quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Como trabalhar no CARNAVAL?

Como trabalhar no CARNAVAL? Policiais do Rio de Janeiro reclamam da situação financeira.




Enquanto o governador não consegue sequer fechar acordos para  o pagamento dos salários do funcionalismo a família militar permanece em suspense. Sem saber se poderão pagar as dívidas do início do ano os policiais já se perguntam sobre qual será a MORAL DA TROPA trabalhando no carnaval.
Site e blogs policiais do Rio expressam o pensamento corrente dentro dos quartéis.
“Anônimo em 27 de janeiro de 2016 07:42 

Me pergunto até quando a tropa vai aturar isso inerte eles fazem o que querem e fica tudo por isso mesmo, graças á divisão de classes que eles implantaram na PMERJ com as gratificações, enquanto isso vamos trabalhar duros igual um coco no carnaval e ainda rindo pró turista vê que aqui a polícia trabalha mesmo sem 13 salário e etc…”

O policial militar apanha, apanha e não aprende, só pensa no seu salário e vantagens, mas não pensa na causa de todas as suas mazelas, que é a política. Como mercenários atenderam a chamada dos Bombeiros Militares do Estado do Rio de Janeiro com esta chamada:

Enquanto era por Dignidade e Respeito poucos compareciam. Mas a manifestação dos Militares do Rio de Janeiro teve um desfecho trágico, centenas de militares BMs e alguns PMs foram recolhidos arbitrariamente a um presidio de segurança máxima, uns foram excluídos e outros ficaram respondendo a PADs com o mesmo risco de exclusão. A situação só se normalizou quando a anistia foi concedida a todos.
Durante o tempo em que centenas de componentes BMs estiveram excluídos, receberam ajuda financeira cotizada entre o efetivo, chegando a R$ 2,000,00 BM para cada excluído. Neste mesmo tempo, a PMERJ, com efetivo superior, cotizava menos de R$ 100,00 para cada PM excluído, que eram bem menos que os BMS.
Demoram muito a enxergar que o momento não é ficar chorando pela migalha não recebida, é trabalhar na união por um ideal de futuro, que nem eles mesmos, os PMs, sabem qual é.

Presidente da Alerj é citado por lobista preso durante investigação sobre fraudes na Saúde da PM


                      Picciani e Orson Welles em foto postada pelo lobista no Facebook

Link: EXTRA


Ladrões saquearam verbas da Saúde PMERJ, policiais morrem e famílias sofrem para ter atendimento digno. No momento surge noticia de que, além da divida de mais de R$ 200.000.000,00 da contrapartida do Estado para com o FUSPOM, políticos também estão envolvidos nesta maracutaia criminosa que mata tanto quanto os traficantes e seus fuzis.

É certo que morram PMs neste carnaval, mas não estão nem ai, só estão preocupados com dinheiro. DIGNIDADE e RESPEITO é a primeira exigência.



Nenhum comentário:

Postar um comentário