terça-feira, 17 de maio de 2016

Nicolás Maduro convoca exercícios MILITARES para se proteger contra “qualquer cenário”.

Nicolás Maduro chama embaixador no Brasil e convoca exercícios MILITARES para se proteger contra “qualquer cenário”.



O atual presidente da Venezuela, que determinou o retorno de seu embaixador no Brasil, como medida para anunciar seu repudio contra MICHEL TEMER e o processo movido contra Dilma Rousseff, anunciou neste sábado a controversa decisão de determinar o inicio de exercícios militares das Forças Armadas venezuelanas nas proximidades das fronteiras como o intuito de preparar o país para “qualquer cenário”.
Maduro informou a população venezuelana sobre planos de intervenção do exterior contra seu país.
“Convoquei exercícios militares nacionais das Forças Armadas, no próximo sábado, para nos prepararmos para qualquer cenário porque esta terra é sagrada e devemos fazer com que seja respeitada”, disse MADURO.
O presidente disse ainda: ““Vamos defender a Venezuela com a Constituição Nacional e também com os mísseis.” 
O presidente está em situação econômica desesperadora e, acredita-se, que deve ser o próximo a cair, seguindo o exemplo do que ocorreu com os líderes aliados na Argentina e agora no Brasil.
Maduro é capaz de ações intempestivas e alguns acreditam que é capaz de criar uma situação de  conflito com algum país fronteiriço no sentido de desviar o foco que atualmente está sobre sua má administração e incapacidade política.

A Venezuela, embora em situação econômica lastimável, possui alguns equipamentos militares considerados de primeira linha, como os caças SU30. Contudo, nada indica que o país tenha a estrutura necessária para projetar algum poder para além de suas fronteiras.

As forças armadas bolivarianas são consideradas medianas e, com o efetivo e equipamentos de que dispõem, têm capacidade apenas de proteger sua própria soberania.
Esse tipo de medida desesperada, criar conflitos internacionais, já foi empregado por outros líderes, por isso a comunidade internacional tem que manter a Venezuela sob observação no sentido de reprimir rapidamente qualquer eventual ação tresloucada de Nicolás Maduro. Nos últimos meses o presidente venezuelano foi capaz de criar intrigas com a Guiana e Colômbia.



Um comentário: