Legislativo, ao governo e ao povo deste Estado”. O parlamentar disse que a empresa é a única beneficiaria da Lei de Renuncia Fiscal para aquisição de combustível para as aeronaves e pediu independência das agencias reguladoras na fiscalização de empresas aéreas.
A SAC (Secretaria de Aviação Civil) determinou que ANAC, libere os sete aeroportos do estado do Amazonas, mesmo sem condições e infraestruturas mínimas.
Em decisão publicada no Diário Oficial em 10 de Outubro de 2013, a ANAC diz que a liberação se deve, a um pedido de “flexibilização dos requisitos de infraestrutura” feitos pela SAC. Na decisão, a agencia condicionou a liberação dos aeroportos a uma serie de investimentos e medidas mitigadoras que deveriam ter sido feitas pela SAC após 180 dias. Caberia ainda a SAC enviar relatórios mensais para ANAC fazer o acompanhamento da situação dos aeroportos e, em caso de descumprimento, voltar a fechar o aeroporto.
A SAC informou que os sete aeroportos estão em Plano da Aviação Regional que os estudos de viabilidade de todos já foram realizados. Falta agora elaborar os editais de licitação. A SAC diz que espera realizar em Junho a licitação para reforma dos primeiros 270 aeroportos previsto no Plano de Desenvolvimento da Aviação Regional. O plano foi anunciado em Dezembro de 2012 e prevê investimento de R$7,3 Bilhões.
Resumo: burocracia de todo lado, mas até o momento os aeroportos das cidades de Barcelos, Coari, Santa Isabel do Rio Negro, São Paulo de Olivença, Humaitá, Eirunepé e Fonte Boa, operam sem as condições mínimas de segurança, a falta de sinalização na pista e de sistema de combate a incêndio. Alguns aeroportos estão localizados próximos a lixões e sofrem com possíveis riscos de acidente com urubus.
Sobre combate a incêndio, a SAC informou que o governo do estado vai enviar dez caminhões para os aeroportos que necessitam além dos sete já mencionados os outros três que necessitam são Manicoré, São Gabriel da Cachoeira e Parintins.

Em Fonte Boa, nem a ordem de abertura conseguiu atrair empresas aéreas, tal situação dos aeroportos fez com que Azul deixasse de operar em Agosto de 2013 e não retomou operações. A companhia aérea ainda, operava em 5 dos 7 aeroportos liberados pela ANAC, no entanto no mês de Maio interrompeu as operações em Barcelos e Santa Isabel do Rio Negro.
Em resposta a imprensa a Azul Linhas Aereas alega “Falta de perspectiva, no curto prazo para realização de investimentos e infraestrutura aeroportuária”.
A MAP (empresa aérea local) mandou uma proposta para iniciar seus voos regulares para Barcelos e Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira, segundo Marcondes diretor de vendas da empresa as três cidades são muito procuradas por turistas do mundo todo que vão em busca da pesca esportiva além de atender ONG, ambientalistas e órgãos do governo que visitam a região com frequência.
Sofrimento do povo ribeirinho
Em quanto não existe uma solução a curto prazo para os aeroportos sem infraestruturas necessárias para operar no estado do Amazonas, a população desses pequenos municípios sofre com o descaso e a falta de capacidade do governo em priorizar as mudanças necessárias para que as companhias aéreas tenham condições de oferecer serviços com segurança.
Cabe a nós ficar de olho e cobrar por meio de mídia essas tais mudanças necessárias para operação.
Fotos de aeronaves que operam(ram) nas regiões citadas no texto








Uma guerra civil? Escolha em que modalidade ela vai acontecer.



O limite foi alcançado, não há como retornar. O PT dá seu ultimo e derradeiro golpe, o decreto 8.243. O Congresso não terá mais serventia, serão obsoletos diante da nova forma de legislar. , mas, mesmo assim não tomaram uma posição definitiva contra o golpe comunista.

Entender qual o real significado do Decreto exige ler pacientemente todo o seu texto, tarefa relativamente ingrata. Como todo bom decreto governamental, trata-se de um emaranhado de regras cuja formulação chega a ser medonha de tão vaga, sendo complicado interpretá-lo sistematicamente e de uma forma coerente.

Como o nome diz, trata-se de um “decreto”. “Decreto”, no mundo jurídico, é o nome que se dá a uma ordem emanada de uma autoridade – geralmente do Poder Executivo – que tem por objetivo dar detalhes a respeito do cumprimento de uma lei. Um decreto se limita a isso – detalhar uma lei já existente, ou, em latinório jurídico, ser “secundum legem”. Ao elaborá-lo, a autoridade não pode ir contra uma lei (“contra legem”) ou criar uma lei nova (“præter legem”). Se isso ocorrer, o Poder Executivo estará legislando por conta própria, o que é o exato conceito de “ditadura”. Ou seja: um decreto emitido em contrariedade a uma lei já existente deve ser considerado um ato ditatorial.

Seu art. 1º esclarece tratar-se de uma nova política pública, “a Política Nacional de Participação Social”, que possui “o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil”. Ou seja: tratar-se-ia apenas de uma singela tentativa de aproximar a “administração pública federal” – leia-se, o estado – da “sociedade civil”.
O problema começa exatamente nesse ponto, ou seja, na expressão “sociedade civil”.
Muita atenção a esse ponto, que é de extrema importância. O Decreto tem um conceito preciso daquilo que é considerado como “sociedade civil”. Dela fazem parte não só o “cidadão” – eu e você, como pessoas físicas – mas também “coletivos, movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Ou seja: todos aqueles que promovem manifestações, quebra-quebras, passeatas, protestos, e saem por aí reivindicando terra, “direitos” trabalhistas, passe livre, saúde e educação – MST, MTST, MPL, CUT, UNE, sindicatos… Pior: há uma brecha que permite a participação de movimentos “não institucionalizados” – conceito que, na prática, pode abranger absolutamente qualquer coisa.
Em resumo: “sociedade civil”, para o Decreto, significa “movimentos sociais”. Aqueles mesmos que, como todos sabemos, são controlados pelos partidos de esquerda – em especial, pelo próprio PT. Não se enganem: a intenção do Decreto 8.243 é justamente abrir espaço para a participação política de tais movimentos e “coletivos”.

Pois bem, com estes “mecanismos” em ação os desideratos da esquerda são definitivamente alcançados, cada segmento “social”, logico,  se manifestarão que mais lhe provier.
Perda da propriedade privada será um deles, com MST e MTST invadindo terras e casas. As fontes produtoras não estarão seguras, serão envolvidas nos debates destes segmentos “sociais” ocasionando a queda de produção e, consequentemente o desemprego.
Lógico que os produtores irão buscar mecanismos para sua defesa. E os mecanismos não serão alcançados na esfera judicial, será no uso de armas. Assim como o proprietário que na iminência deperder seu bem, o abrigo de sua família, certamente vai reagir com emprego de força.
Mas de que vai adiantar? De nada! Milícias de ambos os lados serão formadas para se digladiarem. Um em defesa da propriedade, outro na ganância em se apoderar dela. Estará declara uma “guerra civil” sem limites, com requintes nunca antes vistos.
Fomos lenientes demais, tanto que se viram soltos para alçar este perigoso voo com o decreto 8.243. De outro modo, uma Intervenção poderia ser a salvação da Nação. Nem tanto, não largariam o osso tão facilmente. Já vimos a quantidade de doações a países estranhos, com regimes ditatoriais; claro que com alguma finalidade, ninguém faz nada de graça. Um exército de haitianos entra tranquilamente no Brasil sem nenhuma avaliação de suas possibilidades em nosso território. Sem nenhuma vocação profissional, só bélica. Para matar brasileiros nada melhor que estrangeiros, não haverá REMORSO.
Convido a se manifestar contra esta ameaça, Link: Manifestação contra o decreto 8.243

Várias etapas deste processo foram omitidas aqui, dentre eles o desarmamento. Pensem nisso.
Portanto podemos escolher. Morrer aos milhares numa guerra sem limites de ação ou uma baixa aceitável com um contra golpe cirúrgico na quadrilha que nos lesa e leva ao comunismo.


domingo, 27 de julho de 2014

Imigração de haitianos: Dá para pensar... (Não deixe de ler)

Eu não tinha pensado nisto! Realmente, não sabemos como 20.000 haitianos, em situação deMISÉRIA, conseguiram dinheiro para comprar passagens aéreas para o Peru; de lá, para o Acre, e, do Acre, para São Paulo. É algo que os Centros de Inteligência Militares e a Polícia Federal deveriam apurar.

O preço mais barato encontrado para o trecho Port-au-Prince/Lima foi de US$ 650.00. E para o trecho Lima/Rio Branco, US$ 912.00. Somando os dois, temos US$ 1.562,00. Com o dólar a 2,30 = R$ 3.592,00 + a passagem Rio Branco/Guarulhos = R$ 500,00. Total: R$ 4.092,00
COMPLEMENTANDO
R$ 4092,00 x 20.000 Haitianos = R$ 81.840.000,00 dos impostos pagos por nós? Quem pagou essa conta? Será que foi o PT? Será que esses haitianos vão ser naturalizados? Isso vai virar bolsa-família para votar na Dilma? Será que virão para São José dos Campos e serão acolhidos pelo Prefeito Carlinhos de Almeida?


O CASO DOS HAITIANOS E O
MISTÉRIO DE SUAS VIAGENS

O Brasil não faz divisa com o Haiti. Está até que bem longe do Haiti, e, jamais, teve qualquer tipo de relação verdadeira.

Até hoje, ninguém entendeu por que Lula obrigou que se mantivesse uma força de "paz" de soldados brasileiros no Haiti,
sob um custo absurdo de dinheiro dos cofres brasileiros, por tanto tempo.

Que se fizesse uma vaquinha de dinheiro de alguns países, que o Brasil participasse desta vaquinha...
Até aí, aceitável. Mas não, deixar lá soldados brasileiros que não tinham a menor ideia do que faziam ali.

Na época, falavam em 2 bilhões de dólares de custo. Isso é coisa para Estados Unidos, Russia e Japão;
não, para o Brasil ficar bancando.

Passa o tempo... De repente, começa a entrar uma quantidade enorme de 20 mil haitianos dentro do Brasil, sem documentação, sem autorização. E justamente pelo estado governado pelo PT, que é o Acre.

Onde estava o general Enzo, conhecido por ser comandante do Exército? Aliás o general Enzo já deveria ter renunciado ao cargo no dia em que não teve coragem de cumprir o Regimento do Exército, e tirar a medalha dada a Genoíno; pois, pelo Regimento, se algum ganhador da medalha for condenado por algo no futuro, o Exército cassa a medalha.
O mensaleiro José Genoíno, agraciado com a Medalha do Pacificador em 2003 pelo General Albuquerque, então Comandante do Exército. 

Pergunto de novo! Onde estava o general Enzo, que não tomou a atitude de guarda constitucional da fronteira, e permitiu a invasão de 20 mil haitianos que vieram de um país que não tem fronteira com o Brasil? Será que não funciona mais aquele serviço de inteligência do Exército que tão bem funcionava antes?

Vamos mais longe para concluir o pensamento. O Haiti fica longe do Brasil. Claro, então alguém forneceu a logística para que 20 mil haitianos viessem até a América do Sul e entrassem justo no Peru. Mas, por que o Peru? Seráque é porque o Peru faz divisa com um estado governado pelo PT? Ists é matemática e inteligência de guerra que o general Enzo deveria conhecer e não demonstrou nada.

Os haitianos vêm de longe, sem dinheiro; em logística que custa caro, e alguém organizou - e pagou - para eles entrarem na América do Sul pelo Peru, que fica na divisa com o Acre. Lógico que o Peru não queria acolher os haitianos.E sabe por que?  Porque eles não têm, sequer, qualificação profissional.

Aliás, a Polícia Federal descobriu que muitos têm qualificação sim: são milicianos no Haiti, e formam bandos de gente fora da lei.

Agora, o governador do Acre arrumou dinheiro para mandar os haitianos para São Paulo. E o prefeito de São Paulo, Haddad, do PT, já tinha todo o material preparado para acolher os haitianos, colocando uma tropa de trabalhadores para deixar em boas condições um galpão bem reformado, com todas as boas condições de sobrevivência.

Esse é o mesmo prefeito do PT, que deixa nas ruas, sem resolver nada, os brasileiros que não têm teto, afora o grande número de moradores de rua.

Será que só eu, que não tenho curso na Escola Superior de Guerra,
estou vendo toda uma trama de guerrilha arquitetada pelo PT?
agora ja temos um AGRAVANTE =  esses haitianos ja conseguiram aqui DUPLA cidadania   e   ja  tiraram seu TITULO DE ELEITOR... e bem rapidinho :

Segundo o  que alguns deles disseram = foram convidados a vir para cá
para, entre outras coisas, VOTAR  NO  PT
e estar preparados para participar de uma possivel GUERRA Civil.....

sábado, 26 de julho de 2014

Fui questionado e não encontrei. Pode me ajudar?



INFELIZMENTE NÃO PUDE AJUDAR! POR FAVOR, SE VOCÊ TIVER OU SOUBER QUEM TENHA, MANDE-ME O MATERIAL ABAIXO :

...e o butim* do Adhemar???

* butim - conjunto de bens materiais e de escravos, ou prisioneiros, que se toma ao inimigo no curso de um ataque, de uma batalha, de uma guerra. Pode ser o produto de roubo ou de pilhagem.

"Sobre o assalto ao ex-governador paulista Adhemar de Barros, em 1969, revela que Dilma organizou a partilha do butim, cuidando da distribuição de armas, munição, documentos e dinheiro"

Tenho recebido e-mails de cunho político e a grande maioria é contra  a  Dilma.

Assim, para agir de forma democrática, justa e contribuir com o debate devemos conhecer o que Dilma já deu e contribuiu para o Brasil.
Se você souber ou conhecer alguém que saiba, por favor informe:

1- Fotos dela lutando pela democracia (Tem que existir, por exemplo: uma foto da Dilma nas Diretas Já!);

2- Uma só foto da Dilma em uma passeata pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita!; (será que não tem?)

3- Uma foto da Dilma em algum evento pela Constituinte Livre e Soberana!;

4- Uma foto da Dilma no  Impeachment do Collor;

5- Uma foto ou vídeo, que ela apareça indignada com o Mensalão ou com a história do dinheiro nas cuecas, nas malas, nas meias, etc;

6- Uma foto ou vídeo de algum trabalho  social de que ela já tenha participado (ela nunca participou de nada?);

7- Uma foto ou vídeo em que ela se mostre autêntica e naturalmente simpática!

8- Uma foto dela com o marido ou ex marido ou pai da filha (tem que existir!). Afinal de contas, se ela for reeleita, precisamos saber “DE QUEM ESTAMOS FALANDO”, já que até agora ninguém sabe.
Não é possível que não saibamos quase nada sobre nossa “presidenta”.
Chega de boatos, de disse-me-disse.
Queremos fotos, notícias de jornal, documentos históricos.

Por favor, peça também a ajuda dos seus contatos e vamos acabar com o ‘Apagão Biográfico da Dilma’.


Este pedido de ajuda pipocou em minha caixa de correio, parece ser o grande “must” do momento. Como não pude ajudar, transfiro a incumbência aos leitores…




Sempre há Instancia Superior para corrigir e proteger a sociedade.

Justiça determina que mulher de Nem da Rocinha retorne à prisão.

O DIA

Decisão indefere benefício de prisão domiciliar concedido no último dia 2 pelo desembargador Siro Darlan

FELIPE FREIRE
Rio - Por dois votos a um, foi indeferido o pedido de prisão domiciliar de Danúbia de Souza Rangel, mulher do traficante Antonio Francisco Bomfim Lopes, o Nem da Rocinha, que seria cumprida em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. O benefício havia sido concedido no último dia 2 pelo desembargador Siro Darlan, da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio.
O motivo foram publicações de fotos de Danúbia na Internet, que mostram a jovem em uma academia. Ela terá que retornar à Bangu após publicação de decisão da Justiça. O documento ainda não tem prazo para ser redigido.
Na ocasião, o desembargador explicou a mulher de Nem tem uma filha de quatro anos e que ela, segundo avaliação médica, vem sofrendo inúmeros transtornos desde a prisão da mãe. Siro ainda disse que o direito de convivência familiar é "tão importante quanto o direito à vida, à saúde, à dignidade, ao respeito e à liberdade". O magistrado ainda destaca que, como determina o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), todo menor de idade deve ser criado no seio da família.
Justiça nega prisão domiciliar à Danúbia de Souza Rangel, esposa do traficante de Nem da Rocinha
Foto:  Divulgação


"Primeira-dama da Rocinha"
Em março deste ano, durante uma operação da Polícia Federal, Danúbia foi presa em sua residência, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, acusada de repassar orientações de Nem para os demais integrantes da quadrilha na comunidade Rocinha.
Chamada de ‘primeira-dama’ ou ‘xerifa’ da Rocinha, ela ainda é investiga por lavagem de dinheiro. Também são alvos os advogados Demóstenes Dantas Cruz e Luiz Carlos Azenha, além do traficante Anderson Rosa Mendonça, o Coelho, e outros integrantes da quadrilha.
Em 2011, Danúbia já havia sido investigada devido a suspeitas da mesma natureza em inquérito da Polinter, na Polícia Civil. Segundo os policiais, ela usufruía do dinheiro arrecadado com a venda de drogas para ostentar luxo na favela.

Esposa do traficante Nem foi presa durante ação da Polícia Federal
Foto:  Reprodução Internet
A prisão
Danúbia de Souza Rangel foi localizada em novembro de 2011 no interior da favela da Rocinha, Zona Sul do Rio. Na ocasião, ela estava em uma casa em cima do salão de beleza da sua cabeleireira de confiança. A ação foi realizada pelo Bope e foi conduzida com a irmã Telma para a 15ª DP (Gávea) para prestar depoimento.