segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Por Mi Patria! Se liga no LIGA.




O movimento Por Mi Patria, fundado por Augusto Pinochet Molina, neto do ditador chileno, anunciou a sua intenção de se tornar o partido "ordem republicana minha pátria". Esta, a fim de consolidar-se como uma terceira forma de política chilena, após seis anos de existência.
Para o meu país "é o renascimento de um povo que quer ser livre, uma nação que pede um lugar, um povo que diz que nós fomos e faremos o possível para coloca o Chile em seu lugar de direito, na nossa história”. Definido como um libertário, entidade patriótico, baseada em valores e inclusiva, de acordo com a CNN Chile.
Para eles, não houve um golpe em 1973, mas uma "declaração". Nem era uma ditadura, mas um "governo militar". Militantes buscam resgatar "pontos positivos" no período em que Pinochet esteve no poder, o que eles chamam de "a base estrutural" do Chile. Além disso, eles garantem que tornou-se mais do que aquilo que tem sido feito desde 1990 até à data durante seu mandato. Eles reconhecem que houve graves violações dos direitos humanos, mas afirmam que muitos soldados foram perseguidos injustamente.
Eles são críticos da atual política e identificados perto do centro direita. Eles se declaram contra a reforma da educação, casamento gay e aborto a pedido. A favor de uma nova constituição através de uma Assembleia Constituinte, e as crescentes restrições imigrantes.
Quanto à acusação do ex-agente DINA, Cristián Labbé, Eduardo Toledo, vice-presidente de meu país, observa que “é o Ministério do Interior, que está por trás de tudo isso, é uma vingança sistemática, é uma caça às bruxas”. 
Original em el mostrador e mais em Por Mi Patria


Discurso de despedida do neto do General Pinochet, então Capitão Pinochet, na cerimônia de seu funeral na Escola Militar em dezembro de 2009.

Augusto Pinochet Molina, Capitão do Exercito Chileno, foi deposto de sua patente um dia após o funeral de seu avô, quando dentro do discurso de despedida, proferiu fortes criticas ao comunismo em seu país.
O Capitão Pinochet, teve sua patente tomada por determinação de Michelle Bachelet, determinação esta que o exercito, agora subserviente, cumpriu.



O neto do ex-presidente chileno Augusto Pinochet foi expulso do Exército por ter feito um discurso não autorizado durante o funeral do avô.
A exoneração do capitão Augusto Pinochet Molina, de 34 anos, foi encaminhada pelo comandante do Exército, general Oscar Izurieta, à presidente Michelle Bachelet, que a teria aprovado imediatamente, segundo informações da agência de notícias EFE.
A expulsão foi anunciada horas depois de Bachelet afirmar que o Exército "saberia o que fazer" com o neto do ex-presidente, que interrompeu a cerimônia fúnebre em um colégio militar em Santiago, na terça-feira, para falar sobre as supostas conquistas do regime militar liderado por Pinochet (1973-1990).
"Ele foi um homem que, no auge da Guerra Fria, derrotou o modelo marxista, (um modelo) que tentou impor o totalitarismo não pelo voto, mas pela força das armas", disse Augusto Pinochet Molina, diante das cerca de 5 mil pessoas que participaram da cerimônia.
Além dos elogios ao avô, o neto do ex-líder militar criticou os juízes que indiciaram Augusto Pinochet. O ex-presidente morreu no domingo aos 91 anos de idade sem responder a diversos processos por acusações relacionadas aos desaparecimentos e mortes de 3 mil pessoas e, mais recentemente, por corrupção.

Hoje, Bachelet tem o menor índice de aprovação da história do Chile, o que nos remete ao Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário