sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Sem opção de partido? Se LIGA!


Um Partido deve ter compromisso com os anseios do Povo, mais ainda com seus eleitores.

São 35 existentes e mais uma “penca” buscando uma fatia neste cenário “cleptocrático”. Não existe “direita”, não existe “oposição”, estão todos disfarçados numa aliança macabra com final trágico para a Nação Brasileira e seu Povo ordeiro e trabalhador.

De certo modo os esquerdistas tem razão quando chamam de “golpe” o “impeachment” da presidANTA, quem vai substitui-la? Outro ladrão que não representa o povo brasileiro. A linha sucessória é uma sequencia de tudo que não presta.

Os partidos hoje só estão interessados nas vantagens e no dinheiro fácil, nada mais, devemos nos precaver e pensar numa opção, já que não há nenhuma existente neste processo eleitoral.

Apresento-lhes a opção, o Partido Liga Democrática Liberal – LIGA, um Partido sério de pessoas sérias.

Um passeio por seu Programa dá pra visualizar intenções positivas.

Programa do Partido Liga Democrática Liberal - LIGA




A LIGA é um partido político liberal-conservador orientado pelas seguintes diretrizes:
1. Defende o estado democrático livre e de direito, baseado na premissa do governo do povo, pelo povo e para o povo, preconizada uma vez pelo presidente americano Abraham Lincoln.
2. Defende a forma republicana de governo, seja a mesma presidencialista ou parlamentarista, não sendo receptivas quaisquer discussões sobre a forma de governo monárquica.
3. Defende o modelo econômico capitalista de livre mercado, conforme preconizado por Adam Smith e outros filósofos-economistas liberais e aplicado com sucesso em países capitalistas modernos, a concorrência legal e o império da lei, com barreiras legais para a formação de cartéis ou monopólios de mercados.
4. O Partido se norteia, no âmbito político-econômico, pelos princípios do conservadorismo liberal, de caráter patriótico e inspirado no conceito da “Política da Prudência”, cunhado pelo filósofo político Russell Kirk, identificado com a ideologia da direita liberal clássica.
5. Defende o direito universal e irrestrito à vida, à liberdade e a felicidade de todos os cidadãos da nação, desde o momento da concepção da vida e considera este um direito universal consagrado em todas as democracias, sendo contrário a todas as doutrinas que atentem contra o mesmo.
6. Defende o direito e o respeito à propriedade privada e considera este um direito universal consagrado em todas as democracias, sendo contrário a todas as doutrinas que atentem contra o mesmo.
7. O Partido defende os “Dez Princípios Conservadores” de Russel Kirk, e assume que uma sociedade capitalista-industrial desenvolvida alicerçada nestes é o modelo que garante o maior progresso material e felicidade individual para todos os cidadãos, de todas as classes.
8. Defende o patriotismo, o amor pelos valores fundadores da civilização ocidental judaico-cristã, o amor pelas liberdades individuais, de crítica, de expressão, de associação, de ir e vir, religiosa, intelectual e a soberania da pátria, e independência desta a qualquer projeto de supressão da autonomia do Estado brasileiro por ideologias socialistas, nazi-fascistas, antissemitas, anticristãs, racistas, islamistas-políticas, marxistas-leninistas ou congêneres. 
9. Repudia veementemente o nacionalismo, que é uma doutrina que prega o sentimento de amor pela nação (em oposição à ideia original de pátria), mas que é fabricado artificialmente pelos governos tirânicos ou que tenham atitudes autoritárias em seu âmago, sentimento este que é imposto pelo governo, de cima para baixo, de forma autoritária, e na maioria das vezes até histérica ou ufanista, e que no fundo representam os sentimentos e as vontades que o tirano deseja, de forma egoísta, que o povo do país que governa cumpra para ele, seguindo exemplos tristes do passado e do presente da história humana.
10. Defende a liberdade irrestrita de opinião, como direito natural, irrestrito e perpétuo, por quaisquer meios, seja impresso, por rádio, por transmissão audiovisual, por internet, ou por qualquer meio que exista ou que venha a existir. Os filiados ao partido devem se opor a qualquer medida dos poderes executivo, legislativo e judiciário que limite ou impeça este direito natural, ou tenha por objetivo criar mecanismos para fazê-lo no futuro.
11. Defende o direito à posse e ao porte irrestrito de armas de fogo, pois é vital para a manutenção do estado republicano, democrático, livre e de direito, que todos os cidadãos livres e cumpridores das leis na república possam ter o direito de defender tanto a si como a sua família, a sua pátria, a constituição, a democracia que a ela representa e a liberdade, contra o surgimento de governos tirânicos, autoritários, despóticos ou estados policialescos. Assim, todos os cidadãos livres da república devem ter o direito natural, irrestrito e perpétuo, garantido na constituição nacional, à posse e ao porte pacífico de armas, inclusive as armas de fogo, sendo que o Partido acredita que deve ser vedado aos poderes executivo, legislativo e judiciário, em todas as suas esferas, a edição de emenda constitucional, lei, decreto, portaria ou norma jurídica que limite ou impeça este direito natural.
12. Defende o fim do poder discricionário na administração pública em detrimento do poder vinculado. O Partido considera o poder discricionário um instrumento autoritário que vem sendo usado abusivamente pelas autoridades públicas, há muitos anos, para negar direitos básicos e constitucionais aos cidadãos brasileiros, vide “Estatuto do Desarmamento”. Em contrapartida, o poder vinculado obrigará as autoridades públicas a seguir os dispositivos legais previstos em lei. Se o cidadão atender todos os requisitos técnicos previstos em lei, a autoridade pública deverá lhe garantir o que o cidadão requisita. O filiado ao partido deverá entender e defender o império da lei, e deverá promover todas as ações políticas que visem à afetiva sujeição do Estado a este, contra a atual tendência centralizante e totalitária dos governos socialistas no poder.
13. Defende a extinção da figura do decreto regulamentador de leis pelos poderes executivos nas esferas federal, estadual e municipal, sendo que as leis votadas pelo poder legislativo já deverão prever a sua respectiva regulamentação. Tal medida se faz necessária para por fim a prática adotada há décadas no país de se alterar o espirito original de uma lei votada no parlamento através da edição de um decreto que crie obstáculos extras e não previstos na respectiva lei, vide decreto regulamentador do “Estatuto do Desarmamento”.
14. Defende a restrição do uso de portarias pelos órgãos do poder executivo, que deverão ser alvo de escrutínio prévio pelo poder legislativo antes de entrar em vigor. Tal medida se faz necessária também para por fim a prática que ministérios, secretarias, autarquias, etc., veem praticando há décadas de editarem portarias, que por fazerem menção às leis que as autorizam, tentando fazê-las terem força de lei quando na verdade não possuem tal poder. O filiado deverá entender que a separação dos poderes é um princípio sagrado pelas mais avançadas democracias ocidentais, e qualquer violação desta, ainda que velada por meio de decretos, seja por inspiração marxista-leninista ou por outra, é sempre um ataque covarde à democracia.
15. Defende uma nova constituição nacional minimalista, federalista e municipalista, de poucos artigos que prevejam os direitos naturais dos cidadãos da república e a estruturação dos poderes governativos do país e de seus entes federativos, à semelhança da constituição dos Estados Unidos da América e de suas emendas constitucionais subsequentes, deixando à legislação complementar ou ordinária a regulação do funcionamento do país, sem afetar tais direitos naturais. O Partido assume o compromisso de trabalhar no momento certo, por vias democráticas, para a realização de um plebiscito objetivando a convocação e a posterior eleição de uma Assembleia Nacional Constituinte, com poderes originários, para se chegar plenamente a esse propósito.
16. Defende a redução de regalias e o fim de privilégios classistas para todos os poderes da República.
17. Defende a adoção de critérios mais rigorosos para a escolha de ministros dos tribunais superiores e desembargadores. Os candidatos a juízes-ministros de tribunais superiores apontados pelo presidente da República deverão passar por rito de aprovação tanto na Câmara dos Deputados como no Senado Federal, rito composto de audiências públicas, abertas à sociedade civil para os questionamentos cabíveis aos candidatos, prevendo-se um total de doze (12) audiências públicas, sendo seis (6) em cada casa legislativa, igualmente espaçadas num período mínimo de três (3) meses. Os candidatos a desembargadores apontados pelos governadores estaduais deverão passar por rito de aprovação nas Assembleias Legislativas dos respectivos estados, prevendo-se um total de quatro (4) audiências públicas, abertas à sociedade civil para os questionamentos cabíveis aos candidatos, igualmente espaçadas num período mínimo de dois (2) meses.
18. Defende que juízes-ministros do STF e do STJ tenham mandato vitalício e que juízes-ministros dos demais tribunais superiores, desembargadores e procuradores gerais da República/Estaduais tenham mandato fixo de quatro (4) anos, com limite a apenas uma recondução ao cargo.
19. Defende o mandato parlamentar de vereadores fixados em dois (2) anos, de deputados fixados em quatro (4) anos e de senadores fixados em seis (6) anos, sem limite de reeleição, de forma a criar na população brasileira o hábito de participação na política, nas eleições e nos rumos do país e de cobrar as promessas de seus candidatos eleitos.
