segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

FFAA no combate a "kika", muito mais barato

Dilma declarou que considera as Forças Armadas essenciais. Mais BARATOS, quis dizer.




Tentando remediar um dos resultados do desleixo para com a saúde pública nacional, a presidente Dilma apela agora para as Forças Armadas em busca de mão de obra barata e pouco exigente para combater a iminente epidemia de ZIKA. Em outros países, inclusive no continente africano, os focos foram logo controlados e a doença não se espalhou. Mas, no Brasil a coisa foi diferente.

O curso de AGENTE de combate a ENDEMIAS oferecido pelo PRONATEC tem normalmente a duração de 6 meses e possibilita ao profissional realizar um trabalho com segurança e eficácia. Os agentes de combate a ENDEMIAS lutam pela conquista de adicionais de INSALUBRIDADE.
Os agentes alegam que por força de seus ofícios estão expostos a ambientes insalubres e ao risco de contágio de doenças infectocontagiosas, já que na sua labuta entram em contato com pessoas e ambientes de todos os tipos. Esse é o caso dos militares observados na imagem ao lado, que tiveram que entrar em uma vala para realizar a limpeza.
Um agente de endemias, profissional habilitado e que trabalha somente 30 horas semanais recebe cerca de 1.3 mil reais.
Um marinheiro recruta, como esse que se vê na fotografia com a presidente Dilma, recebe somente R$ 642 (tabela de soldos) e trabalha o tempo que for determinado por seus superiores.

O militar na graduação de marinheiro pode ser escalado também para plantões noturnos em uma escala que normalmente é 2 x 1. Mas, com frequência chega a 1 x 1. Lembrando que os militares das Forças Armadas quando saem de serviço cumprem os expedientes administrativos normalmente. Ou seja, a coisa não funciona como nas polícias militares, onde o militar quando não está de serviço não precisa ficar no quartel.
Com a conivência dos comandantes capachos que cumprem tudo que lhes é determinado, mesmo fora das funções de nossos militares, as Forças Armadas vão cada vez mais perdendo o prestigio que sempre tiveram diante da sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário