quinta-feira, 3 de março de 2016

A bola de neve. (Destruindo valores morais e espirituais)

A bola de neve
“A liberdade é um objetivo válido somente para indivíduos responsáveis. Não acreditamos em liberdade para crianças e insanos”  Milton Friedman ,  em Capitalismo e Liberdade.

No Brasil, nos tornamos reféns de um Estado que sofreu terrível mutação para um complexo estado de coisas, produzidas em escala geométrica, para destruir valores morais e espirituais, até então tidos como patrimônios indestrutíveis dos melhores exemplos históricos, morais, éticos, culturais e políticos dos brasileiros.

Nesse conúbio de partidarismos oportunistas, havido entre governantes dotados de soberba amoralidade e de arrogância nas incompetências, acabou resultando no fracasso econômico e na total insegurança jurídica e financeira, provindas dos meios de forçar uma tacanha estabilidade política, mediante intervencionismos na vida financeira do Indivíduo, dos agentes econômicos e dos entes federados. As medidas governamentais para remendar gravíssimos erros de gestão orçamentária, de forma equivocada transita por uma estrutura tributária odiosa, pela cachola fazendária e de planejamento, adeptos do Estado acima da Nação e da realimentação das pobrezas. O Banco Central, nada independente, afinal onde esteve e aonde vai parar?
As agitações sociais, o hiperbólico consumo de drogas, as impunidades defendidas pela aplicação subvertida dos Direitos Humanos, a preponderância dos conceitos de minorias sobre os critérios tradicionais do Povo, acabaram por constituir uma anestesia geral diante da insegurança organizada. Se acrescentarmos, as falências da “Pátria Educadora”, da Saúde Pública e dos casuísmos do STF, entenderemos facilmente que estamos aqui abaixo do Planalto, aguardando o esmagamento final da esbanjada democracia, por uma imponderável bola de neve…
Jorge E. M. Geisel – Fevereiro de 2016, Rio de Janeiro.

Sociedade Militar

Nenhum comentário:

Postar um comentário