20. Defende a introdução da instituição do referendo revocatório (recall) para todos os cargos públicos dos poderes executivo e legislativos eleitos por eleição majoritária, cuja eleição se deu por voto popular e com mandato superior a dois (2) anos. Decorridos dois (2) anos de mandato nos poderes executivo e legislativo e havendo apoio de 25% do respectivo eleitorado à realização ao referendo revocatório (recall).
21. Defende a realização de uma auditoria cidadã permanente da divida publica em âmbito federal, estadual e municipal, com a finalidade de evitar o aumento descontrolado da mesma e se propor meios de reduzi-la.
22. Defende um novo conceito de polícia para o país, subdividido nas esferas federal (polícia federal), estadual (polícia estadual) e municipal (polícia municipal), sendo que a nova polícia federal continuará nos moldes da atual polícia federal, sendo, contudo, que a mesma ganhará uma legislação orgânica que a desatrele de pressão política externa ao órgão, como ocorre atualmente com o ministério da justiça colocando a policia federal em rédeas curtas. As polícias estaduais e municipais serão constituídas por polícias militares no âmbito estadual e polícias civis no âmbito municipal. A polícia estadual atuará no âmbito intermunicipal, em áreas sob a jurisdição estadual, em auxílio às polícias municipais quando solicitado, e passará a ter uma legislação orgânica que a desatrele de interferências políticas. A polícia municipal atuará dentro do âmbito municipal e será constituída por um xerife (com mandato de quatro (4) anos, sem limite à reeleição, eleito para esta função diretamente pelo povo do município, a partir de delegados de polícia concursados que se candidatem ao cargo), delegados, investigadores e policiais de patrulhamento ostensivo, especiais táticos e de choque. Haverá também uma legislação orgânica que desatrele a polícia municipal de interferências políticas.
23. Defende a criação de uma Polícia especial de fronteiras e um Departamento Civil com poderes de polícia para o controle de imigração e o estímulo à profissão do investigador privado para atuação em casos de segurança nacional e crimes civis pelos tribunais regionais e federais.
24. Defende a proibição da apropriação/armazenamento/utilização dos dados e informações dos cidadãos por empresas ou pelo Governo, salvo em caso de terrorismo, guerra ou espionagem estrangeira.
25. Defende o sistema eleitoral por voto distrital puro para todas as eleições proporcionais.
26. Defende ainda o fim do voto obrigatório como forma de melhorar a qualidade das eleições, pois o melhor eleitor é o eleitor consciente de seu próprio voto.
27. Defende que o estado democrático, livre e de direito deve ser protegido contra as ameaças externas através da constituição de Forças Armadas profissionais e altamente treinadas, especializadas e bem equipadas, assim como através da constituição de uma Guarda Nacional auxiliar e permanente, constituída por cidadãos livres que exerçam a prática do tiro esportivo ou da caça e/ou que sejam militares da Reserva Remunerada ou não Remunerada, e Reformados das próprias Forças Armadas. As unidades da Guarda Nacional serão a reserva que poderá ser convocada pelos governos estaduais em casos de emergência.
28. O Partido defende o fim do serviço militar obrigatório, pois entende que o ingresso nas Forças Armadas deve se dar por vocação individual e não por imposição de força de lei, que além de não ajudar na profissionalização das Forças Armadas, ainda gera um custo financeiro desnecessário para as mesmas.
29. Defende apenas uma recondução (reeleição) consecutiva para cargos executivos, seguindo a tradição da antiga Roma Republicana e a moderna sugestão feita por George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos da América, de que todo governante deve se reeleger apenas uma vez consecutivamente, de forma a dar espaço para novas pessoas, com novas ideias, terem também a oportunidade de aplicá-las.
30. O Partido defende a redução da presença do Estado na economia, o equilíbrio das contas públicas e o fim do déficit público irresponsável. Considera ainda que programas de resgate de empresas e pacotes de estímulos devam ser considerados ilegais, pois os mesmos são uma forma de má aplicação de recursos públicos. Em nome do bem estar da pátria, os grupos de interesses e os lobistas devem ficar fora da vida pública.
31. Defende a redução do Estado através de políticas austeras de privatizações de empresas estatais, hoje em sua maioria meros cabides improdutivos de empregos, com tem sido em toda a história brasileira recente, antro de peleguismos de todos os matizes e moeda de troca política através da indicação de apaziguados políticos para as diretorias das empresas estatais, ficando o Estado na condição de agente regulador do mercado, de forma a defender a estabilidade monetária e os preceitos do livre mercado.
32. Defende que o governo deve parar de influenciar no controle de empresas privatizadas, o que se dá atualmente por meio dos Fundos de Pensão Estatais. Assim, os Fundos de Pensão Estatais serão obrigados a se desfazer de todas as ações ordinárias dessas empresas em seus poder ou, opcionalmente, troca-las por ações preferenciais, o que irá dar garantia de retorno para o dinheiro da pensão dos funcionários das empresas estatais aos quais estes fundos estão ligados, além de garantir que as empresas privatizadas possam se desenvolver livres de pressões políticos-estatais.
33. Reformas nas leis de imigração para combater o ingresso de imigrantes ilegais e de imigrantes trazidos ao país com o objetivo de aumentar apenas uma base de apoio ao governo de ocasião.
34. O Partido defende também que a proteção dos empregos domésticos é indispensável para o bem-estar do povo.
35. Defende o desaparelhamento ideológico do Estado, em todas as esferas de seus três poderes, executivo, legislativo e judiciário, e de suas autarquias e ainda de todas as organizações de classe, estudantis ou de empresas estatais.
36. O Partido defende que a intromissão do governo (Estado) na vida dos cidadãos deve ser freada, não cabendo ao governo querer ditar ou impor normas morais ou de conduta aos seus cidadãos, mas o contrário.
37. O Partido defende que o Português-Brasileiro é a língua oficial do país, herança de sua formação histórica e da miscigenação linguística do seu povo, e que seu correto ensino deve ser incentivado e praticado, tanto pelos os brasileiros natos como pelos os brasileiros naturalizados. Os filiados do partido devem compreender a importância da preservação da língua pátria e o combate às atuais políticas oficias de destruição do idioma, sob a estratégia diversionista das reformas ortográficas.
38. Defende a liberdade religiosa e a separação entre o Estado e a Religião, nos moldes preconizados por Thomas Jefferson de que O Estado é separado da religião, mas cada homem com sua consciência, sua religião e seu Deus. Desse modo, os filiados devem entender que a liberdade de culto religioso deve ser integralmente defendida, mas é importante observar que a civilização ocidental foi fundada sob a orientação dos valores judaico-cristãos, e a liberdade só é possível graças a estes, como bem demonstrou Thomas Paine. Apenas nas civilizações cristãs foi possível o surgimento das democracias liberais, e apenas o povo judeu leva luz ao inferno da tirania islamista no oriente médio, e é ao princípio “ama a teu próximo como a ti mesmo” que a civilização do ocidente deve a revolução americana, a liberdade religiosa, de expressão, de ir e vir, o progresso material e todas as outras conquistas tão caras aos povos.
39. O partido defende a desestatização do casamento, sendo assegurando pelo Estado o reconhecimento do contrato de convivência entre os cidadãos, porém entendendo que a instituição do casamento é originaria e essencialmente religiosa, cabendo a cada organização religiosa efetivar a cerimônia, em respeito absoluto à liberdade religiosa e de culto, conforme as especificações de cada fé. O partido entende que deve ser garantida a proteção igual a todos os cidadãos, na forma dos contratos de convivência, bem como reconhece que cada cidadão é livre para procurar a instituição que mais se ajuste a seus propósitos matrimoniais.
40. Defende que todos os homens são iguais perante a lei e que todos os homens são dotados de direitos inalienáveis, tais como o direito à vida, à liberdade, à felicidade e à legítima defesa através da posse e do porte de armas, inclusive às armas de fogo, e que tais direitos só podem ser retirados mediante uma condenação criminal em devido processo legal, justo e com o amplo direito de defesa garantido ao acusado.
41. Defende a regularização do tema relativo ao porte de armas brancas dentro de uma discussão realista e sem ideias pré-concebidas sob o tema.
42. O Partido apoia uma facilitação para a concessão de porte de armas de fogo, armas brancas, spray de pimenta, armas de choque, coletes à prova de bala/faca e carros blindados para cidadãos que estejam vivendo sob ameaça à própria vida ou à vida dos membros de sua família.
43. O Partido é favorável ao fim da restrição de calibre para as armas de fogo curtas e longas (armas em versão civil) para os cidadãos comuns, sendo apenas vedado ao cidadão comum o acesso às chamadas armas de guerra (armas em versão militar) à exceção dos cidadãos com certificado de registro de atividade em Tiro Esportivo, Caça ou Colecionamento pelo exército brasileiro, limitado neste caso apenas a quantidade de armas e munições que cada indivíduo pode ter para esse tipo de armamento e a um histórico prévio de bons antecedentes criminais.
44. Para atingir os objetivos dos quatro itens anteriores deste Programa, o Partido defenderá a criação de uma agência reguladora específica, semelhante à ATF (Alcohol Tobacco Firearms) americana, agência esta que terá uma legislação orgânica própria e que deverá ser formada integralmente, para seus quadros técnicos e membros de órgãos internos deliberativos, por militares das Forças Armdadas da reserva/reformados, policiais da reserva/reformados, representantes das Confederações e Federações de Tiro Esportivas Brasileiras e por membros de entidades não governamentais defensoras dos Direito a Legitima Defesa dos cidadãos.
45. De forma geral, o Partido defende as ideias preconizadas pelo criminalista italiano Cesare Baccaria (1738-1794) de que a punição pelo Estado deve limitar-se à sua função de desestimular a reincidência por meio de penas claras, precisas e justas, sem o desejo de vingança. Conforme preconizado por Baccaria: “O que provoca um efeito dissuasivo muito maior nos delitos não é a crueldade das punições, mas o aumento na possibilidade do criminoso ser pego e punido”.
46. Defende o fim da impunidade para crimes cometidos por menores de 18 anos, sendo que para isto propõem a redução idade penal para atingir também os maiores de 16 anos de idade. Todos os indivíduos maiores de 16 anos passarão a ser julgados como adultos doravante e a inimputabilidade penal irá até os 13 anos de idade, devendo os maiores de 13 anos e menores de 16 anos, que cometam crimes graves, passem por rigorosa avaliação psicológica, onde será determinado o grau de imputabilidade que poderá lhe ser atribuído antes do julgamento.
47. O Partido apoia a instituição de penas rigorosas para os chamados crimes hediondos (sequestro, estupro, homicídio, latrocínio e todos os outros crimes com a impossibilidade de defesa da vítima) e de lesa-humanidade (massacres, chacinas, genocídios, etc.). Assim como um maior endurecimento realista das penas para os demais crimes comuns. O Partido repudia a máxima esquerdista de que “prisão não educa ninguém”, visto que prisão não foi feita para educar, mas para que o condenado cumpra a pena que lhe foi atribuída, respeitada a sua dignidade como pessoa humana.
48. O Partido apoia a regulamentação do trabalho na prisão, dentro dos padrões de dignidade da pessoa humana.
49. O Partido apoia ainda uma reforma na política penitenciária do país, com a construção de novos e melhores presídios, de forma a acabar com a superlotação penitenciária brasileira e dar possibilidade de cumprimento das penas dentro dos padrões de dignidade humana esperados.
50. O Partido se posiciona contra a concessão de privilégios para população penitenciária, tais como reduções de pena, saídas temporárias da prisão e indultos de qualquer tipo, que se tornaram notórios devido ao cometimento de práticas criminosas por presos em saídas temporárias, além do fato notório que cerca 10% dos presos em saída temporária não retornam às prisões e as autoridades utilizam isto como uma forma de “desafogo” ao sistema carcerário nacional. O único privilégio cabível deve ser a liberdade condicional concedida a partir de critérios rígidos baseado no grau de severidade do crime cometido pelo condenado, dos antecedentes criminais do mesmo e da análise do comportamento do mesmo na prisão durante o cumprimento do tempo mínimo da pena para requisitar a liberdade condicional.
51. Para atingir o objetivo dos cinco itens anteriores deste Programa, o Partido defenderá uma reforma da Lei de Execução Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
52. O Partido repudia a prática de corrupção, seja a mesma ativa ou passiva, e lutará por uma legislação dura para combater essa prática, que se tornou uma chaga na realidade política brasileira.
53. O Partido repudia toda e qualquer forma de fisiologismo político, considerando que esta prática é nociva tanto para o aprimoramento político como para a estabilidade econômica e democrática do país.
54. O Partido defende a regulamentação da profissão de lobby no Brasil por meio de lei para ajudar na desmonopolização desta atividade e possibilitar pequenas, médias e grandes empresas a também participarem da competição capitalista com grandes conglomerados em condições de igualdade. A lei deverá ser suficientemente dura para punir práticas de cartelização, monopolismo, corrução ativa e passiva, ou quaisquer outras atividades criminosas que venham a ser praticadas sobre o rótulo do lobby legalmente legalizado.
55. O Partido se posiciona favoravelmente a que pessoas jurídicas possam fazer doações legais para partidos políticos, dentro dos limites previstos em lei.
56. O Partido é definitivamente contra quaisquer tipos de discriminações, sejam religiosas, étnicas, de pensamento, de orientação sexual, etc., logo o Partido rejeita a aplicação de “políticas racistas” ou “políticas de apartheid ou segregacionistas”, assim como se posiciona também contra as chamadas “políticas de ações afirmativas” ou de “discriminação reversa” e se posiciona contra quaisquer tipos de políticas de cotas, como as de caráter racial, de orientação sexual, de caráter religioso ou quaisquer outras “ações afirmativas” que, porventura, venham a ser futuramente elaboradas.
