terça-feira, 11 de agosto de 2015

O cúmulo do cinismo

"Que gritem alto o nome deles, para que o povo saiba o nome dos corruptores"


Rodrigo Moreyra

A carta da Odebrecht emitida para tranquilizar funcionários, afirmando que empresa vai muito bem mesmo com prisão do presidente, Marcelo Odebrecht, revela todo o seu cinismo em uma data como a de hoje, Dia dos Pais, ao esquecer completamente dos chefes de família que foram demitidos apenas porque lá estavam. Centenas de milhares de filhos que viram seus pais desesperados, leram a carta do presidente tranquilizando os que talvez tenham sido solidários com a corrupção. Isso em uma companhia que não só desestabilizou a imagem do Brasil como também desqualificou todo o segmento empresarial do país. Como se não bastasse, a empresa ainda faz parte do grupo que está levando o Brasil a perder o investment grade e a se transformar num vulcão social. 


Seria muito bom, na passeata que mobiliza o povo a ir às ruas, se além de pedir o fim de um processo político ela pedisse também o que até agora não se ouviu de nenhum membro da classe política -- o repúdio nacional não só contra o partido político que eles dizem ter sido o responsável pela crise, mas, fundamentalmente, contra as empresas que, essas sim, corromperam e destroem o país. 

É preciso que até o dia 16 de agosto haja um clamor público e vários discursos no Senado, como representantes deste povo que eles convocam para ir às ruas, para que se ouça da população ordens de punição dos corruptos e os nomes das empresas que corromperam.
Não é possível continuar só ouvindo a desqualificação de um grupo de ratos da corrupção. Temos que ouvir o nome e o repúdio dos nossos representantes àqueles que corromperam. Que gritem alto o nome deles, para que o povo saiba o nome dos corruptores. 
Creio que neste caso corrupto e corruptor sejam o mesmo elemento, pois, sem a intenção dos saqueadores da Nação, o suposto "corruptor" não teria oportunidade de se manifestar.
Ou acham que a empresa é corruptora sem um incentivo dos corruptos? Não se trata só de um partido, é toda uma classe política.


Nenhum comentário:

Postar um comentário