domingo, 17 de janeiro de 2016

CRIMINALISTAS FRUSTRADOS TENTAM MACULAR LAVA JATO


Bando de LAMBE BUNDA de político ladrão

KAKAY vê a fonte secando, e passou a deixar de ganhar muito dinheiro com o “sucess fee”, muito difícil agora de se obter, com um JUIZ com ‘J’ maiúsculo (Sergio Moro), e junto a outros advogados CRIMINALISTAS FRUSTRADOS TENTAM MACULAR LAVA JATO publicando manifesto com críticas à operação.

Centenas de advogados em desespero – vendo seus honorários em queda – argumentam, até, que métodos usados violam direitos dos acusados. Carta aberta foi publicada na edição desta sexta-feira de diversos jornais.

É um documento lamentável, e “em causa própria” (e dizer que estão preocupados com os clientes é algo pouco feliz), pois os honorários sofrem um queda expressiva quando a causa é perdida e incomoda muito o bolso dos CRIMINALISTAS FRUSTRADOS.
Se não tivessem os condenados, até agora (e outros “tubarões” que logo virão), praticado crimes financeiros que resultaram em perdas astronômicas para o Tesouro Nacional, tendo como consequência o agravamento do quadro de mortes de centenas de milhares de criancinhas em pobreza extrema, poder-se-ia até dar alguma credibilidade a Carta Aberta desses ‘indignados senhores’.
Porém, é por falta desses recursos desviados, sonegados ou fruto de fraudes, que se impõem desmesurados prejuízos às Estatais. Elas na condição de controladas pelo Governo, passam a pagar muito menos dividendos ao Tesouro, vez que as perdas apuradas reduzem o lucro tributável e o lucro líquido, base para pagamento de impostos e dividendos ao Tesouro, que vê os ingressos sofrerem quedas gigantescas, como já ocorreu com os resultados apurados principalmente pela Petrobrás e BNDES, pilhados pela Máfia do Petrolão e pelos amigos do ex-presidente LULA,  em ações criminosas indecentes e ainda longe de ser totalmente quantificadas.
Ora, só faltava esses senhores, advogados CRIMINALISTAS FRUSTRADOS, e por isso pessoas de visão e com sensibilidade social aguçada, querer “facilitar as coisas” para esses monstros, de forma a obter absolvições indecentes e injustas para eles, diante de crimes odiosos, asquerosos e ignominiosos praticados por esses escroques e salafrários de toda a ordem.
Por isso, menos, menos doutores, antes de olhar para o próprio bolso olhem para as mortes da  centenas de milhares de criancinhas e observem que um dos maiores receptadores de dinheiro produto de ações criminosas que compunham as contas no exterior e os Reais guardados em cofres pulverizados pelo país, está solto, apesar de um incontável número de mortes que obviamente causou, ao receptar recursos sabidamente de origem criminosas. Se tal não fosse, haveria recibos e todos os documentos contábeis das partes envolvidas. Mas … em sendo produto do crime que provocou essas mortes que citei …
Abaixo matéria de Fernanda Calgaro  – do G1, em Brasília – 15/01/2016

Um grupo de mais de cem advogados, entre eles alguns dos mais renomados do país, publicou nesta sexta-feira (15), em diversos jornais, uma carta aberta com críticas à Operação Lava Jato.
No manifesto, eles acusam a operação, que investiga esquema de corrupção na Petrobras e apura envolvimento de políticos e empresário, de violar os direitos e garantias fundamentais dos suspeitos, além de promover “vazamento seletivo” de informações sigilosas.
Os advogados afirmam ainda que as prisões têm sido usadas para obter acordos de delação premiada e sustentam que o que se tem visto é uma “espécie de inquisição”, em que já se sabe “qual será o seu resultado”.
“O menoscabo à presunção de inocência, ao direito de defesa, à garantia da imparcialidade da jurisdição e ao princípio do juízo natural, o desvirtuamento do uso da prisão provisória, o vazamento seletivo de documentos e informações sigilosas, a sonegação de documentos às defesas dos acusados, a execração pública dos réus e a violação às prerrogativas da advocacia, dentre outros graves vícios, estão se consolidando como marca da Lava Jato, com consequências nefastas para o presente e o futuro da justiça criminal brasileira”, diz trecho do documento, assinado por 105 advogados.
A carta cita a divulgação na imprensa, sem autorização, de fotos de alguns dos réus presos na Lava Jato. Eles ressaltam que as fotografias foram extraídas “indevidamente de seus prontuários” na unidade prisional onde aguardam julgamento. Os advogados condenam a atitude e alegam que o objetivo claro era promover o “enxovalhamento  e instigar a execração pública”.
Na visão do grupo, isso prejudica o direito de defesa ao criar “uma imagem desfavorável” em prejuízo à imparcialidade. Acusa a operação de adotar uma estratégia de “massacre midiático” para pressionar a Justiça a manter prisões provisórias, que, segundo eles, faz parte de uma “engrenagem fundamental do programa de coerção estatal à celebração de acordos de delação premiada”.
Para eles, as medidas adotadas na operação representam um retrocesso e são comparadas aos métodos empregados na época da ditadura. “[A Lava Jato é] uma tentativa de justiçamento, como não se via nem mesmo na época da ditadura”, diz a carta.
Há ainda críticas à pressão sobre magistrados para não acatarem recursos nem habeas corpus dos acusados, além de questionamentos à parcialidade alguns juízes (não há citação de nomes). “É inconcebível que os processos sejam conduzidos por magistrado que atua com parcialidade, comportando-se de maneira mais acusadora do que a própria acusação”, afirma o manifesto, acrescentando que algumas atitudes “revelam uma atuação judicial arbitrária e absolutista”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário