domingo, 18 de outubro de 2015

Já perdi as contas de quantas vezes fomos ameaçados de morte.

ATENÇÃO!!!!
Mauro Iasi (PCB) defende em público o assassinato de todos da "direita". Literalmente. E foi aplaudido por um auditório lotado.
Ele foi candidato à presidência do Brasil na eleição do ano passado pelo PCB, partido filiado ao Foro de S. Paulo, e já foi candidato a vice-governador de São Paulo. Não é um participante inexpressivo pinçado no meio de uma manifestação, como a imprensa faz com qualquer lunático em atos contra o PT. É PhD em História pela USP e de 2011 a 2013 foi o presidente da Associação dos Docentes da UFRJ.




O Ministério Público e a OAB vão se pronunciar? A imprensa vai mostrar a mesma indignação que aparenta em outros episódios de "discurso de ódio"? Vai ficar por isso mesmo?
O Brasil está completamente hipnotizado. Num país normal, esse tipo de vagabundo estaria respondendo judicialmente por essas declarações, no mínimo. Aqui, tem emprego público e plateia para defender paredões e assassinatos como seus ídolos fizeram ao longo da história.
Por Roberto Bitencourt da Silva (*)




O Partido Comunista Brasileiro (PCB), fundado em 1922, é a organização partidária mais antiga da história brasileira. Em grande medida, a trajetória do PCB foi marcada por uma atuação na clandestinidade. Décadas seguidas perseguido pelas forças políticas e sociais conservadoras. Nos últimos anos perdeu apelo na sociedade brasileira.

Para a eleição presidencial passada,, o PCB lançou como candidato o sr. Mauro Iasi: um paulistano, de 54 anos de idade, historiador (PUC/SP) e doutor em Sociologia (USP), também professor da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ainda jovem, começou a sua militância política em um grupo teatral, em 1976, e ingressou no PCB em 1979. Em seguida, em 1980, acompanhou o lendário “Cavaleiro da Esperança”, Luis Carlos Prestes, em seu rompimento com o partido. Militou no PT, tendo atuado como dirigente municipal e coordenador nacional da Secretaria Nacional de Formação. Em 2004, abandonou as hostes petistas e regressou ao PCB. Entre 2011 e 2013 esteve à frente da entidade sindical dos professores da UFRJ (ADUFRJ-Seção Sindical).



A Violência Planejada como Cortina de Fumaça: Qual o maior ladrão? O batedor de carteira ou aquele que está em Brasília? Apesar disso, com quais pessoas se preocupam mais? Os ladrões de Brasília adoram os bandidos, porque enquanto o povo estiver com medo nas ruas, em cada esquina, no trabalho e até dentro de casa, preocupado com sua própria segurança, com sua vida e de sua família, a ameaça é mais grave, e até se esquece dos bandidos de Brasília, das Assembléias Legislativas, Câmaras Municipais, dos governos federal, estadual e municipal... a violência serve como uma excelente cortina de fumaça, para desviar a atenção da causa dos nossos grandes problemas. Comunistas são aliados do crime organizado. Desarmaram o povo, só fazem leis para favorecer bandidos, braço armado da revolução.


Nenhum comentário:

Postar um comentário