segunda-feira, 23 de maio de 2016

Generais teriam participado do esquema para afastar DILMA ROUSSEF. Quem são eles?

Generais teriam participado do esquema para afastar DILMA ROUSSEFF. Quem são eles?


Obviamente o comando do Exército não vai se manifestar sobre o assunto. Contudo, no diálogo divulgado nesse final de semana ficou bem claro quando foi dito que “os generais, comandantes militares” garantiriam que o afastamento de DILMA ocorreria dentro da tranquilidade desejada. Movimentos sociais como MST e outros estariam monitorados, não se sabe se por agentes infiltrados ou por escutas telefônicas, ou os dois.
A menção aos militares foi feita quando Romero JUCÁ se referiu ao Supremo Tribunal Federal. O Ministro do STF, Marco Aurélio Mello é um dos membros da corte que mais alegava o risco de caos social caso o afastamento de DILMA realmente ocorresse.
Veja o trecho da conversa de Romero Juca com Sergio Mahado: JUCÁ – … Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ‘ó, só tem condições de  sem ela [Dilma Rousseff]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca’. Entendeu? Então…. Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.

Políticos conversando dizem o que querem. Contam vantagem e se gabam de manter contatos com pessoas influentes, entre estes os comandantes militares. Leve-se aqui em consideração que Romero Jucá foi condecorado três vezes pelos militares, recebeu duas condecorações na Ordem do Mérito Militar e uma no Mérito Aeronáutico. Por isso tudo certamente tem acesso aos comandantes, que responderiam a seus questionamentos de forma educada.
Pelo quilate dos políticos que possuímos, tudo indica que Romero JUCÁ simplesmente tenha perguntado a um oficial general sobre as consequências do afastamento de DILMA no que diz respeito aos “exércitos” de Lula, e que o mesmo tenha respondido o obvio, que movimentos sociais não tem condições de atirar o país no caos.
Ficam algumas perguntas importantes:
– Quem são os generais envolvidos, se é que ha mesmo? – Eles sabiam que a intenção oculta seria atrapalhar a lava jato? – Quando forneceram a informação a JUCÁ tinham conhecimento desse esquema para “estancar a sangria”?
É difícil acreditar que o Comandante do Exército, amigo de ALDO RABELO, estivesse envolvido em suposto esquema para afastar DILMA ROUSSEFF dentro desse “pacto para estancar a sangria”.


‘Há uma crise ética, mas instituições cumprem seu papel’ ???



O general Villas Bôas reconheceu que “há uma crise ética no País” embora ressalve que a chegada do PT ao poder “não tem responsabilidade nisso”. Disse também que “a corrupção está instalada no Brasil”, mas ressaltou que todas as instituições estão em pleno funcionamento e que “não há chance” de intervenção politica dos militares.

Se a preocupação é manter a estabilidade, pode começar a se preocupar, grande parcela da sociedade não acredita nas “instituições” como elas se apresentam, já que o pior da política e justiça brasileira estão à sua frente.
Manter esta falsa aparência pode prejudicar ainda mais a “estabilidade” e, a solução da “crise”, não estará mais nas mãos das “instituições”

Nenhum comentário:

Postar um comentário