sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Queremos um Herói completo, não um que se importe só com salário.

A Força Nacional não existe, não é prevista na Constituição nem como militar nem como policia, muito menos como instituição se segurança. Seu efetivo é composto de membros das Forças de Segurança Pública dos Estados.


Um projeto de desmilitarização das PMs corre paralelo aos pedidos de impeachment e intervenção. Os policiais militares, principalmente praças, louvam isso como se fosse sua “libertação”, mas enganam-se. Os componentes da nova policia desmilitarizada será o mesmo, ou acham que não? O oficial continua sendo superior perante as praças, a hierarquia e disciplina são inegáveis nesta suposta nova polícia.

E foi assim, com este chamado, que a PMERJ compareceu maciçamente numa manifestação. Depois sumiram feito ratos, deixando para trás os que foram presos e excluídos. Toma vergonha na cara PM, deixa de ser mercenário, VEM PRA RUA lutar pelo que é seu.


Como sempre, divagam só sobre salário, parecendo mercenários esquecem que numa desmilitarização, a Força nacional passa a ser o instrumento do governo tal qual acontece na Venezuela, agredindo quem venha a se opor.
O enfraquecimento do Exercito Brasileiro seria sensível, pois as PMs e BMs são Forças Auxiliares, podendo voltar, em caso de intervenção ou outras situações, ao Comando deste.


 Lembro que numa ocasião em discussão sobre o assunto, um PM, defendendo a desmilitarização e a Força Nacional, comentou: “se me pagar um salário de R$ 10.000,00, meto porrada até na minha mãe”.

É por ai, embora considerados uma muralha entre o crime e a sociedade, conservam este pensamento em detrimento de sua responsabilidade no que tange ao País, ao patriotismo. Quero um Herói completo, não como os políticos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário