domingo, 12 de junho de 2016

Por que Geraldo PIMENTEL (PT) foi condecorado, sabendo os militares das acusações que pairam sobre o governador?


Algumas pessoas poderiam imaginar que o excesso de condecorações distribuídas para autoridades da república não passa de uma troca de afagos entre autoridades. Questiona-se: esses políticos e outras personalidades realmente fariam jus a tais condecorações, contribuíram de que forma para o êxito das instituições? Qual o critério para concessões desses “agrados” adquiridos com verba pública, portanto, com dinheiro de impostos? Onde a sociedade pode verificar as justificativas para concessão das condecorações para cada personalidade?
O atual governador de MINAS GERAIS foi condecorado em 3 de setembro do ano passado pelo Superior Tribunal Militar com a comenda Ordem do Mérito Judiciário Militar. No mesmo mês, como se fosse uma troca de gentilezas, o Ministro-Presidente do Superior Tribunal Militar – Brigadeiro William de Oliveira Barros – foi condecorado pelo governo de MINAS GERAIS com a, agora famigerada, Medalha da Inconfidência.
A norma que regula a comenda do STM diz, entre outras coisas, que pode ser concedida:
“a cidadãos, brasileiros ou estrangeiros, que tenham prestado reconhecidos serviços ou demonstrado excepcional apreço à JMU”
Ora, convenhamos, “demonstrado excepcional apreço” é algo extremamente subjetivo e abre amplas possibilidades para interpretações.


Fernando Damatta Pimentel, vulgo Jorge, governador de Minas Gerais, ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-ministro de estado, em vias de ser cassado e preso por corrupção, era um dos terroristas que balearam o cônsul dos EUA na tentativa de sequestra-lo.
RVChudo

Na época em que foi condecorado pelos MILITARES da mais alta instância julgadora, portanto, referência de moralidade e isenção, o político mineiro já era alvo de investigações na operação ACRÔNIMO, da polícia federal.
Poucos meses depois o governador Fernando Pimentel condecorou com a Medalha da Inconfidência um general, dois brigadeiros,  nove coronéis e nada menos que 26 desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado.  O TJ seria o possível responsável por julgar sua esposa, com foro privilegiado, caso fossem confirmadas as acusações diversas que pairam sobre a dupla.
Recentemente, depois de anos de insistência por parte de inúmeras pessoas e instituições, o Exército Brasileiro cassou medalhas de políticos condenados. Contudo, o já condenado JOSÉ DIRCEU permanece como agraciado e um dos membros da ÓRDEM do MÉRITO MILITAR.

Sociedade Militar







Nenhum comentário:

Postar um comentário