domingo, 6 de novembro de 2016

Questione-se o porquê do Estado falido?


Pergunto: O Rio de Janeiro foi atingido por algum furacão? O Rio de Janeiro foi vitima de algum terremoto de proporção 9 na escala Richter? O Rio de Janeiro foi atingido por algum tsunami? NÃO!!!
Fomos atingidos por uma Copa do Mundo, por uma Olimpíada e Para olimpíada que políticos e empresários ainda comemoram como se tivessem ganho na mega sena americana.
Arrasaram o Rio de Janeiro com obras superfaturadas, mega favores a empresários, entupiram os servidores com empréstimos e facilidades para obtê-los, que nunca foram tão fáceis. Para que aumento se eles podem pegar dinheiro nos bancos? Hoje, com os servidores enforcados, à mercê dos bancos, e o Rio de Janeiro quebrado de tanto roubarem, querem oferecer nossos corpos em sacrifício para acalmar o vulcão chamado “ROMBO” que ameaça explodir a cidade inteira com miséria e violência. Façam suas contas, os contra cheques já estão disponíveis. Imaginem viver sem os triênios, sem as gratificações e vejam a migalha que sobra para a sobrevivência de suas famílias.
Aceitaram esse “LATROCÍNIO”???
De um servidor "P" da vida.



O fundo de previdência dos servidores do Estado do Rio captou, ano passado, US$ 3,1 bilhões com títulos de dívida em dólar. Foi uma operação muito bizarra, pois nunca um fundo de pensão brasileiro havia emitido dívida lá fora e a garantia foram os royalties de petróleo que a autarquia receberia no futuro. Para isto contratou e pagou a peso de ouro, consultorias e chamados “especialistas” para como isto leiloar a aposentadoria do servidor carioca.
Contudo, desde então, a cotação internacional do petróleo despencou à metade, a Petrobras reduziu a produção, e, com isso, as receitas do Rio-Previdência. A drástica mudança de cenário impactou as expectativas de lucro, levando ao descumprimento de uma cláusula contratual com os credores (covenant) e lesiva a Rio-previdência, que prevê o vencimento antecipado dos títulos, se a estimativa de receitas do devedor cair abaixo de determinado limite.


Nenhum comentário:

Postar um comentário