57. O Partido é definitivamente contra o populismo, prática política pérfida que leva um país, na prática, ao esgotamento econômico e a um governo autocrático e autoritário que, cedo ou tarde, volta-se contra a população que o abraçou inicialmente.
58. O Partido é definitivamente contra quaisquer tipos de políticas assistencialistas com fins meramente eleitoreiros para se manter o status quo vigente, pois estas não buscam a erradicação da pobreza, mas apenas a manutenção de cidadãos livres sobre o controle do governo ad infinitum.
59. O Partido rejeita, abjura e combate sistematicamente qualquer forma de governo tirânico, ditatorial, antirrepublicano e/ou policialesco que tenha existido, exista ou que venha a existir no futuro, sendo que considera que um governo democrático não pode e nem deve manter relações diplomáticas plenas com governos dessas naturezas.
60. O Partido é terminantemente contrário a quaisquer grupos, entidades ou governos (assim como os indivíduos que os apoiem) que defendam ideologias como o Coletivismo, o Socialismo (em todas suas vertentes e nuances), o Comunismo (em todas suas vertentes e nuances), o Nazismo, o Fascismo, o Marxismo-Leninismo, o Stalinismo, o Trotskismo, o Maoísmo, o Bolivarianismo, o Castrismo Cubano, o Getulismo (Varguismo), o Integralismo, o Positivismo ou quaisquer outras formas de ideologias que preguem o totalitarismo e/ou sejam contra as liberdades individuais e/ou sejam contra a liberdade à livre associação partidária e/ou sejam contra a existência da democracia, sejam essas ideologias de quaisquer espectros ideológicos que forem ou que se julguem ser, ideologias estas que tenham existido, existam ou que venham a existir no futuro. O Partido lutará pela criminalização de ideologias totalitaristas, tais como o Comunismo, Socialismo e afins, para que sejam equiparadas ao Nazismo.
61. Na área da educação, o Partido apoia o fim da excessiva regulamentação praticada pelo MEC atualmente, dando maior liberdade de currículo tanto para as escolas públicas como privadas.
62. O Partido reconhece a importância da legalização e regulamentação do homeschooling como alternativa para os pais que desejam eles próprios ministrar o ensino básico e fundamental para os seus filhos até o 2º grau não profissionalizante.
63. O partido apoia o sistema de vouchers para educação e saúde, para garantir a excelência dos serviços privados para o público mais pobre.
64. O Partido lutará para criminalizar a instrumentalização do ensino para fins políticos, ideológicos e partidários.
65. O Partido é definitivamente contra quaisquer práticas de pedofilia, nos contextos previstos como crime na legislação e condenados pela moral do censo comum da civilização ocidental, assim como é contra a subversão ideológica ou sexual das crianças nas escolas, sejam estas públicas ou privadas, e lutará para que tais práticas de subversão ideológica ou sexual sejam equiparadas criminalmente aos crimes de pedofilia.
66. No tocante ao ensino religioso, o Partido acredita que no caso da educação pública a escola deve seguir o modelo laico e na educação privada de ser opcional para o estabelecimento de ensino oferecer ou não educação religiosa, sob a anuência dos pais e sem a interferência do Estado.
67. Reconhece que os animais domésticos são propriedade privada de seus donos, mas que os mesmos devem ser responsabilizados por tratamento cruel.
68. Apoia as Políticas de Acessibilidade que possibilitam condições de alcance para a utilização, de forma segura e autônoma, de edificações publicas ou privadas, os seus espaços, os seus mobiliários e equipamentos de forma a proporcionar maior independência possível para os cidadãos com necessidades especiais durante suas atividades de trabalhos, estudo ou lazer.
69. O Partido apoia também uma Política Agrícola de incentivo às agriculturas familiares e de agronegócio, com o aumento da eficiência das áreas plantadas atualmente, evitando um sacrifício maior da cobertura vegetal natural brasileira e de sua fauna.
70. O Partido apoia a agricultura por esta exercer um papel gigantesco na preservação ambiental. Ela é capaz de apresentar soluções para conservação da água e da biodiversidade. Além de alimentos e fibras, ela garante uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. 47,3% da energia brasileira provêm de fontes renováveis (cana-de-açúcar, hidrelétricas, lenha, biodiesel, etc.), em comparação com a média mundial de 18,6%.
71. O Partido apoia uma revisão das políticas de demarcação de terras indígenas e de quilombolas e de Reforma Agrária, colocando um fim ao uso político que vem sendo feito com estas políticas, que veem provocando a expulsão sistemática de comunidades agrícolas no interior do Brasil e provocando situações de confronto social.

72. O Partido exige que organizações e movimentos ditos, de proteção aos trabalhadores rurais, deixem de ser alvo de infiltração político-ideológica e que tais organizações e movimentos sejam obrigados a serem registrados como pessoas jurídicas para que possam ser responsabilizadas criminalmente por atos cometidos por si ou por seus partidários. O Partido defende que organizações e movimentos sociais sem registro de pessoas jurídicas e que incentivem seus membros a cometerem atos criminais devem passar a ser classificadas como organizações para-terroristas.

Marcelo Santos Machado
Presidente Nacional e Fundador da Liga Democrática Liberal 




4 comentários:

  1. Não faltava mais merda nenhuma, um partido que se diz liberal e conservador ao mesmo tempo hehe, em outras palavras liberdade total pra empresários ganharem a vontade, e limites só pro cidadão comum viver debaixo da ´´ moral e dos bons costumes ´´ já se o mundo empresarial é de um moralismo tremendo hahahahaha, vai se foder tá, vai arrumar uma ROLA.
    P.S: NEM VOU PERDER TEMPO EM RESPONDER ALGUMA CRITICA DE ALGUM LIBERALOIDE AO MEU COMENTÁRIO, PQ SE QUER ENTRAREI AQUI PARA LER O QUE PODERÃO OU NÃO RESPONDER.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Embora seja um comentário mediocre, de quem não tem conhecimento para fazê-lo, passando aos palavrões, publiquei para que outros possam ver sua péssima qualidade. A propósito: "VÁ TOMATECRÚ"

      Excluir
  2. Um comentário ridículo deste cidadão, que só demonstra total falta de conhecimento político e nem mesmo se deu ao trabalho de ler o programa e fazer uma busca na internet sobre os autores citados no Programa do Partido LIGA. Este Partido está de PARABÉNS e espero que ele consiga o seu registro definitivo, pois tudo o que li e pesquisei, é 1.000% de DIREITA CONSERVADOR SIM, sendo liberal só na economia. Mais uma vez, PARABÉNS A LIGA DEMOCRÁTICA LIBERAL - LIGA e a seus idealizadores ! Perfeito ! Se for homologado, será o primeiro e único partido de DIREITA no Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Sério? Uma águia careca? Por favor...

    ResponderExcluir