quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

LEITE VIRA ARTIGO DE LUXO NA VENEZUELA…


A escassez de produtos básicos que assola a Venezuela continua a criar situações que demonstram a difícil situação econômica do país, onde a inflação calculada por analistas independentes chega a 270% ao ano. De acordo com uma matéria publicada pelo diário “Correo del Caroní”, os pacotes de leite em pó chegaram às prateleiras, mas não são consumidos por seu alto valor. De acordo com o jornal, do município de Guayana, o preço de um quilo de leite em pó (2.125 bolívares), representaria o equivalente a 22% do salário mínimo, atualmente em 9.648 bolívares.
Segundo o câmbio oficial, o valor do quilo de leite em pó seria equivalente a R$ 1.269, e o salário mínimo a R$ 5.760. No entanto, segundo o diário argentino “La Nación”, a desvalorização da moeda venezuelana faz com que o bolívar valha, no câmbio paralelo, apenas 1% de sua cotação oficial — o que significaria um preço de pouco mais de R$ 12 para o leite, e salários mínimos com valor próximo a R$ 57.

 A crise também foi tema de um encontro de militantes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) na tarde de ontem. Em discurso, o governador do estado de Vargas, Jorge García Carneiro, afirmou que a crise no país é parte de uma “guerra psicológica”.
— Para nós, não há escassez. O que há é o amor e a pátria — minimizou.
Claro, tudo não passa de uma “guerra psicológica”, e quem precisa de leite quando se tem “amor” pela pátria? Na verdade, os gananciosos empresários, que só pensam em lucrar, deliberadamente aumentam o preço dos produtos, só para ferrar com os mais pobres e desestabilizar a grande revolução popular. O mais triste – ainda que engraçado – é pensar que tem muito aluno imbecilizado que repete exatamente esse tipo de discurso por aí, inclusive em nossas universidades. Foram lobotomizados pelos “professores” marxistas, que só não explicam como apenas os empresários venezuelanos podem ser tão gananciosos, já que o leite é abundante, barato e acessível nos países capitalistas, supostamente os mais gananciosos de todos.
Enquanto a Venezuela se afunda de vez em mais um experimento fracassado do socialismo, como totalmente previsto pelos liberais, o governo Dilma finge que subiu o tom com os companheiros de lá. O chanceler Mauro Vieira receberá nesta sexta-feira (29) a colega venezuelana, Delcy Rodríguez, para tratar de temas que vêm gerando desconforto na relação bilateral, segundo a Folha apurou. O encontro com Vieira ocorrerá a pedido de Caracas. O governo chavista pretende “esclarecer” sua posição em meio ao acirramento da escalada das tensões deflagrada pela vitória da oposição na eleição parlamentar de dezembro. Diz a reportagem:
A visita dos ministros decorre em boa parte da estranheza que os posicionamentos do Brasil acerca da eleição venezuelana causaram no governo do presidente Nicolás Maduro.
Antes do pleito, a presidente Dilma Rousseff havia despachado à Venezuela o assessor especial do Planalto para temas internacionais, Marco Aurélio Garcia, para entregar pessoalmente a Maduro uma carta na qual o Brasil questionava ameaças de Caracas de não respeitar o resultado das urnas e pedia garantias de segurança para os eleitores.
Dias depois, o Itamaraty divulgou nota condenando “com firmeza” o assassinato de um político opositor em pleno ato de campanha no interior da Venezuela.
“O governo brasileiro recorda que é da responsabilidade das autoridades venezuelanas zelar para que o processo eleitoral que culminará com as eleições no dia 6 de dezembro transcorra de forma limpa e pacífica”, disse a nota.
De fato, nós “quase” acreditamos que o Marco Aurélio “top top” Garcia foi reclamar com seus velhos companheiros de luta comunista! Mas calma que a coisa continua:
Fontes do Itamaraty dizem que a preocupação da Venezuela com a opinião do Brasil e de outros países da Unasul (União de Nações Sul-Americanas) é “bastante positiva” por mostrar que o governo venezuelano segue “aberto ao diálogo.”
A Venezuela também busca reaquecer a relação com o Brasil para minimizar rusgas causadas pelas grandes dívidas com empresas brasileiras.
As maiores pendências estão relacionadas a dezenas de contratos bilionários com construtoras como Odebrecht e Camargo Correa. Valores dos contratos são mantidos em sigilo, o que leva ONGs locais a militar constantemente por mais transparência. Muitas obras estão paradas por falta de pagamento.
Outras empresas afetadas são as do setor aéreo. A Gol tem o equivalente a R$ 351 milhões retidos na Venezuela devido a distorções de câmbio. A empresa já reduziu a frequência de 28 para 2 voos semanais desde 2014 e estuda cortar a linha.
A TAM, que opera a mesma rota uma vez por semana, tem R$ 161 milhões bloqueados no país.
Traduzindo: os companheiros destruíram a democracia faz tempo, perseguiram opositores, fecharam jornais e tomaram canais de televisão, usaram milicianos cubanos para intimidar os protestos da população, confiscaram ativos de empresas brasileiras, e enquanto tudo isso ocorria a Venezuela foi convidada para entrar no Mercosul, ignorando-se a cláusula democrática. Aí o governo Dilma manda uma cartinha e jura que agiu com firmeza contra os eventuais abusos do governo tirano, que foi apoiado desde o começo por Lula, Dilma e o PT. E ainda demonstra esperança, pois os tiranos estão claramente “abertos ao diálogo”.
Seria cômico, não fosse trágico. É análogo a um sujeito que convida o estuprador para sua casa, para tomar um chá das cinco, enquanto defende publicamente que o estuprador é, no fundo, um grande sujeito, quase um candidato a santo. Aí o estuprador faz o que sabe fazer, i.e., estupra as mulheres da casa, e o proprietário emite uma notinha, “cobrando” explicações e dizendo que não se pode tolerar nada fora das regras. É como se falasse ao estuprador: “Poxa, pega leve aí, estupra, mas não mata…”
O governo Dilma é realmente patético! O PT é cúmplice de Maduro, do chavismo, do socialismo do século XXI, que leva ao mesmo resultado daquele do século XX. E agora que vê a vaca indo pro brejo, simula um distanciamento que simplesmente não existe! Como recordar é viver, lá vai:

É muita cara de pau desses petistas mesmo! Como diz o editorial do GLOBO de hoje, está cada vez mais claro para todos que o lulopetismo e o chavismo são duas faces da mesma moeda:
Além do Brasil, contribui para o resultado negativo latino-americano a Venezuela, pela exuberância de sua recessão: de 10% no ano passado, e 8% em 2016. Se os dois países forem retirados dos cálculos, o continente não aparece em recessão. Cai a média do crescimento, mas ele não fica negativo.
Realiza-se, então, por ironia, o sonho de bolivarianos que trabalham em Brasília: Venezuela e Brasil, enfim, juntos. Como exemplos a não serem seguidos. Juntos num desastre econômico, político e com impiedosos reflexos sociais. É certo que há diferenças marcantes entre os dois países, e a favor do Brasil. A principal delas a solidez das instituições republicanas. Estas foram destroçadas pelo chavismo bolivariano. Haja vista a enorme crise político-institucional em que se encontra a Venezuela de Nicólas Maduro, ungido pelo próprio Hugo Chávez seu sucessor: o governo se recusa a aceitar a vitória da aliança oposicionista nas eleições parlamentares, e para isso usa os aparelhos chavistas que foram instalados no Judiciário e em todo o Estado.
O aparelhamento do setor público, incluindo estatais, é lição da cartilha chavista de tomada do poder sob um simulacro de democracia. O lulopetismo tentou aplicar a mesma tática no Brasil, mas foi em parte frustrado pelas instituições.
Mas os dois países, sob o chavismo e o lulopetismo, comungam ações intervencionistas na economia. E por isso dividem a responsabilidade em jogar a América Latina na recessão.
Gostaria de ter a mesma confiança do jornal em nossas “instituições republicanas”, pois quando vejo o grau de aparelhamento da máquina estatal, fico bem assustado. Mas sem dúvida o Brasil resistiu mais aos avanços socialistas, aqui representados pelo PT. O que não impediu, até agora, que seguíssemos em rumo semelhante. O estrago da economia já começou em proporção bem alarmante. Com mais 3 anos de Dilma, se não houver impeachment e isso acontecer mesmo, quem sabe não chegaremos ao ponto em que o leite é um desejado bem de luxo para poucos?
A carne o brasileiro já começou a cortar, com a sugestão de que seja substituída por ovos segundo Lula, o maior responsável pela lambança toda. Pelo visto, nossos empresários começam a ficar bem gananciosos também, à medida que o “sucesso” da revolução popular do PT avança. Melhor, por via das dúvidas, começar a estocar leite em pó…
Rodrigo Constantino

Nenhum comentário:

Postar um comentário