quarta-feira, 29 de julho de 2015

O PM tem direito a não ter direito. Mude a história!

Sua unica glória é a morte?


O PM tem direito a não ter direito e não abusar deste direito que lhe é concedido.

O policial têm que parar de esperar um salvador ou salvadores, nós somos a última linha de defesa entre o caos e a normalidade, então porque na hora de exercermos nossa cidadania e dizer que não aceitamos mais essa chacina de agentes da lei, parecem todos veadinhos indefesos esperando um cavaleiro nu montado num cavalo branco...(Elituzalem Gomes Freitas – Major PM)

Não vou me esquivar de falar sobre isso, uma realidade possível, uma chance de ter voz, uma Associação realmente forte. O Policial Militar está tão desacreditado que não confia, mas não pode desanimar, tem que conhecer, tem que avaliar. E se avaliar, vai ver que é possível sim. Outras Corporações já mostraram isso.

Não vejam numa associação só benesses, facilidades na aquisição de bens, esta é a parte mais fácil. Veja a possibilidade de representatividade. São inúmeras associações na PMERJ e CBMERJ, nenhuma com voz pelos associados, só a arrecadação lhes interessa.

Se nossa associação tiver poder de representatividade, ou seja, número forte de associados, podemos emitir notas de repúdio, protocolar ações jurídicas, convocar atos, não sou sindicalista e nem revolucionário, isso faz parte da democracia! Democracia há tanto tempo comentada e tão ignorada.




Note bem, os gestores não precisam do seu dinheiro, a associação sim. São também PMs, porém com vida financeira resolvida. “É algo que nem todos podem entender”, lembra disso?



Adsemerj.
Os benefícios básicos aos associados Adsemerj: 
Plano dentário Prodent;
Seguro de vida;
Assistência funeral (12 meses de cesta básica à família);
Assistência jurídica 24hs;
Desconto na compra de armas;
Desconto para a compra de veículos (negociando);
Desconto em redes educacionais (negociando);
Cartão alimentação Rede Pão de Açúcar (negociando);
Acesso às áreas de lazer dos clubes (Vargem Grande, Praia Seca, Teresópolis e Búzios;
Acesso aos Stands de tiro dos nossos clubes;
Cartão medicamentos, com até R$ 250,00 reais de créditos por mês nas farmácias conveniadas;
Esse é o pacote básico, posteriormente lançaremos outros, valor mensal R$ 89,90
Faça acontecer!
Email: contato.adsemerj@gmail.com WhatSap (21) 99993- 5851

Página Facebook: ADSEMERJ

2 comentários:

  1. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    ResponderExcluir
  2. O Policial Militar está tão desacreditado que não confia no sistema, porque sua instituição é vítima nada mais nem menos deste sistema falido e de políticos corruptos, mas não pode desanimar, tem que seguir em frente!

    ESCALA DIGNA DE SERVIÇO JÁ!

    Queremos o cumprimento do Art. 6º da Lei Estadual 6.162/12 (RJ), de 9 de fevereiro de 2012;
    "Art. 6º: Fica o Poder Executivo autorizado a instituir por Decreto sistema de Banco de Horas Adicionais de Trabalho para policiais civis e militares, bombeiros militares e agentes penitenciários, mediante contraprestação pecuniária adicional pelas horas a mais trabalhadas."

    O Decreto Estadual nº. 43.538 (RJ), de 03 de abril de 2012, que versa sobre a jornada de trabalho para os Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro, tendo clara redação, sendo então a jornada de trabalho de 144 horas mensais para Policiais Militares da atividade fim (serviço de rua) e 40 horas semanais para os Policiais Militares da atividade meio (serviço de expediente), conforme O Art. 3º, §§ 1º e 2º do supracitado Decreto;
    "§ 1º - Quando o policial civil, policial militar, bombeiro militar ou agente penitenciário estiver trabalhando sob regime de escala, só serão considerados turnos adicionais àqueles que, tomando-se em conta o mês com duração de 30 (trinta) dias, excederem a 144 (cento e quarenta e quatro) horas mensais efetivas de turnos regulares.
    § 2º - Quando o policial civil, policial militar, bombeiro militar ou agente penitenciário estiver trabalhando sob regime de expediente, só serão considerados turnos adicionais àqueles que excederem a 40 (quarenta) horas semanais efetivas de expedientes regulares." .

    Solicitamos o cumprimento das escalas de 12x48 e 24x72 para a atividade fim (serviço de rua) e 40 horas semanais para a atividade meio (serviço interno).

    As escalas 12x48 e 24x72 estão previstas no Bol da PM n.º 027 - 08 Fev 12, páginas 82 e 83;
    "1 – 1º, 2º, 3º e 4º COMANDOS DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    Rádio patrulhas, cabinas e interdições – Escala 12x48 (doze horas de serviço por
    quarenta e oito horas de folga);
    Grupo de Ações Táticas – GAT, Auto Patrulha de Trânsito – APTran, Postos de
    Policiamento – PP, Postos de Policiamento Comunitário – PPC, Destacamento de
    Policiamento Ostensivo – DPO, Guarda do Quartel, Oficial de Dia, Adjunto ao Oficial
    de Dia e Quartilheiro – Escala 24x72 (vinte e quatro horas de serviço por setenta e duas horas de folga) tendo a garantia de 06 horas de descanso durante o serviço;
    Policiamento Ostensivo de Trânsito – POTran e Policiamento Ostensivo Geral à Pé –
    POG à Pé – Escala 4x2 (quatro serviços de 07 horas por 02 dias de folga);
    Auto Patrulha de Trânsito – APTran (nos locais onde o comando da unidade entenda
    não haver necessidade deste serviço por 24 horas) e Patrulhamento Motorizado Especial
    – PAMESP – Escala 10x38 (dez horas de serviço por 38 horas de folga).
    2 – 5º, 6º e 7º COMANDO DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    As escalas deverão seguir o mesmo padrão da carga horária acima especificada,
    podendo, de acordo com a distância do local de serviço haver um aumento proporcional
    das horas de serviço e folga.
    Exemplo de Escala de Destacamento de Policiamento Ostensivo no interior – 48x144.
    3 – UNIDADES POLICIAIS ESPECIAIS.
    As unidades policiais especiais deverão utilizar uma das escalas acima elencadas, tais
    como:
    12x48 – 24x72 – 4x2 – 10x38"

    ResponderExcluir