terça-feira, 16 de agosto de 2016

A vida é de direita

A primeira vez que vi a luz foi num botequim, tomando um cafezinho com o chefe teórico de minha base no Partido Comunista, um excelente stalinista com um nariz inchado em “couve-flor”. Ele me disse a frase decisiva: “O comunista não morre. Só quem morre é o individuo iludido. O comunista se sabe um ser social. Ele faz parte de uma coisa maior, logo, comunista não morre”.
E eu, emocionado, sonhei com a vida eterna. Vi a luz. A partir daí, eu era parte de um processo histórico inelutável, muito mais importante que meus anseios burgueses.
Mas confesso que, para atingir a verdade ideológica, percorri um labirinto de dúvidas. Desviei-me da pequena burguesia, evitei as teses reacionárias dos social-democratas.
A fé entrou em mim como uma água santa. Um batismo. Contra todos os obstáculos, chegaríamos ao futuro. Mesmo os erros nos levariam a um acerto final, como ensina a dialética materialista.
Daí para a frente vivi com fé e força. Minha vida seria salvar o Brasil. Quando conquistamos o poder com Lula, eu pensei: vamos fazer agora o que não conseguimos em 63. Agora é o trem em direção ao fim da história, ao paraíso social.
No entanto, hoje exalo uma cava depressão, à beira do impeachment de nossa presidenta! Que horror esse golpe!... A direita neoliberal imperialista burguesa, a oligarquia alienada e aliada à mídia conservadora conseguiram destruir nosso grande projeto histórico.
Não viemos para essa piadinha de “democracia representativa”, não; a gente tomou o poder para mudar o Estado.
Em 2010, o presidente seria o Dirceu, mas a direita conseguiu expulsar nosso guerreiro do povo. Que pena... Fomos tão sérios em nosso projeto, fizemos tudo certo, sempre seguimos a “linha justa”, sempre soubemos usar os meios para nossos fins. Os inimigos dizem que os fins não justificam os meios, mas nós – vamos botar a bola no chão, amigo leitor –, nós somos pessoas especiais, superiores mesmo à estupidez geral das classes médias, essa gente horrenda, burra, que deveria ser apunhalada ou enterrada viva, como bem disseram dois professores de São Paulo e Rio. Fins justificam meios, sim. Por exemplo, dizem que roubamos, mas nunca usamos essa palavra. Sim, “desapropriamos” empresas burguesas para montar nosso pecúlio para o socialismo bolivariano.
Alguns neoliberais dirão: “E a Petrobras?”. Muito simples. A Petrobras é uma empresa do povo brasileiro, e seu capital pode ser usado para o bem do mesmo povo. Foi tudo dentro de um projeto progressista.
Por exemplo, qual o problema de comprar a refinaria de Pasadena, no Texas (apelidada de “lata-velha”, rs, rs) por um preço 30 vezes maior do que ela valia? US$ 800 milhões não foram desviados por acaso; nossa presidenta fez olhos de cabra-cega para o memorando do Cerveró porque essa grana seria para vencermos a luta entre opressores e oprimidos. Só a luta de classes nos explica.
Agora, está na moda uma visão crítica do patrimonialismo brasileiro, invenção daqueles revisionistas Sérgio Buarque e Gilberto Freire. Quiseram explicar o Brasil por complexidades sociais e psicológicas. Mas onde está a opressão, a injustiça que tanto gostamos de lembrar e de sofrer? Eles já estão sendo denunciados por nossos intelectuais. Criticar a injustiça nos enobrece.
Vejam aquela festa de abertura das Olimpíadas, por exemplo. Foi uma coisa sórdida embelezar nossa vida, sob aquela ladainha política de “país tropical”, abençoado por Deus.
O show uniu a favela e o asfalto, numa falsa conciliação multicultural, mas no fundo para silenciar nossas contradições e a violência dos conflitos. Dizem que foi belíssima a apresentação para 3 bilhões de pessoas no planeta, mas não me deixo enganar: a beleza pode ser reacionária. Foi um show de direita, para uma Olimpíada reacionária.
Não vi nenhum jogo, a não ser da Venezuela e Coreia do Norte, bastiões de defesa contra o imperialismo norte-americano, que será destruído. Os sinais estão no ar.
Acho até bom que o Trump seja eleito presidente dos Estados Unidos – aí fode tudo logo e arrasa aqueles gringos, responsáveis por nossa desgraça. O próprio Estado Islâmico é culpa dos norte-americanos; são a consequência do imperialismo na Ásia.
Ouso dizer mesmo que todo o desmanche que aconteceu com o Brasil teve um lado, digamos, “progressista”. Desorganizou a oligarquia capitalista, uma coisa que é sempre boa. Temos de avacalhar o capitalismo, mesmo sem ter o que botar no lugar.
Fizemos muito pelo povo, mas agora fomos barrados pela direita mais sórdida: os fascistas que só pensam em equilibrar as contas do país. Mas que contas? Estávamos no poder e resolvemos distribuir grana para o povo porque o apoio popular era mais importante que uma contabilidade certinha de armazém. Chávez quebrou a Venezuela, mas, como um passarinho no ouvido do Maduro, detém o poder com ajuda de juízes e militares dominados.
Talvez nosso maior erro, como disse brilhantemente a direção do PT, tenha sido não termos nos aproximado mais dos militares. Fico olhando o povo. É minha única delícia ainda. Amo sua ignorância, sua simplicidade, sua obediência fácil. Sou um homem bom. E hoje minha consciência está tranquila. Sempre lutei pelo povo, mas sobretudo por minha própria boa consciência. A pobreza seria nossa bússola para salvar a sociedade. Um grande Estado regulando tudo e nosso povo pobre, mesmo analfabeto, mas todo arrumadinho, regido por um Comitê Central esclarecido.
Claro que minha vida pessoal melhorou com algumas sobras de campanha, caixas 2 etc. Menti sobre isso, sim, mas o que tem mentir? São mentiras revolucionárias. Mas estou muito triste porque esse sonho ficou impossível. Eles, os neoliberais, os cães capitalistas, desfizeram todas as nossas grandes obras. A vida social hoje é um caos, sem a tranquilidade do ritmo socialista de viver. Chego a ter inveja da vida arrumadinha da Coreia do Norte. Não aceito a vida como ela é hoje no Ocidente. O presente não presta; só existe o futuro. O certo está no avesso de tudo. A vida é de direita.


Nenhum comentário:

Postar um comentário