sábado, 10 de janeiro de 2015

Mexeu onde não devia

Playboy é o traficante mais procurado do Rio; Tida seria seu braço-direito, segundo a polícia (Foto: Divulgação / Portal dos Procurados)
O Estado não se intimida, rsrsrsrs. Solução rápida: Aumentou para R$ 50.000,00 a recompensa por informação que leve a captura de Playboy.
Os “reservatórios” de dinheiro, os depósitos de veículos apreendidos, são uma fonte de dinheiro para o Estado. Sua terceirização foi necessária na medida em que visualizaram uma fonte que não podia ser desprezada.

Como o Estado se mostra incapaz de administrar os depósitos, nada mais interessante que “privatizar” este “negócio” rentável.

Então, “ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão”. Mas não é bem assim, das 193 motos roubadas, 97 foram devolvidas pelos ladrões, o que foi interpretado pelas “otoridades” como receio pelas ações policiais a serem desenvolvidas na comunidade. Me dá vontade de rir.

Mas a ação policial aconteceu, um efetivo e aparato invejável foi mobilizado para recuperar os veículos. Esses depósitos terceirizados, que se negaram a dar informações à polícia, que não tinham câmeras em suas instalações, mereceram atenção especial do Estado, ao contrário dos proprietários lesados que ficaram horas e dias nas delegacias tentando registrar o roubo de seus veículos.

Em operação policial desencadeada na manhã de hoje (9), no Morro da Pedreira, em Costa Barros, subúrbio do Rio, policiais civis conseguiram apreender mais de 50 das 193 motos roubadas do galpão do Departamento de Transportes Rodoviários do Rio (Detro), em Fazenda Botafogo, na zona oeste da capital, na noite do dia 31, em ação que segundo a polícia foi comandada pelo traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy.
Na ação comandada pelo delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Autos (DRFA), Pedro Medina, a polícia estourou, ainda, um galpão onde funcionava uma oficina de desmanche de carros no Morro da Quitandinha, na região da Pedreira, apreendendo outros veículos roubados, inclusive um caminhão.
Segundo o contrato do Detro com a empresa Rodando Legal, que administra o depósito de onde 193 motos foram roubadas, em Fazenda Botafogo, na Zona Norte do Rio, o local deveria ter câmeras de segurança para zelar pela integridade das motos apreendidas. Entretanto, um funcionário relatou à polícia que desde abril de 2014, quando começou a trabalhar na empresa, o depósito não tem circuito de segurança.
Segundo nota do Detro, a empresa informou ao órgão que “as câmeras do pátio de Fazenda Botafogo foram quebradas durante o roubo” — versão que todos os funcionários negaram em depoimento. 

O que eles tem que eu não tenho?
Há mais de seis meses minha moto foi "apreendida" (roubada/furtada) por PMs. Não que a ação fosse ilegal, mas o modo como foi feita é totalmente ilegal. Até hoje ainda não sei para onde foi levada, nem me foi fornecido a devida GRV, documento com as informações da apreensão que possibilita sua retirada. Só sei que ela ficou uma semana em dependencias de UPP, local impróprio para retenção de veículos.

Um comentário: