sábado, 12 de março de 2016

É impossível que ‘eu me renuncie’


Durante a entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff se confundiu, em um momento, e disse que é impossível que “eu me renuncie”, para logo corrigir: “eu me resigne”. Às vésperas de um protesto nas ruas pelo seu afastamento e sob o risco de perder o apoio do PMDB, o que aumentaria seu isolamento político, a presidente reagiu aos que pregam sua saída da Presidência e negou que pretenda renunciar.



"Não estou com cara de quem vai renunciar" afirma Dilma.

— É impossível, quem me conhece, achar que, pela minha trajetória pessoal, pela minha honradez e pelo respeito que eu tenho pelo povo brasileiro, eu me renuncie… eu me resigne.


A presidente disse ainda que faltam argumentos aos que pedem sua saída do cargo. Para a presidente, solicitar sua renúncia é reconhecer que não existe base para o pedido de impeachment feito pela oposição. Dilma afirmou também que teria o “maior orgulho” em ter o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu governo como ministro e criticou o pedido de prisão preventiva de Lula, feito pelo Ministério Público de São Paulo na quinta-feira, afirmando que “passou de todos os limites”. Dilma pediu serenidade nas manifestações de domingo.



Quando a renúncia é um ato de grandeza e humildade

No início de 2013, quando o Papa Bento XVI anunciou sua renúncia, o mundo reagiu com espanto e surpresa. Naquele momento, Bento XVI afirmou que deixaria a liderança da Igreja Católica por não se considerar com vigor para exercer as pesadas obrigações do cargo. 
O anúncio foi feito pessoalmente pelo Papa, durante a celebração marcada para a canonização de três mártires da igreja, no Vaticano.
Após o forte impacto não só no universo religioso mas em todos os setores da sociedade, pela importância e ineditismo da decisão, o mundo começou a assimilar a renúncia, enxergando nela um ato de grandeza e humildade. A perplexidade deu lugar ao respeito e à reverência, num reconhecimento à dignidade do gesto.



Nenhum comentário:

Postar um comentário