quarta-feira, 24 de agosto de 2016

MST executa produtor rural

Estilo Che Guevara, MST executa produtor rural após ele depor na CPI.

A CPI da FUNAI e do INCRA, cuja prorrogação foi negada pelo Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a pedido do PT, deixará de investigar, entre outros crimes, a morte do produtor rural Gilmar Borges, nas cercanias de Brasília. Gilmar era arrendatário de 247 hectares no Gama (DF) havia 40 anos, mas a terra foi invadida pelo MST e transformou sua vida num inferno, até ser executado aos 78 anos, dias após depor na CPI. A informação é do colunista Claudio Humberto do Diário do Poder.
                             Érika Kokay, à esquerda da foto
O relatório sobre o caso cita a deputada Érika Kokay (PT-DF), que apoiou a invasão do MST, por isso ganhou o carimbo "reservado".
Gilmar contou a CPI que era ameaçado pelo MST e os invasores se reportavam a Érika Kokay que estaria "por trás" das invasões.

Um comentário:

  1. Onde reina o terror, o remédio é o terror, ninguém fica impune por muito tempo.

    ResponderExcluir