terça-feira, 1 de março de 2016

PF pede ajuda do povo brasileiro contra os chefões da corrupção no Brasil


A coisa está pegando fogo em Brasília e em Curitiba-PR.
Enquanto o Juiz Moro, a Força Tarefa, Delegados, Procuradores e os Agentes da PF se preparam para a nova fase da Lava Jato que pode levar Lula e sua turma pra cadeia, o desgoverno Dilma muda de ministro para tentar acabar com a Lava Jato e Zelotes.
É um pedido de manifestação do povo em todo o Brasil em apoio ao 'heróis da resistência' que estão na luta contra os ladrões da República'.

 Lula pressiona, o PT pressiona, O PMDB pressiona, a oposição se cala, só resta o povo brasileiro pra defender a PF, a Força Tarefa, o Juiz Moro, os Delegados da PF e os Agentes no cumprimento das leis, sobretudo, da Constituição Federal.
É o Brasil de verde e amarelo contra os bandidos vermelhopatas do crime organizado comunista que se apossou do poder e não quer sair depois de comprovadas as roubalheiras.
O povo precisa ir pra rua e pras sedes do governo já. Não dia 13. Já! Dia 13 pode ser tarde demais. Mas, é o povo quem decide...É uma guerra.


LEIA A NOTA DOS DELEGADOS DA POLÍCIA FEDERAL
Os Delegados da Polícia Federal receberam com extrema preocupação a notícia da iminente saída do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em razões de pressões políticas para que controle os trabalhos da Polícia Federal.
Os Delegados Federais reiteram que defenderão a independência funcional para a livre condução da investigação criminal e adotarão todas as medidas para preservar a pouca, mas importante, autonomia que a instituição Polícia Federal conquistou. Nesse cenário de grandes incertezas, se torna urgente a inserção da autonomia funcional e financeira da PF no texto constitucional.
A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal permanece compromissada em fortalecer a Polícia Federal como uma polícia de Estado, técnica e autônoma, livre de pressões externas ou de orientações político-partidárias.
Contamos com o apoio do povo brasileiro para defender a Polícia Federal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário