terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Claro, o filho do Picciani o indicou

Gustavo Perrella, do helicóptero com cocaína, é nomeado para o Ministério do Esporte.
Ex-deputado estadual Gustavo Perrella assume cargo de Secretário Nacional de Futebol; ele empregava em seu gabinete, na Assembleia de Minas, o piloto que foi flagrado no helicóptero da família Perrella com 445kg de cocaína.
Helicóptero da família Perrella
O ministro do Esporte Leonardo Picciani (PMDB) nomeou nesta sexta-feira o ex-deputado estadual em Minas Gustavo Perrella, que ficou famoso em todo País após um helicóptero de sua empresa ser apreendido pela Polícia Federal com 445 kg de cocaína em 2013, para o cargo de Secretário Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor.
Na ocasião, o piloto do helicóptero, que foi detido em flagrante, era funcionário do gabinete de Gustavo Perrella na Assembleia de Minas e foi exonerado após o episódio. Além disso, o então deputado mineiro utilizou R$ 14 mil de sua verba indenizatória para abastecer a aeronave, que foi devolvida à empresa da família Perrella por decisão da Justiça Federal, em agosto de 2014.
Gustavo Perrella chegou a ser investigado pela Polícia Federal, que concluiu que ele não teve envolvimento com o tráfico de drogas, poi o piloto teria pego a aeronave sem o conhecimento da família. A apreensão do helicóptero foi parte de uma operação da PF que revelou uma organização criminosa comandada por empresários brasileiros era responsável pelo transporte de cocaína das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) da Venezuela para Honduras, onde toneladas da droga eram entregues aos cartéis mexicanos de Sinaloa e Los Zetas.
O grupo comprava códigos de identificação do controle aéreo venezuelano que, assim, deixava de abater o avião. Cada voo pagava até US$ 400 mil de propina a militares da Venezuela.
Gustavo Perrella é filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG), um dos representantes da bancada da bola no Congresso.


Estaria a máfia italiana se estabelecendo no Brasil? Perrella e Picciani são sobrenomes italianos, que até rendeu a Jorge Picciani (PMDB), o vulgo italiano em delações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário