sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

M. P. do RJ é surdo, mudo e cego


Há pelo menos uma década o Ministério Público do Rio de Janeiro recebe denuncias que, no mínimo já deviam ter se transformado em inquéritos. Mas tudo que lá entra em se tratando de denuncias contra o PMDB fica inerte com uma bunda gorda sentada em cima.

Se Cabral hoje está preso, agradeçamos ao Ministério Público Federal, que com a operação Lava Jato, faz o que o M.P. do RJ não fez nem faz.

Preso no presidio construído em sua gestão como governador do Rio de Janeiro, as denuncias continuam. São denuncias sobre o tratamento diferenciado que vem recebendo, denuncias sobre a comida privilegiada vinda de fora que recebe e denuncias das visitas de parlamentares que travestidos de seus cargos, dão “carteirada” para visita-lo fora dos dias e horários regulamentares para visita de presos.

Alegam que têm esta prerrogativa, certo, eles as têm no exercício da função parlamentar, não no exercício de seus interesses articulares e da quadrilha PMDB.

Entre os parlamentares que foram paparicar ou tramar com o ex governador corrupto preso, estão Marco Antônio Cabral, Paulo Melo, Washington Reis e Cidinha Campos, todos negaram esclarecer os motivos da visita ilegal, menos a deputada Cidinha Campos, que declarou tê-lo visitado duas vezes, que Cabral é seu amigo, um amigo que passa por um “momento difícil”. Ora Cidinha Campos, era melhor também ter-se negado a falar, Vá “TOMATECRÚ”! Tú é muito descarada!


Cidinha foi cobrada por ter visitado o ex-governador Sergio Cabral (PMDB) na cadeia na semana passada - ele está preso em Bangu 8 há 12 dias, na Operação Calicute, um desdobramento da Lava Jato. A deputada teve de ser escoltada por seguranças.
"quanto a visitar o Cabral, ninguém vai me impedir de visitar um amigo que estiver na pior"

Quem passa por momento difícil são os milhares de funcionários públicos deste Estado, quem passa por momentos difíceis são as pessoas que precisam de atendimento médico e encontram a morte nos locais de atendimento, que passa por momento difícil é a população deste Estado à mercê de outra quadrilha que também mata, mas com tiros. Tudo por culpa desta nefasta quadrilha que se formou neste Estado com o intuito de “propinar” as obras absurdas que hoje se deterioram não justificando o investimento feito. Cambada de FDP!

Quanto custa e para que serve o Ministério Público do Rio de Janeiro? Só para oferecer denuncia contra a ralé que sustenta toda esse bando? 




4 comentários:

  1. Porque o preso não pode receber visitas? Estamos no tempo da masmorra? Talvez seja melhor matar o preso assim que ele narrar no presídio. Visitas não são privilégios, são direitos dos presos. Ele já começou a pagar por seus erros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TNC, FDP, VAGABUNDO(A) PUXA SACO DE LADRÕES!!!

      Excluir
  2. Aponte no texto onde diz que preso não pode receber visita! Parece PTista defendendo o indefensável. A critica é quanto aos outros membros da quadrilha, munidos de mandados, usando prerrogativas que não possuem neste caso. Suas prerrogativas são no exercício da função parlamentar, e visitar vagabundo ladrão não é prerrogativa, deve se submeter aos critérios que todos as visitas se submetem.

    ResponderExcluir
  3. A questão principal é a diferença no tratamento. Se está preso não pode ter regalias. Para outros detentos tratamento desumano, inclusive contra familiares e visitantes, que se amontoam, desde a madrugada, para poder visitar um parente. Enquanto que esse ladrão, responsável pela morte de inúmeros cidadãos, nos hospitais sucateados e arrombados para que ele a sua família vivessem no luxo e ostentação. É um absurdo se permitir tratamento diferenciado. Falta pena de morte no Brasil para esse tipo de caso.

    ResponderExcluir