quarta-feira, 16 de março de 2016

Não se iluda com outras opções depois do impeachment


O Brasil é imenso demais para aplicar teorias pacifistas, passivas, de pseudos e pretensos, intelectuais desenvolvidas em países que possuem e vivem outra realidade; que possuem outras cultura, costumes, tradições e história; que enfrentaram outro tipo de adversário; que tinham a Imprensa / Mídia mundial a seu favor; que tinham apoio de potências estrangeiras; que viviam outra época histórica; enfim, onde tudo era totalmente diferente da realidade brasileira atual. 


É impossível conseguirmos causarmos desabastecimento no Brasil. O Brasil é um país gigantesco com milhares de quilômetros de fronteiras, de rodovias, de linhas férreas, aeroportos (públicos, particulares, militares e até pistas improvisadas e clandestinas), portos e etc; por onde podem e entram suprimentos. E, inclusive, sempre vai ter, no mínimo, um número suficiente de pessoas que não vão aderir à greve geral e vão continuar produzindo, vendendo, transportando, entregando, fornecendo, recolhendo tributos, etc. Mesmo que, em tese, todas as empresas, comércios, indústrias e prestadores de serviços no Brasil parassem, dos países vizinhos (Paraguai, Bolívia, Uruguai, Argentina, Chile, Peru, Colômbia, etc.), e até mesmo de localidades mais distantes, viriam todos esses produtos e serviços para abastecer o país. A China, principalmente, seria muito grata aos imbecis. 

Caminhoneiro foi detido no fim da manhã desta segunda-feira (9) por não cumprir a ordem da polícia de sair da SC-486, conhecida como Rodovia Antonio Heil, em Itajaí, no Vale, segundo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv).  Noticia


Empregados não vão querer correr o risco de perderem seus empregos numa época onde a incerteza, a inflação e o desemprego são enormes. Empresários, comerciantes, industriais e profissionais liberais não vão deixar de recolher tributos, pois é crime, severa e rapidamente, punido; muito menos, irão "cruzar, os braços", pois possuem funcionários (onde o Ministério do Trabalho, a Promotoria do Trabalho e a Justiça do Trabalho irão "fuzilar" o empregador inadimplente) e débitos com aluguel, energia elétrica, fornecimento de água, serviços de telefonia e internet, demais prestadores de serviços, fornecedores em geral, instituições financeiras e, acima de tudo, garantir o próprio sustento e de sua família. Qual desses vários credores dos empresários, comerciantes, industriais e profissionais liberais irão compreender a situação e não irão executar querendo receber? Nenhum! Que empregador vai liberar seus funcionários para, no horário de serviço, sem prejuízo do salário normal, irem em manifestações e protestos por vários e vários dias? Nenhum! E não se pode esquecer das empresas estatais e dos órgãos públicos que nunca irão parar as atividades. Qual servidor público vai ficar faltando vários dias à repartição pública onde trabalha para participar de manifestações contra o governo? Nenhum! E quanto as crianças, idosos, inválidos, doentes e demais pessoas que iriam ficar sem comida e sem medicamentos em razão da greve geral? Será que elas se sacrificariam pelo país? Nunca! Mesmo que, em tese, se conseguisse acabar com a arrecadação de tributos pelo governo, ele iria se apropriar do dinheiro alheio depositado nos bancos (pior do que o Collor fez) e iria, em caráter de emergência (iminente perigo público, estado de sítio, estado de defesa, intervenção federal e até mesmo estado de guerra), invadir e usar empresas, fábricas, industrias, instalações, prédios, infra estruturas e propriedades em geral (por necessidade, utilidade pública ou interesse social) para conter a "greve geral". E, detalhe, o governo possui várias frotas (meios de transportes de cargas e de pessoas) para poder manter o abastecimento (exemplos, veículos militares e da defesa civil, de empresas públicas, de órgãos públicos, etc). O mais próximo disso seria bloquear rodovias, aeroportos e portos, mas seria necessário confronto físico com policiais e sofrer as penalidades civis, administrativas e criminais desses atos. Na última vez que os caminhoneiros fizeram "greve" e bloquearam algumas rodovias, bastou a ameaça de multa e apreensão dos veículos, que eles já acabaram com o movimento; sendo que podiam ter resistido ou até usado lixo, entulho, pedras, toras, canos e cargas em geral para bloquear as rodovias. Quais pessoas iriam fazer generosas doações para um fundo monetário para poder custear a greve geral e a desobediência civil? Nunca iriam arrecadar dinheiro suficiente para poder custear as despesas e prejuízos dos participantes. Em resumo, a tal "desobediência civil" não é só utópica, mas totalmente fantasiosa, ingênua, surreal e totalmente impossível de se fazer e, muito menos, de se conseguir os resultados almejados. 


É comportamento típico dos covardes, frouxos, tímidos e acomodados pregarem manifestações pacifistas para combater inimigos cruéis, sanguinários, violentos, inescrupulosos... Tentam, dessa forma, ineficazmente acalmarem suas próprias consciências que lhes acusam de omissos, através de práticas de "tamparem o Sol com a peneira", onde mentem para si mesmos dizendo que estão fazendo alguma coisa, que estão fazendo a sua parte, que estão fazendo o que lhes é possível, etc, mas no fundo sabem que não. Não se vence uma guerra com flores! Não se faz omelete sem quebrar e bater os ovos! Só pela força se vence comunistas! Greves de fome, abraços, flores e coral não resolvem. Os comunistas são "caras de pau", cínicos, descarados, atrevidos, ousados, persistentes, teimosos, briguentos, mentirosos e usurpadores; nunca renunciarão, se entregarão, se renderão ou aceitarão a derrota. Vão lutar sujo com unhas, garras, dentes, paus e pedras para não perderem as tetas onde mamam. Nunca sairão do poder sem ser pela força!

E essa "força" é somente através das Forças Armadas.

Adriano Caravina - Advogado

Nenhum comentário:

Postar um comentário