sexta-feira, 10 de junho de 2016

Amo sim meu País!

Por que esse medo de ser de Direita?
Ah...o socialista/comunista ama seu partido, o Diretório Supremo e sua Bandeira! Não há Bandeira do País! Ultrapassado!


Cafona? Pode ser...
Mas como cafona sou capaz de ir as ruas levando a Bandeira de meu País e usar camisa e boné nas cores de nossa bandeira.
Jamais na cor vermelha de um partido se sobrepondo à de meu País.


Amo sim minha família e considero de extrema importância nosso convívio em harmonia com todas as famílias brasileiras, bem como estrangeiras que aqui convivam conosco.
Amo sim os costumes de civilidade e convivência entre todos os homens e mulheres, acreditando na harmonia entre irmãos...sem estimular ódio.
Amo sim o respeito que se deve ter a todos, sem importar a classe social, opinião, cor da pele, sexo ou opção sexual. É amor!
Amo sim a diversidade de qualquer forma, mas sem exageros, sem afrontas, sem imposição, sem agressividade, com respeito àqueles que são e aos que não são.
Com respeito aos que pensam de igual forma e aos que diferem. Com respeito aos que pensam e são diferentes.
É direito deles!
Amo a liberdade das pessoas, quanto a forma de amar, de viver, do modo como se sentem felizes, totalmente diferente do meu modo de pensar.
Isso me faz feliz!
Amo a independência de seus pensamentos e de viverem em conformidade com suas vontades, respeitando uns aos outros em convivência pacifica e de ajuda mutua.
Amo a liberdade sem a tutela do estado que tenta algemar os passos que as pessoas querem dar.
Amo a liberdade do homem, da mulher, do povo, dos grupos, de decidirem como devem caminhar e viver, sem um estado forte a lhes impor um modo de vida.
Amo a harmonia do amor com todas as suas nuances, em qualquer forma, pois o amor não comporta desrespeito, agressividade, ódio e maldade....Amor....É Amor!
Amo sim a todos, como seres humanos que devem conviver em harmonia.
Amo sim meus amigos, sem me preocupar com a cor da pele e ideias e, se moram num condomínio de luxo ou na periferia.
Não suporto a colocação feita pela esquerda de nós contra eles, de luta de classes. Nunca houve isso neste País abençoado com a miscigenação.
Não somos brancos, pardos, negros, mulatos, índios, asiáticos, amarelos, “gringos” ou outra classificação burocrática ou de etnia.
Somos todos irmãos brasileiros!
Desse modo, amo sim todos os brasileiros, pois, somos irmãos em uma grande Nação.


Amo sim a diversidade que nos une como uma Nação única.
Amo sim os amarelos, vermelhos, negros, pardos. Até mesmo os brancos.
Amo sim a meritocracia que premia os que lutam, não se entregam, se esforçam e sobem na vida por esforço próprio, sabendo que o caminho para a vitória está em suas próprias mãos e não no que é doado pelos outros, tirando a iniciativa deste brilhante e criativo povo.
Amo sim meus irmãos brasileiros e quero que tenham oportunidades iguais para a luta, para o sucesso.
Amo a todos e sei que temos ajudar aos que tem mais dificuldades.
Amo todos a ponto de ter certeza que é melhor ensinar meu irmão a pescar do que todo dia lhe dar a esmola de um peixe para comer, com a intenção única de deixa-lo dependente, para ter seu voto, de forma a manter a escravidão disfarçada, modernizada.
Enfim, se ser o que disse acima é ser conservador, então assumo!
Prefiro que eu, meus filhos e meus irmãos brasileiros sejam parte de uma sociedade de respeito a todos, sem distinção, com direito a busca pela própria felicidade. Sem precisar pedir permissão ao Estado sobre a forma como queremos e, se podemos ser felizes.

Precisava desabafar em função do que ocorre em nosso Brasil.

Paulo Fagundes

Nenhum comentário:

Postar um comentário