quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O GOLPE DE ESTADO FEITO PELO STF E SENADO


José Eduardo Cardoso anunciou na Globonews que está entrando ainda hoje com processos (no plural mesmo) no STF CONTRA a decisão do Senado. Oras, dado que a COMUNISTA TERRORISTA foi deposta do cargo, mas, teve seus direitos políticos preservados isso configura que:
1) ela é inocente, porque a punição decorrente (perder os direitos políticos) do crime não lhe foi imputada;
2) assim sendo, mune os COMUNISTAS de argumentos para manter a teoria do golpe agora acrescido com outro argumento o do "arrependimento" do senado que, por "mea culpa", não aplica o rigor da lei porque sabe que a presidentA é inocentA (como disse Lindberg).


O PT NÃO desistirá, porque COMUNISTAS são PSICOPATAS e uma vez que começam a agir não param até que seus objetivos sejam atingidos, no caso, exterminar o inimigo ou ser exterminado.
Aliás Rousseff, em seu discurso hoje, afirmou que esse será o caminho a ser seguido.

O que se pode esperar do STF? TUDO, eles não respeitam a Constituição. O lado bom disso? O PT/COMUNISTAS são inimigos tão terríveis, tão nefastos, tão cruéis, que obrigarão os brasileiros a reagir de modo coletivo, coordenado e estratégico. Uma espécie de amadurecimento a fórceps. Se não amadurecer e crescer, a morte é certa.
O GOLPE DE ESTADO FEITO PELO STF E SENADO
Loryel Rocha


Por Romeu Tuma Jr.:
"Acordão/Acórdão da Madrugada
Servidor Público perde o cargo público por CRIME DE RESPONSABILIDADE mas pode ocupar cargo público? 
Que decisão de araque é essa?"


Aguardemos 2018, com Dilma candidata ao Senado ou Câmara.


O Senado Federal aprovou às 13h35 desta quarta-feira, 31, por 61 votos a 20 o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff (PT). Quase dois anos após ser reeleita com 54,5 milhões de voto, ela se tornou o segundo presidente da República da história do Brasil a sofrer impeachment. Com a destituição, Michel Temer (PMDB) assumirá o comando do País. Ele já estava como presidente em exercício desde 12 de maio, quando o Senado tinha aprovado o afastamento temporário da petista.

O Senado Federal rejeitou, porém, por 42 votos a 36, a inabilitação da presidente cassada Dilma para exercer cargos públicos por oito anos. Dessa forma, mesmo tendo sofrido impeachment, a petista poderá exercer cargos públicos, como de ministra e secretária estadual. Dilma também não está inelegível, ou seja, poderá concorrer as eleições novamente, caso deseje. 
ESTADÃO

Fecham-se as cortinas da peça "impeachment" começam a ser traçadas outras que se desenrolarão neste cenário chamado Brasil. Diferente do impeachment de Collor, onde apresentou sua renuncia antes de seu julgamento, ele foi "impeachmado" e teve seus direitos políticos suspensos por oito anos. Mas como os escritores, autores e atores são outros, o rito não seguiu a jurisprudência formada no processo anterior. Dilma livre leve e solta para se candidatar a Presidência, ao Senado ou a Câmara Federal em 2018, como também ser nomeada Ministra e outras funções estratégicas de onde pode continuar a arquitetar junto a outros a implantação da ideologia que pretendem.


Não gastarei o meu precioso tempo assistindo aquele circo. É tudo um teatro. É a esquerda limpando a própria esquerda a fim de salvaguardar "La Revolucion". Os socialistas, o Foro de São Paulo e tutti quanti estão amputando o dedo para salvar a mão. É a mais velha estratégia revolucionária em ação. Conforme já disse, tem sido assim desde o século XVII. Quem ainda não entendeu isso ou é burro ou é mau caráter.

A inconstitucionalidade da "maracutaia de hoje no Congresso.



Artº 52 - 
I Compete privativamente ao Senado Federal: (EC nº 19/1998, EC nº 23/1999, EC nº 42/2003 e EC nº45/2004) processar e julgar o Presidente e o Vice Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;

II processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade;

Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como Presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.




Lula se foi, Dilma se foi e ministros, deputados e outros safados foram “eliminados”, mas o Foro de São Paulo segue firme e forte, perdendo um dedo, continuando ainda com a mão forte sobre o destino deste País. Resta-nos a Lava jato, que segue adiante nas apurações, enquadramentos, indiciamentos e prisões; como se uma intervenção invisível e silenciosa agisse para nos salvar do futuro sombrio.


"Se houve golpe em 2016, foi cassar uma presidente que cometeu crime de responsabilidade e não torná-la inelegível! A jararaca ainda está viva!
(Jair Bolsonaro)

OS GOLPES NO BRASIL.


A) PEDRO ALVARES CABRAL AO INVADIR AS TERRAS BRASILEIRAS, ROUBANDO TUDO, ALMA, CORAÇÃO E VIDA, E DANDO EM TROCA, BUGIGANGAS, CINISMO, CORRUPÇÃO O MUITAS DOENÇAS DESCONHECIDAS NO CONTINENTE. TRANSFORMOU UMA AMOSTRA GRÁTIS DO PARAÍSO NO VERDADEIRO INFERNO EUROPEU.

B) OS DITOS REPUBLICANOS, USAR UM DOENTE PARA TRAIR O AMIGO D.PEDRO II, VELHO E ALQUEBRADO, NASCIDO NO BRASIL, EXPULSANDO-O JUNTO COM A FAMÍLIA COMO SE BANDIDOS TRAIDORES FOSSEM. MAS O GOLPE MAIOR É TER PROCLAMADO A REPÚBLICA NUMA CÂMERA MUNICIPAL SEM O CONHECIMENTO DE TODA POPULAÇÃO BRASILEIRA EXCETO AOS POUCOS QUE SE JUNTAREM EM FRENTE A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PARA VER O QUE ESTAVA ACONTECENDO.

C) O DITADOR GETÚLIO VARGAS USANDO MEIOS ESCUSOS, PROCLAMAR O ESTADO NOVO, OU UMA DITADURA NAZISTA DISFARÇADA.

D) LEONEL BRIZOLA, LUIZ CARLOS PRESTES, MARIGELA LAMARCA, ENTRE OUTROS INGLÓRIOS PERSONAGENS QUE A HISTÓRIA DIRÁ A VERDADE, QUERER IMPLANTAR NO BRASIL UMA DITADURA:
"A DITADURA DO PROLETARIADO" E TAXAR A CONTRA REVOLUÇÃO MILITAR DE GOLPE.

E) O IMPEACHMENT DO PRESIDENTE FERNANDO COLLOR, A HISTÓRIA CONTARÁ A VERDADE SOBRE AS NEGOCIATAS ENTRE PARTIDOS POLÍTICOS, EMPRESÁRIOS SEM ESCRÚPULOS E A UNE, ENTÃO SE VERÁ O GOLPE DADO CONTRA O ARROGANTE E INFANTIL PRESIDENTE COLLOR QUE PENSAVA PRESIDIR UMA NAÇÃO SEM O TOMA LÁ DÁ CÁ.

F) A DOAÇÃO E VERBAS E O APOIO DESCARADO A ONG'S E ORGANIZAÇÕES DITAS SOCIAIS QUE NÃO PASSAM DE GANG'S TERRORISTAS E CRIMINOSAS CUJO ÚNICO FIM É ENRIQUECER OS LÍDERES.EXEMPLO DO MTST, MST, CUT, PCC, CV, VIA CAMPESINA, CONJUVE, UNE, ORGANIZAÇÕES UNIVERSITÁRIAS PÚBLIBICAS. ORGANIZAÇÕES FEMINISTAS E LGVTS. ETC.

José Torquato de Barros

O dia D de Dilma

Estou no passado, amigos leitores, mas o discurso de Dilma deve ter sido algo mais ou menos assim.


Eu vos escrevo do passado. Hoje é o dia D de Dilma. Como terá sido o discurso de Dilma no Senado? Bem, fazer “mea-culpa” nem pensar. Eu a entendo. Ninguém sai na rua ou vai ao Senado para bater no peito e dizer: “Eu sou um (a) incompetente, eu sou responsável pela quebra do país!” Tudo bem, mas a autocrítica era um hábito recorrente durante aquele ex-socialismo que ainda viceja nas cabeças petistas. Lembro-me da hilariante autocrítica de um alto dirigente chinês durante a Revolução Cultural: “Eu sou um cão imperialista, eu sou o verme dos arrozais!...”

E, como estou no domingo passado, me pergunto: como terá sido o discurso? Sem dúvida Dilma falou com sinceridade total (não é ironia), falou de sua alma revolucionária.
O discurso de Dilma é para ela mesma. Para se convencer fundamente de que não cometeu erro algum. Vocês já viram. Eu imagino:
“Começo dizendo que minha consciência está em paz. Quando entrei em 2010, o Brasil estava ameaçado por ideologias reacionárias: a socialdemocracia, o neoliberalismo, mas eu restaurei o essencial: a luta contra o imperialismo norte-americano, contra a desnacionalização de nossas riquezas, contra essa sociedade de empresários irresponsáveis e também contra o lucro. Fiz o fundamental: coloquei o Estado no topo, no centro de tudo, pois de lá emana a verdade para essa sociedade de ignorantes, essa classe média reacionária, como bem acusou nossa filosofa. O Brasil é tão frágil que só um grande Estado provedor pode proteger as massas nas lutas sociais que elas nem sabem que estão travando; mas eu sei, porque nós somos a consciência do povo.
“Sou acusada de ter dilapidado as contas do país, rompendo a Lei de Responsabilidade Fiscal. Rompi sim. Pois eu tive orgulho de usar o Estado e seu tesouro acumulado para estimular o consumo tão ansiado pelos pobres diabos, sim, mesmo que os cofres públicos tenham ficado vazios para investir. Populismo? Eu chamo de catequese, conquista de adeptos para o grande futuro que virá! Gasto público é vida! Eu não podia ficar aprisionada naquela leizinha de responsabilidade neoliberal que o FHC inventou. Fiz isso sim porque meus fins justificavam esse meio; o fim era garantir apoio para próximas eleições do nosso PT, para ficarmos no poder deste país alienado até a chegada do futuro socialista.

“Eu fiz tudo certo. Distribuí cargos sem fim, dei verbas gordas para seus currais, nobres senadores. Fiz isso porque sei que às vezes é preciso praticar o mal para atingir o bem. Será que o Maquiavel disse isso?
“Eu sabia de tudo, eu sabia que a compra da refinaria de Pasadena ia ser um rombo pavoroso, confesso, mas como conseguir dinheiro para minha reeleição sem propinas? Propinas de esquerda, é claro. Por isso, fiz vista grossa sim quando aquele Cerveró me entregou uma página solta, com uma piscadinha do olhinho vesgo.
“Tenho orgulho de tudo que fiz. Menti na campanha, dizendo que não ia ter comida no prato do povo, menti nos bilhões que arranquei dos bancos para esconder o déficit publico. Mas foram mentiras que chamo de “corrupção revolucionária”. Ahhh, esse meu povo, tão ignorante, desvalido. A miséria me fazia feliz. Explico: denunciar a miséria era um alívio para minha consciência. Desculpem a emoção (chora), mas há uma pureza doce na miséria que me comove muito (lágrimas). Mas nós do PT somos os sujeitos da História e, apesar de vossa injustiça contra nós, vamos construir o paraíso social.
“Meus fins uniram o país. Sim, uni vocês até mesmo contra mim, porque confundiram minha sutileza ideológica com incompetência, acharam que eu errava, sem saber que meu acerto era no futuro. Nunca errei. Não me arrependo de nada. Houve corrupção?
Sim, mas adstrita a alguns elementos desonestos que traíram nossa missão. Dizem que roubamos; não, a palavra não é essa — é apenas a “desapropriação” de um tesouro comprometido com metas neoliberais... isso é que fizemos.
“É muito difícil desenvolver este país de merda, desculpem o termo. Por isso, temos de destruir o capitalismo por dentro, já que não dá mais pé uma revolução russa. Mesmo uma avacalhação é mais revolucionária — seria uma espécie de “esculhambação criativa” para arrasar administrações de direita.
“Foi isso que fez nosso líder Chávez, assassinado pelos imperialistas que lhe injetaram câncer no corpo e, depois que ele virou passarinho, passaram a roubar até os alimentos do povo, botando a culpa em nossos irmãos bolivarianos.
“Nosso povo também não sabe se governar. Por isso, digo, democracia clássica como? Para nós, ‘democracia’ sempre foi uma estratégia para tomada do poder. E não era hipocrisia; era dialética histórica. Tínhamos de apoiar a democracia burguesa para depois fazer o centralismo democrático que tanto usou nosso grande irmão Stalin, injustiçado por aqueles dois fascistas Kruschev e Gorbachev.
“Eu sou inocente, pura, não tenho dinheiro na Suíça, e toda minha paixão lancinante pelo povo brasileiro foi confundida com desonestidade e incompetência. As massas ainda vão sentir a minha falta, debaixo de um governo neoliberal que só pensa em contabilidade.
“Vocês hoje me baniram, mas vão se arrepender no futuro, pois o Brasil nasceu torto e nunca será consertado nem por Temer nem por ninguém.
“Arrependei-vos, fariseus do templo, pois, como disse a querida Gleisi Hoffmann: este Senado não tem moral para me julgar.
“Estou sofrendo um golpe. Sim, não adiantam rituais, votações; repito sim que é golpe tramado por essas instituições de direita, como o STF, o Congresso, o Ministério Publico, a OAB, a Polícia Federal.
“Estou orgulhosa de mim. Como Getúlio, saio da presidência para entrar na História. E, para terminar, cito o líder maoista João Pedro Stédile, quando disse aos camponeses: ‘Tenham filhos — eles conhecerão o socialismo!’ E eu acrescento: Seus filhos vão respeitar minha imagem no futuro. Adeus!”


Estou no passado, amigos leitores, mas deve ter sido algo mais ou menos assim. Que acham?

GLOBO



terça-feira, 30 de agosto de 2016

Os MILITARES estão de que lado da BATALHA do Impeachment? O 7 de setembro

É inegável. São dois lados se digladiando.
Na política o lado pró-Dilma faz o que pode para intimidar os SENADORES a favor do impeachment. Filmagens alegando “registrar o golpe” e forçar artistas como “Chico Buarque” a comparecer ao Congresso são apenas algumas das muitas armas usadas pela esquerda para tentar intimidar os políticos e reverter o processo.


Nas semanas que antecederam o inicio do processo de impeachment a esquerda fez força para tentar dizer – ciente de que os militares são formadores de opinião – que as Forças Armadas seriam contra o processo que pretende afastar Dilma Roussef definitivamente. Mídia, blogs e sites alinhados com a esquerda de forma incomum trataram militares com termos elogiosos e respeitosos, tentando seduzi-los, chamando-os a um posicionamento a favor de DILMA ROUSSEF.
Parte da estratégia consistia em dizer de diversas vezes que militares não se submeteriam à imposição de reacionários e parte da sociedade anti-esquerdista. Com essa técnica de jardim de infância, ou de comícios do PT, a tropa de elite de Lula e Dilma tentava manipular militares da ativa e reserva para que se posicionassem a seu favor.
O site Brasil 247 chegou a publicar texto de autoria de Lindberg Farias dizendo que os militares não se submeteriam a manipulação da Rede Globo.

Obviamente, nenhum militar da ativa deve dar declarações manifestando o posicionamento político das Forças Armadas. Contudo, é perfeitamente possível perceber o recado dado pelos militares na ativa, é bem comum que as informações sejam dadas de forma sutil.
Como evidência de que os militares apóiam o processo de IMPEACHMENT em curso no SENADO a sociedade tem alguns indicadores fortes.
1 – As declarações do GENERAL MOURÃO de que DILMA seria incompetente. Em discurso MOURÃO disse que a retirada desse governo seria o “descarte da incompetência”.
2 – O “salvo conduto” concedido pelos comandantes militares ao general MOURÃO, que mesmo após gritarias de DILMA e pressão por parte de nomes fortes, como o Senador Aloísyo Nunes, permaneceu como homem forte, na ativa, e acabou assumindo cargo ainda mais importante, o de Secretário de Finanças do Exército.
3 – A cassação pelos comandantes do Exército e Aeronáutica das medalhas dos PETISTAS José Dirceu e José Genoíno Neto.
4 – A exigência feita pelos MILITARES para que a ex-deputada comunista Perpetua Almeida fosse exonerada do Ministério da Defesa.
5 – A declaração indignada dos Generais rechaçando o agravo do PT de promover militares alinhados com o chamado “progressismo” esquerdista.
6 – Em plena semana decisiva para o processo de IMPEACHMENT o Comandante do Exército faz homenagem pública ao Juiz SERGIO MORO, principal protagonista da operação que aflige diversos políticos alinhados com o Partido dos Trabalhadores e pode se desenrolar para que ocorra a prisão de Lula e Dilma Roussef.

Segundo autoridades das Forças Armadas, o desfile de 7 de setembro, que ocorre uma semana após a definição do processo de impeachment no SENADO, promete ser um dos mais bonitos das últimas décadas. Obviamente, o evento ocorrerá será sem as terríveis e excludentes cercas de aço usadas pelo governo do PT no ano passado. 








QUEM CRIOU O MONSTRO?

A hipocrisia que grassa na mídia, e também nas cabeças ideologicamente “tortas” daqueles que se acham os únicos certos do universo, os “politicamente corretos” (falo dos dissimulados defensores dos DIREITOS DOS MANOS), recrudesceu após duas mulheres jovens e bonitas, bem colocadas socialmente, terem sido brutalmente assassinadas nas ruas de Porto Alegre. Agora, dezenas de bobo alegres, muitos deles formadores de opinião (aquela “opinião” que lhes interessa e só diz respeito ao lado que defendem, de forma totalmente parcial e/ou subliminar) resolveram “se dar conta” da violência que se instalou no país inteiro, especialmente nos últimos anos.


Como se esta violência maluca e assombrosa não estivesse ocorrendo já há bastante tempo no Brasil.
Além do natural crescimento da população, há que se refletir profundamente sobre a verdadeira origem da bandidagem.
Posso até estar equivocado, mas sinto de que este MONSTRO (o da violência desenfreada) teve início no exato momento em que surgiu – primeiro de forma tímida, e depois forte – a corrente que trata o marginal como uma “vítima da sociedade”; ou alguém que descambou para o crime por causa exclusiva do abandono que os governos deram aos pobres.
Como se todo criminoso fosse pobre, abandonado, e sem educação!
Outra falácia desta premissa enganosa e eleitoreira se situa no fato de que há centenas – senão milhares – de exemplos de irmãos criados rigorosamente nas mesmas condições, sendo que parte deles se desvia para o crime e para o tráfico de drogas, enquanto a outra parte é respeitada como cidadão e trabalhador “de bem”.
Sim, trabalhador “de bem” (sem redundância), porque existem inúmeros casos de trabalhadores “do mal”. Vejam, como exemplo, os casos dos criminosos de colarinho branco. São trabalhadores que usam sua inteligência e astúcia para obter vantagens pessoais, em detrimento dos seus companheiros e da sociedade em que vivem.
E eu penso de que maneira esta horda criminosa se disseminou nas nossas cidades?
Ah, em primeiríssimo lugar está à impunidade. Sem dúvida!
Ao lado da brandura das penas, ou da facilidade legal das suas regressões, que dão aos bandidos a certeza de uma passagem rápida (dependendo do delito cometido) pelas barras da justiça.
Mas, não vamos tapar o sol com uma peneira. Especialmente quando esta peneira é toda rota!
A maior contribuição para o aumento radical da violência reside na total falta de punição exemplar.
Ou será que alguém irá – de forma consciente – traficar drogas na Indonésia? Principalmente depois que se soube qual o destino de quem é flagrado lá cometendo este crime: a pena de morte sumária! E que não foi comutada nem com a interferência direta da Presidência do Brasil, no caso do traficante brasileiro condenado no ano passado.
O mesmo ocorreria aqui nas nossas cidades se os bandidos tivessem uma punição DURA e INFLEXÍVEL.
Ah, dirão os “puristas” defensores dos direitos humanos: é um radicalismo que nos lembra os tempos do nazismo....
Eu respondo – como cristão praticante – que o “perdão” não pode existir de forma unilateral. Heresia, ou não, JESUS CRISTO foi único, e nenhum de nós dará a outra face após ser duramente esbofeteado. Pela singela razão que não somos perfeitos. Reagimos a uma ação com outra ação proporcional.  
Então, enquanto não houver – por parte das autoridades – TOLERÂNCIA ZERO para os delinquentes e leis mais rígidas para os crimes cometidos contra a vida e o patrimônio, não estancaremos esta onda de violência que avança sobre todos como um caminhão desgovernado.
Nenhum animal (domesticado ou selvagem) é adestrado sem uma voz firme de comando. Do mesmo modo, os delinquentes. 
Querem me acusar de ser radical; filhote do Trump; fascista; ou do que quiserem? Tudo bem.
Mas eu quero ver a reação dos grandes defensores da bandidagem quando a vítima for alguém intimamente ligado a eles. 
Porque, para os falsos, pimenta nos olhos dos outros é colírio.
Quanta cretinice!

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Filipinas, guerra contra as drogas: a mulher que mata traficantes para viver

As Filipinas estão no meio de uma brutal guerra contra as drogas, sancionada pelo polêmico presidente Rodrigo Duterte.

O correspondente da BBC, Jonathan Head, explora o lado sombrio dos traficantes e assassinos do país através da história de uma mulher, presa em uma situação assustadora.
Quando se encontra um assassino que já matou seis pessoas, nunca se espera que seja uma pequena e nervosa mulher carregando um bebê.

“Meu primeiro trabalho foi há dois anos, nas proximidades desta província. Eu me senti muito assustada e nervosa porque era minha primeira vez.”

Maria, nome fictício, agora, leva a cabo assassinatos por encomenda, como parte da guerra sancionado pelo governo contra as drogas.
Ela é parte de uma equipe de sucesso que inclui três mulheres, que são valorizadas porque podem chegar perto de suas vítimas sem levantar a mesma suspeita que um homem levantaria.
Desde que o presidente Duterte foi eleito, e exortou os cidadãos e policiais a matarem traficantes de drogas que resistirem à prisão, Maria matou mais cinco pessoas, todos com tiros na cabeça.
Perguntei-lhe quem dera as ordens para esses assassinatos: “Nosso chefe de polícia”, disse ela.
Na mesma tarde em que nos conhecemos, ela e seu marido disseram que sua casa havia sido exposta. Eles estavam se mudando às pressas.
Esta controversa guerra às drogas lhe trouxe mais trabalho, mas mais riscos também. Ela descreveu como começou, quando o marido foi contratado para matar um devedor por um policial – um que também era um traficante de drogas.
“Meu marido era contratado para matar pessoas que não pagassem o que deviam.”
Isto se transformou em um trabalho regular para seu marido, até que uma situação mais desafiadora surgiu.
“Uma vez, eles precisaram de uma mulher … meu marido disse para que eu fizesse o trabalho. Quando eu vi o homem que eu era para matar, cheguei perto e atirei nele.”
Presidente Duterte chegou ao poder prometendo repressão contra o crime e as drogas.
E ele advertiu os traficantes de drogas em particular: “Não destruam meu país, porque eu os matarei”.
Na semana passada, ele reiterou sua visão contundente, quando defendeu as execuções extrajudiciais de suspeitos de crimes.
“Será que as vidas de 10 destes criminosos realmente importa? Se eu sou o único que está enfrentando essa dor, poderiam 100 vidas desses idiotas significar algo para mim?”
O que provocou as palavras duras do presidente e desencadearam esta campanha impiedosa é a proliferação do drug crystal meth ou “shabu”, como é conhecido nas Filipinas. Barato, fácil de fazer e intensamente viciante, oferece um instante de torpor, uma fuga da sujeira e da vida penosa nas favelas, um sucesso entre os trabalhadores em empregos cansativos como motoristas de jeepney.

O que é shabu?


·         Muitas vezes chamado de “ice” ou “crystal meth” no Ocidente, Shabu é o termo usado para uma forma pura e potente de anfetamina, nas Filipinas e outras partes da Ásia.
·         O shabu custa cerca de 1.000 pesos Filipinos por grama (US $ 22; ¥ 2,166)
·         Pode ser fumado, injetado, inalado ou dissolvido em água
·         As Filipinas são o lar de laboratórios em escala industrial, produzindo toneladas da droga – que então é distribuído por toda a Ásia.

Duterte descreve-o como uma pandemia, que aflige milhões de seus concidadãos. É também muito rentável. Ele listou 150 altos funcionários, oficiais e juízes ligados ao comércio. Cinco generais da polícia, diz ele, são os chefões do negócio. Mas são aqueles nos níveis mais baixos do comércio que são alvos dos esquadrões da morte.
De acordo com a polícia mais de 1.900 pessoas foram mortas em incidentes relacionados a drogas, desde que Duterte tomou posse, em 30 de junho. Destes, dizem eles, 756 foram mortos pela polícia, todos por resistência à prisão. As mortes restantes estão, oficialmente, sob investigação.
Na prática, a maioria vai permanecer inexplicada. Quase todos aqueles cujos corpos são encontrados todas as noite nas favelas de Manila e outras cidades são os pobres – os motoristas tricycle, trabalhadores informais, desempregados. Muitas vezes, encontrado ao lado deles, estão avisos escritos em papelão para que outros não se envolvam com drogas. Esta é uma guerra sendo travada, quase que exclusivamente, nas regiões mais pobres do país. Pessoas como Maria são usadas como seus agentes.

A guerra de Duterte contra as drogas
Desde 1 de Julho:

1.900
mortes relacionadas a drogas

10.153 traficantes de drogas presos
1.160 mortes ainda estão sendo investigadas
756 suspeitos mortos pela polícia
300 oficiais suspeitos de envolvimento
Fonte: Philippines Polícia Nacional
Mas é uma guerra popular. Em Tondo, uma área de favela próxima ao porto de Manila, a maioria dos moradores aplaude a campanha do presidente. Eles culpam o flagelo do “shabu” pelo aumento da criminalidade e pela destruição de vidas, embora alguns estejam preocupados que a campanha fique fora de controle, e que as vítimas inocentes venham a ser apanhadas na mesma.
Uma delas, que está sendo caçado pelos esquadrões da morte, é Roger – mais uma vez, um nome fictício.
Ele se tornou viciado em shabu quando jovem, diz ele, enquanto trabalhava como operário casual. Como muitos viciados ele começou a traficar para sustentar seu vício, era mais confortável do que trabalhar em fábricas. Ele trabalhou com muitos policiais corruptos e algumas vezes pegava porções de drogas que eram confiscadas em operações, para vender.

Agora ele está fugindo, deslocando-se de um lugar para outro a cada poucos dias para evitar ser perseguido e morto.
“A cada dia, a cada hora, eu não consigo tirar o medo do meu peito. É muito cansativo e assustador esconder-se o tempo todo. Você não sabe se a pessoa se a pessoa que está do lado irá te denunciar, ou se é um assassino. É difícil dormir à noite. Um pequeno ruído, eu já acordar. E a parte mais difícil de tudo isso é que eu não sei em quem confiar, eu não sei que direção tomar todos os dias, à procura de um lugar seguro para se esconder. “
Ele se sente culpado pelo seu papel no comércio dessa droga destrutiva.
“Eu realmente acredito que tenha cometido pecados. Fiz muitas coisas horríveis. Prejudiquei muita gente, porque eles se tornaram viciados, porque eu sou um dos muitos que vendem drogas. Mas o que que posso dizer é que nem todo mundo que usa drogas é capaz de cometer esses crimes, de roubar, e, eventualmente, matar. Eu também sou um viciado, mas eu não mato. Eu sou um viciado, mas eu não roubo.”
Ele enviou seus filhos para viver com a família de sua esposa no campo, para tentar impedi-los de serem expostos à epidemia de drogas. Ele estima que entre 30% e 35% das pessoas em sua vizinhança são viciados.
Então, quando o presidente Duterte afirmou, várias vezes, durante sua campanha presidencial que iria matar os traficantes de drogas e jogar seus corpos na Baia de Manila, Roger não levou essa ameaça a sério?
“Sim, mas eu pensei que ele iria ir atrás dos grandes sindicatos que fabricam as drogas, não os pequenos traficantes como eu. Eu gostaria de poder voltar no tempo. Mas é tarde demais para mim. Não posso me entregar porque a polícia, provavelmente, irá me matar.”
Maria também lamenta a escolha que fez.
“Sinto-me culpada e nervosa. Eu não quero que as famílias daqueles que matei venham atrás de mim.”
Ela se preocupa com o que os seus filhos vão pensar. “Eu não quero que digam que eles vivem porque nós matamos por dinheiro.” Já o filho mais velho faz perguntas sobre como ela e seu marido ganhar tanto.
Ela tem mais uma encomenda, mais um contrato a cumprir, e gostaria que fosse o seu último. Mas seu chefe ameaçou matar qualquer um que deixar a equipe. Ela se sente presa. Ela pede perdão ao padre, na confissão da igreja, mas não se atreve a dizer-lhe o que faz.
Ela sente qualquer justificação para a realização da campanha do presidente Duterte para aterrorizar o comércio de drogas?
“Nós só falamos sobre a missão e como realizá-la”, diz ela. “Quando for concluída, nós nunca mais falaremos sobre isso novamente.”
Mas ela torce as mãos enquanto fala e mantém os olhos fechados, perseguido, talvez, pensamentos que não deseja compartilhar.

PSOL declara apoio ao ditador Nicolás maduro.

Partido lançou nota em que declara solidariedade ao povo venezuelano e apoio à candidatura de Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana 


O presidente nacional do PSOL, deputado Ivan Valente, viaja na manhã desta sexta-feira (12) para Venezuela, onde vai acompanhar a eleição presidencial, que ocorrerá no próximo domingo, 14 de abril. Também já está em Caracas o jornalista e militante do PSOL Gilberto Maringoni, que foi acompanhar o processo pela Fundação Lauro Campos. Maringoni é um dos colaboradores do livro que a Fundação está elaborando sobre os governos progressistas da América Latina, incluindo a Venezuela, com sua experiência da Revolução Bolivariana, implementada por Hugo Chávez, falecido em 5 de março deste ano.
 
Em nota, o PSOL declara solidariedade ao povo venezuelano e apoio à candidatura de Nicolás Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana. Segundo o texto, o PSOL já havia manifestado sua solidariedade ao povo venezuelano, em duas oportunidades recentes: na eleição presidencial de 2012, em apoio político à candidatura de Hugo Chávez, e mais recentemente, em clima de profunda tristeza, manifestou seu pesar pelo falecimento do ex-presidente, “tão significativa personalidade na luta antimperialista latino-americana”. “Por coerência não poderíamos nos furtar a assumir posição diante das próximas eleições, previstas para 14 de abril, declarando nosso apoio  à candidatura de Nicolás Maduro, por expressar a continuidade dos valores da Revolução Socialista Bolivariana”, afirma o PSOL, ao final de sua nota.



Duas pessoas morreram por tiros durante um ato contra o presidente socialista Nicolás Maduro, disseram testemunhas e a mídia local. link
Reta final da campanha 
Nessa última semana de campanha eleitoral, o presidente e candidato a reeleição Nicolás Maduro tem percorrido diversos estados no interior do país, seguindo um ritmo frenético de, pelo menos, três por dia, deixando para hoje (11) o grande encerramento na capital, Caracas. Segundo matéria publicada no site do jornal Brasil de Fato, ontem ele aproveitou os atos para anunciar investimentos e prestar contas do governo. Nas atividades de campanha, tem arrastado multidões na mesma forma que seu predecessor, o ex-presidente Hugo Chávez, falecido no último dia 5 de março.



Genesis Carmona, 22 anos, foi baleada na cabeça durante um protesto cidade de Valência. O jornal venezuelano El Universal mostrou a imagem dramática de Carmona sendo socorrida longe dos protestos em uma motocicleta. link
 
“Com o acirramento da campanha, o candidato do chavismo tem pedido para que seus militantes não entrem em provocação e nem no triunfalismo, demonstrando preocupação com a mobilização do próximo domingo, dia das eleições presidenciais”, afirma o texto.


O que esperar de um partido que tem entre seus fundadores Archille Lollo, italiano que matou pela causa, matou crianças que morreram carbonizadas e abraçadas.
RVChudo