quinta-feira, 10 de setembro de 2015

A economia amanheceu mais próxima de mudar a política

Geraldo Samor, da Veja.com, é de longe o melhor colunista econômico do Brasil. Destacamos dois trechos do que ele escreveu hoje:
a) Os empresários, da última vez que abriram a boca, adotaram uma postura contemporizadora. Munidos aparentemente das melhores intenções, pediram à sociedade que desse espaço de manobra para o Executivo fazer o que tinha (e ainda tem) que ser feito. Mas com a recente tentativa de inflexão da política econômica — autopsiada por meu colega Cristiano Romero em sua coluna no Valor Econômico de ontem — é provável que os mesmos empresários estejam hoje revendo suas posições sobre o que vale a pena preservar num governo que, além de ser incapaz de um mero mea culpa sincero e abrangente, nunca terá a convicção intelectual necessária para transitar do ‘free lunch economics’ para uma abordagem ‘you get what you pay for’.


b) Os próximos meses mostrarão que ontem foi uma data simbólica. Foi o dia em que o quarto governo consecutivo do PT, por seus atos e omissões, tirou de muitos brasileiros a capacidade de pagar a prestação da casa própria, do carro, o cursinho de inglês do filho — mas acima de tudo, o sentimento de dignidade que só existe quando há crescimento econômico, emprego e moeda forte.



Quando James Carville dizia que “é a economia, estúpido,” ele apontava uma verdade fácil de aceitar: as pessoas votam com o bolso, e quanto mais emprego e renda, maior a chance de quem está no Poder continuar nele.


No Brasil, a economia amanheceu hoje mais próxima de mudar a política.
O ANTAGONISTA


Nenhum comentário:

Postar um comentário