terça-feira, 12 de maio de 2015

Dá pra acreditar nisso? Eles roubaram o dinheiro da saúde do PM.

Escândalo do HCPM: 11 PMs devem ser processados e expulsos da corporação.


Onze PMs serão processados administrativamente e podem ser demitidos da corporação após o escândalo envolvendo compras para os Hospitais da Polícia Militar vir à tona. Investigações apontam que o desvio chega a R$ 7,9 milhões dos cofres públicos durante o ano passado.
O chefe do Estado Maior da Polícia Militar, coronel Robson Rodrigues, disse que a corporação vai iniciar "um processo demissionário dos policiais envolvidos e acusados".
O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, também comentou sobre o assunto nesta sexta-feira. Segundo ele, a apuração sobre as irregularidades está sendo feita desde setembro de 2014. "Os policiais que estão em suspeição estão afastados, mas não somente os que faziam parte desta verdadeira organização criminosa. Não há como a gente não fazer uma ação forte, uma ação exemplar. Pelo conteúdo dessa investigação, tenho quase certeza que essas pessoas além de presas vão ser expulsas da corporação", declarou.
O TCE-RJ detectou, nesta quinta, que quase a metade do valor de sete contratos, que somam R$ 13,9 milhões, foi desviado. Uma das compras irregulares identificadas na auditoria foi a de 71 mil litros de ácido peracético, que poderiam ser usados ao longo de 230 anos nos hospitais da PM. Porém, apenas 100 litros foram entregues.
O presidente da Associação de Praças da Polícia Militar, Vanderlei Ribeiro, disse que cerca de 70 mil policiais foram lesados, já que enfrentam péssimas condições de atendimento nas unidades, e vai entrar com uma ação na Justiça.
O que aconteceu em vários episódios em nossa Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro é reflexo da política que vivenciamos. A saúde sucateada com os diversos desvios de verba pública à ela destinada, mortes na porta dos hospitais sem atendimento, falta de higiene, falta de limpeza, falta de tudo.
Mas há uma diferença que agrava a situação na PMERJ, a verba não é pública, é verba descontada todos os meses nos contra cheques de todos os policiais militares, desde o soldado até o Comandante Geral, ou seja, o meu dinheiro. É o seu igual lhe roubando descaradamente e condenando policiais e dependentes a um sofrimento com seus atos.
Há tempo acredito que na PMERJ só vai haver decência, pelo menos obrigatória, com controle externo de seus atos, do financeiro ao disciplinar. É uma cambada de FDP! Não se pode admitir que militares de uma Corporação se apoderem  do dinheiro destinado ao bem comum, que punam sem razão, que ajam sempre satisfazendo seus interesses. Já basta o Estado que não comparece com sua contrapartida financeira como dita a Norma que regulamenta o FUSPOM.

Sinceramente não acredito nesta dita “expulsão” destes LADRÕES, As Corregedorias levarão anos “analisando” os Autos, deixarão no esquecimento. Mas os LADRÔES, ainda na ativa, completarão seu tempo de serviço e, quando chegar ao TJRJ, que tem a competência da perda de patente, serão reformados administrativamente. Já terão mais de 30 anos de serviço.
Mas espero que pelo menos o criminal lhes aplique a devida pena de reclusão, pois assim como os traficantes, condenaram policiais à morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário