sábado, 9 de janeiro de 2016

Mentiras da imprensa venezuelana

MILITARES “criticam” retirada de quadro de Chaves! Mentiras da imprensa.


General critica retirada de imagem de chaves e tenta associar a ordem do Líder da Assembleia Nacional a suposta rejeição contra Simon Bolívar.

Comandante de Forças Armadas / Ministro não necessariamente representa a opinião das Forças Armadas. No cargo não é um militar e sim um membro do governo.

Hoje pipocará por toda a América latina a notícia que diz que as Forças Armadas da Venezuela criticaram a retirada do quadro com a imagem de Hugo Chaves e Simon Bolívar da sede Assembleia Nacional, agora com maioria oposicionista.
A nota é: “A Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) expressou nesta quinta-feira (7) sua “profunda indignação” pelo “ultraje” da retirada dos retratos de Simón Bolívar e Hugo Chávez da sede da Assembleia Nacional (AN) da Venezuela …”
A verdade é que, assim como os comandantes militares aqui no Brasil, o Ministro da Defesa da Venezuela, assim que empossado, faz parte do corpo de assessores do Presidente da República e não há como esperar que se posicione contra os interesses daquele que o escolheu e empossou.
Na Venezuela o Ministro da Defesa,’ que proferiu as palavras amplamente divulgadas como se fossem a opinião da tropa, é Vladimir Padrino López, que se manteve fiel a Hugo Chaves na tentativa de golpe ocorrida em 2002.
A imprensa mente. O novo chefe da Assembleia Nacional não determinou que se retire os quadros clássicos de Simon Bolívar, a ordem foi para retirar quadros fantasiosos e imagens que ligam o “libertador” à Hugo Chávez e Nicolas Maduro.
Fotografias oficiais não foram tocadas.
As palavras de Ramos Allup foram bem claras quando deu a ordem, se dirigindo a retratos que chamou de falsificados. Qualquer um percebe que os painéis têm motivação midiática.

“Y ese Simón Bolívar falsificado también … Este no es ningún Simón Bolívar…”
Nicolás Maduro, tentando criar uma espécie de herói, condecorou uma sargento que desobedeceu ordens do chefe do Parlamento ao não permitir que os quadros com a imagem fantasiosas de Hugo Chaves fossem retirados também da unidade militar responsável pela segurança da Assembleia Nacional.

Sociedade Militar

Nenhum comentário:

Postar um comentário