quinta-feira, 24 de março de 2016

Sou Intervencionista, mas preferia não ter de ser


Gostaria de vislumbrar uma saída gloriosa, com as Instituições expurgando, dentro da Lei, todos os bandidos da vida pública. Mas são muitos, só pra saída de uma presidente incompetente vemos o trabalho que está dando, estão comendo pelas beiradas com medo do prato estar muito quente.

Dai vêm as esferas judiciais se digladiando, parlamentares em desespero se exaltando, executivo se esfarinhando. Muitos sacos devem ser cortados neste silo nefasto que se instalou na república, pelo caminho que se segue e pelos meandros da justiça, ainda se vai muito tempo até que sejam definitivamente extintos.

Dilma vai denunciar “golpe” a jornais estrangeiros; Itamaraty pune diplomata que falou do assunto

 Na quarta (23), a revista britânica The Economist defendeu a renúncia de Dilma em editorial. A presidente foi a capa da edição para as Américas da revista com o título “Time to go” (“Hora de Partir”). A revista avalia que, até recentemente, mesmo sob os protestos, o governo Dilma tinha legitimidade intacta, e que a presidente podia dizer que tinha o desejo de ver a justiça ser feita. Agora, contudo, segundo a publicação, Dilma “rejeitou o que vestia de credibilidade”. A opinião da revista se baseia na decisão da presidente de nomear Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro chefe da Casa Civil, o que garantiria foto privilegiado ao ex-presidente, investigado pela Operação Lava Jato.


O STF já se deu conta da índole de quem os indicou, dando a devida resposta a uma presidente sem noção, que acusa de golpe um dispositivo constitucional.


Então, uma presidente que considera golpe o “impeachment” é capaz de ignorar tudo e partir para coisas mais perigosas. Já vimos as ameaças direcionadas ao Brasil, tanto externas quanto internas que por certo estão sendo monitoradas. Passando deste ponto de monitoramento só mesmo com Intervenção, eles não largarão seu proposito de perpetuação no poder, compromissos foram selados, pode ficar mau pra eles se forem descumpridos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário